9.6 C
Londres
Sábado, Maio 25, 2024

Girafas e papagaios entre as espécies em vias de extinção

Pode ser surpreendente saber que até girafas e papagaios estão incluídos na lista de espécies ameaçadas, assim como carvalhos, cactos e algas marinhas.

Girafas e papagaios entre as espécies em vias de extinção.

Estima-se que neste momento, existam apenas cerca de 600 girafas da África Ocidental em estado selvagem.

Cerca de um milhão de espécies estão em vias de extinção, de acordo com um relatório do IPBES, um órgão independente de ciência e política intergovernamental apoiado pela ONU.

 

A lista da IUCN

Pode ser surpreendente saber que até girafas e papagaios estão incluídos na lista de espécies ameaçadas, assim como carvalhos, cactos e algas marinhas.

As algas marinhas são um dos grandes sobreviventes do planeta, e parentes de algumas algas modernas podem ser rastreados até cerca de 1,6 bilhão de anos.

As algas marinhas desempenham um papel vital nos ecossistemas marinhos, fornecendo habitats e alimentos para as formas de vida marinha, enquanto grandes variedades – como as algas marinhas – atuam como viveiros subaquáticos para os peixes. No entanto, a dragagem mecânica, o aumento da temperatura do mar e a construção de infraestruturas costeiras estão a contribuir para o declínio da espécie.

As árvores do mundo estão ameaçadas por várias fontes, incluindo extração de madeira, desmatamento para indústria e agricultura, lenha para aquecimento e utilização na cozinha e ameaças relacionadas ao clima, como incêndios florestais.

Estima-se que 31% dos 430 tipos de carvalho do mundo estão ameaçados de vias de extinção, de acordo com a Lista Vermelha de espécies ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). E 41% são de “preocupação de conservação”, principalmente devido ao desmatamento para agricultura e combustível para cozinhar.

As girafas são um alvo pela sua carne e sofrem com a degradação do seu habitat devido à extração insustentável de madeira e ao aumento da procura por terras agrícolas; estima-se que existam apenas cerca de 600 girafas da África Ocidental em estado selvagem.

 

Resultados catastróficos para a humanidade

A actual crise da biodiversidade será exacerbada, com resultados catastróficos para a humanidade, a menos que os humanos interajam com a natureza de forma mais sustentável, segundo especialistas da ONU.

“O relatório do IPBES deixa bem claro que as espécies selvagens são uma fonte indispensável de alimento, abrigo e rendimento para centenas de milhões de pessoas em todo o mundo”.

“O uso sustentável, é quando a biodiversidade e o funcionamento do ecossistema são mantidos enquanto contribuem para o bem-estar humano”.

“Ao continuar a usar esses recursos de forma insustentável, não estamos apenas a arriscar a perda e o dano dessas espécies; estamos a afetar a nossa própria saúde e bem-estar e a das próximas gerações”.

Afirmou Susan Gardner, diretora da Divisão de Ecossistemas do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Conhecimento indígena

O relatório ilustra a importância dos povos indígenas serem capazes de garantir direitos de posse sobre as suas terras, pois há muito tempo entendem o valor das espécies selvagens e aprenderam a usá-las de forma sustentável.

Exemplos dos tipos de mudanças transformadoras necessárias para reduzir a perda de biodiversidade incluem uma distribuição equitativa de custos e benefícios, mudanças nos valores sociais e sistemas de governação eficazes.

Actualmente, os governos de todo o mundo gastam mais de 500 bilhões de dólares todos os anos em formas que prejudicam a biodiversidade para apoiar indústrias como combustíveis fósseis, agricultura e pesca.

Especialistas dizem que esses fundos, devem ser reaproveitados para incentivar a agricultura regenerativa, sistemas alimentares sustentáveis ​​e inovações positivas para a natureza.

 

Conclusão

Infelizmente a cupidez humana é enorme e como diz o ditado “o maior cego é aquele que não quer ver”. Com este acréscimo de mais espécies em vias de extinção, como a girafa, a lista vermelha da IUCN, é preciso ser completamente cego para não perceber que estamos a pôr em risco a nossa própria existência.

Infelizmente, enquanto o ser humano continuar nesta senda de consumismo exacerbado e não parar para olhar para o que se passa à sua volta, continuaremos nós próprios na senda da destruição e em breve será o Homo Sapiens a ser acrescentado a lista da IUCN, como “espécie extinta”.

 

O que achas desta situação? Consegues imaginar África sem girafas? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Imagem: © ONU 
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com