4.8 C
Londres
Segunda-feira, Abril 22, 2024

OMM Confirma, Estamos Em Vias De Extinção

“Como Secretária-Geral da OMM, estou agora a emitir o alerta vermelho sobre o estado global do clima” – Celeste Saulo, a Secretária-Geral da OMM.

OMM Confirma, Estamos Em Vias De Extinção


O relatório mais recente da Organização Meteorológica Mundial (OMM), confirma que 2023 foi o ano mais quente já alguma vez registado, superando os anos anteriores por uma clara margem; recordes quebrados de calor oceânico, aumento do nível médio do mar, perda de gelo marinho na Antártida e recuo dos glaciares, foram alguns dos resultados.

A OMM confirmou que em 2023 os extremos climáticos atingiram níveis alarmantes, desafiando o conceito de “fora dos padrões”, com a temperatura média global próxima à superfície a 1,45°C, com uma margem de ± 0,12°C, acima da linha de base pré-industrial. Foi o período de 10 anos mais quente alguma vez já registado.

Apenas a transição para energia renovável pode salvar a humanidade que se encontra claramente neste momento, em vias de extinção.

 

Limite do Acordo de Paris


Registaram-se novos recordes para os níveis de gases de efeito estufa, temperaturas superficiais, calor e acidificação dos oceanos, aumento do nível do mar, cobertura de gelo e recuo de glaciares, revela um novo relatório global emitido pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) na terça-feira.

Ondas de calor, inundações, secas, incêndios florestais e ciclones tropicais em rápida intensificação causaram miséria e caos, virando de cabeça para baixo a vida quotidiana de milhões e infligindo perdas económicas de muitos biliões de dólares, de acordo com o relatório Estado do Clima Global 2023 da OMM.

“As sirenes estão a soar em todos os principais indicadores… Alguns recordes não são apenas de topo, são de gráficos a rebentar. E as mudanças estão a acelerar”.

Disse o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, na mensagem de vídeo do lançamento do relatório. E acrescentou que nunca estivemos tão perto, ainda que temporariamente, do limite inferior de 1,5° C do Acordo de Paris sobre mudanças climáticas.

Please accept YouTube cookies to play this video. By accepting you will be accessing content from YouTube, a service provided by an external third party.

If you accept this notice, your choice will be saved and the page will refresh.

———————————————————————————————

Aceite os cookies do YouTube para reproduzir este vídeo. Ao aceitar, estará a aceder ao conteúdo do YouTube, um serviço fornecido por terceiros.

Se aceitar, a sua escolha será salva e a página será atualizada.

YouTube privacy policy

 

Alerta vermelho


Celeste Saulo, a Secretária-Geral da OMM, ao apresentar o relatório aos meios de comunicação em Genebra afirmou:

“O conhecimento científico sobre as mudanças climáticas existe há mais de cinco décadas e ainda assim perdemos uma geração inteira de oportunidades”.

“Como Secretária-Geral da OMM, estou agora a emitir o alerta vermelho sobre o estado global do clima”.

Ela enfatizou o problema e insistiu veementemente de que a resposta às mudanças climáticas deve ser governada pelo bem-estar das gerações futuras, e não pelos interesses económicos de curto prazo.

 

Mundo em desordem


É preciso perceber que as mudanças climáticas são muito mais do que a temperatura do ar, explicam os especialistas da OMM. O calor oceânico sem precedentes e o aumento do nível do mar, o recuo dos glaciares e a perda de gelo marinho na Antártida também fazem parte do quadro sombrio.

Segundo o relatório, em um dia médio de 2023, quase um terço do oceano global foi atingido por uma onda de calor marinha, prejudicando ecossistemas vitais e sistemas alimentares. No final do ano passado, mais de 90% do oceano havia experimentado condições de onda de calor em algum momento do ano.

O conjunto global de glaciares de referência sofreu a maior perda de gelo registada desde 1950, impulsionada pelo degelo extremo no oeste da América do Norte e na Europa, de acordo com dados preliminares. As calotes de gelo dos alpes, experimentaram o degelo extremo, com a Suíça a perder cerca de 10 por cento do seu volume restante, nos últimos dois anos.

A perda de gelo marinho na Antártida foi de longe a mais baixa registada – um milhão de quilómetros quadrados abaixo do ano anterior recorde – equivalente ao tamanho da França e da Alemanha combinadas.

A concentração observada dos três principais gases de efeito estufa – dióxido de carbono, metano e óxido nitroso – atingiram níveis recordes em 2022 e continuaram a aumentar em 2023, mostraram os dados preliminares.

 

Repercussões globais


De acordo com o relatório, as extremas meteorológicas e climáticas são ou a causa raiz ou factores agravantes sérios que, em 2023, desencadearam deslocamentos, insegurança alimentar, perda de biodiversidade, problemas de saúde e mais.

O relatório, por exemplo, cita que o número de pessoas que sofrem de insegurança alimentar aguda em todo o mundo mais do que duplicou, de 149 milhões antes da pandemia de COVID-19 para 333 milhões em 2023 em 78 países sobe vigilância do Programa Alimentar Mundial (PAM). Os extremos climáticos e meteorológicos podem não ser a causa principal, mas são factores agravantes.

“A crise climática é o desafio definidor que a humanidade enfrenta”.

“Está intimamente ligada à crise da desigualdade – como testemunhado pelo aumento da insegurança alimentar e dos deslocamentos populacionais, e da perda de biodiversidade”.

Disse Celeste Saulo, a Secretária-Geral da OMM, lembrando que os riscos climáticos continuaram a provocar migrações em 2023, mostrando como os choques climáticos minam a tolerância à resistência e criam riscos de proteção entre as populações mais vulneráveis.

 

Energia Renovável


O relatório da OMM não levanta só alarmes e preocupações, também oferece motivos para optimismo. Segundo o relatório, a geração de energia renovável, impulsionada principalmente pelas forças dinâmicas da radiação solar, do vento e do ciclo da água, posicionou-a como uma força líder na ação climática para alcançar objetivos de descarbonização.

Em 2023, a adição de capacidade renovável disparou quase 50%, em relação a 2022, totalizando 510 gigawatts (GW) – a taxa mais alta observada em duas décadas.

Sistemas eficazes de aviso precoce para múltiplos perigos são cruciais para mitigar o impacto dos desastres. A iniciativa Avisos Precoces para Todos visa garantir proteção universal através de sistemas de aviso precoce até 2027.

Desde a adoção do Quadro de Sendai para a Redução do Risco de Desastres, houve um aumento no desenvolvimento e implementação de estratégias locais de redução do risco de desastres.

 

O Custo da Inação


De 2021 a 2022, os fluxos globais de finanças relacionadas com o clima quase duplicaram em comparação com os níveis de 2019-2020, atingindo quase $1,3 triliões. No entanto, isto representa apenas cerca de um por cento do PIB global, sublinhando uma lacuna significativa de financiamento.

Para alcançar os objetivos de um caminho de 1,5°C, os investimentos anuais em finanças climáticas devem aumentar mais de seis vezes, atingindo quase $9 triliões até 2030, com um adicional de $10 triliões necessários até 2050.

O custo da inação é avassalador, adverte o relatório. Entre 2025 e 2100, pode atingir $1,266 triliões, representando a diferença de perdas entre um cenário de “negócios como usual” e o de alcançar o caminho de 1,5°C. O relatório, no entanto, adverte que este valor, provavelmente é uma subestimativa significativa do valor real.

 

Eventos Climáticos Extremos


O relatório também aponta também o ciclone tropical Freddy como um dos principais eventos climáticos extremos de 2023.

Foi um dos ciclones tropicais mais duradouros do mundo, mantendo-se activo entre Fevereiro e Março. Moçambique foi um dos países mais atingidos, sofreu com inundações devido a fortes chuvas e teve um registo de 165 mortes, tendo sido o Malawi quem mais sofreu, a reportar pelo menos 679 mortes e mais de 659 mil deslocados internamente.

 

Conclusão


Mais uma vez, continuamos a ignorar o obvio e que é de que estamos a prejudicar o nosso próprio meio ambiente, ou seja, o nosso habitat natural sem o qual somos incapazes de sobreviver.

A cupidez da procura do lucro a todo o custo, transformou o homo sapiens no pior assassino de espécies que este planeta já conheceu, tendo extinguido milhares de seres vivos ao longo da sua história, indo ao extremo de fazer algo que mais nenhuma outra espécie faz, dizimar-se a si mesmo, chegando a atingir o seu próprio ponto de extinção.

Quando será que o ser humano ganha juízo e percebe que o lucro pelo lucro não nos leva ao caminho do mel e da fartura, pelo contrário leva ao caminho da decadência, da morte e da extinção.

 

O que achas de mais esta desgraça demostrada neste último relatório da OMM? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Ver Também:

Clima: Já passámos o ponto de não retorno?

O Mundo pode entrar num círculo de destruição

Crise Climática Vai Piorar conflitos Em África

Girafas e papagaios entre as espécies em vias de extinção

 


Imagem: © 2023 Ilyas Ahmed
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos

Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.

Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!