Clima: Já passámos o ponto de não retorno?

As alterações climáticas são cada vez mais evidentes, mas parece que nem pessoas nem governantes, querem saber do clima. Mas a maior questão de todas é se já passamos do ponto de não retorno e se, devido a isso, já não há nada a fazer e já teremos mudado o mundo de forma irreversível, ou se ainda teremos salvação como espécie.

Segundo um estudo recente, é muito provável que tenhamos atingido o “ponto de não retorno” em pelo menos 5 marcadores climáticos chaves.

  1. O degelo dos polos (Ártico e Antárctico).
  2. O recuo dos glaciares.
  3. O degelo do “permafrost” (terras supostamente congeladas pela eternidade).
  4. A alteração da temperatura das correntes oceânicas da Circulação Meridional do Atlântico (AMOC), da qual a Corrente do Golfo é uma parte importante.
  5. A incapacidade de a floresta amazónica em “limpar” a atmosfera (reter o Carbono).

 

A inflexão climática

Devido à actual crise climática, o mundo está à beira de um colapso global, já que vários pontos de inflexão (pontos de não retorno), passaram o seu limite e outros estão às portas de os ultrapassarem.

O estudo sobre o actual estado do clima, mostra que, até o momento, cinco pontos de inflexão já podem ter sido ultrapassados devido ao aquecimento global de 1,1°C causado pela humanidade

Estes incluem (mas não só) o colapso das calotas de gelo da Gronelândia, eventualmente produzindo uma enorme elevação do nível do mar, o colapso de uma corrente chave no Atlântico Norte, interrompendo a chuva da qual biliões de pessoas dependem para se alimentar e um derretimento abrupto do permafrost rico em carbono.

Com 1,5°C de aquecimento, o aumento mínimo agora esperado, quatro dos cinco pontos de inflexão passam de possível para provável, disse a análise. Também a 1,5°C, mais cinco pontos de inflexão irão provavelmente acontecer, incluindo mudanças no clima nas vastas florestas do Norte e a perda de quase todos os glaciares das montanhas.

No total, os pesquisadores encontraram evidências de 16 pontos de inflexão, com os seis finais, exigindo que o aquecimento global de pelo menos 2°C fosse acionado, de acordo com as estimativas dos cientistas. Os pontos de inflexão teriam efeito no clima em escalas de tempo variando de alguns anos a séculos.

“A Terra pode ter deixado um estado climático “seguro” além de 1°C de aquecimento global”.

Concluíram os pesquisadores.

Passar por um ponto de inflexão geralmente ajuda a desencadear outros, produzindo uma série de eventos “como a queda de uma cadeia de dominós”. Mas isso ainda está a se estudado e não foi incluído, no estudo actual o que significa que a presente análise pode ser “optimista”.

O professor Johan Rockström, diretor do Potsdam Institute for Climate Impact Research, que fez parte da equipe de estudo, disse:

“O mundo está a caminhar para 2-3°C de aquecimento global, o que é excessivo”.

“Isso coloca a Terra no caminho para cruzar vários pontos de inflexão perigosos que serão desastrosos para as pessoas em todo o mundo”.

“Para manter as condições de vida na Terra e permitir sociedades estáveis, devemos fazer todo o possível para evitar cruzar mais pontos de inflexão”.

O Dr. David Armstrong McKay da Universidade de Exeter, um dos principais autores do estudo, disse:

“É realmente preocupante. Há motivos para tristeza, mas também há motivos para esperança”.

“O estudo realmente sustenta porque é que a meta do acordo de Paris de 1,5°C é tão importante e deve ser alcançada”.

“Não estamos a dizer com isto, porque provavelmente vamos atingir alguns pontos de inflexão, que tudo está perdido e que o jogo acabou”.

“Cada fração de grau que paramos além de 1,5°C reduz a probabilidade de atingir mais pontos de inflexão”.

 

As pesquisas sobre o Clima

Pesquisas recentes mostraram sinais de desestabilização na floresta amazónica, cuja perda teria implicações “profundas” para o clima e para a biodiversidade globais, bem como para o manto de gelo da Groenlândia e as correntes da Corrente do Golfo que os cientistas chamam de circulação meridional do Atlântico (AMOC).

Um relatório recente do Painel Intergovernamental Britânico, sobre Mudanças Climáticas, disse que o risco de desencadear pontos de inflexão climáticos torna-se mais alto com 2°C de aquecimento global.

A análise, publicada na revista Science, avaliou mais de 200 estudos anteriores sobre pontos de inflexão anteriores, observações climáticas e projecções de estudos.

Um ponto de inflexão é quando um limite de temperatura é ultrapassado, levando a uma mudança irreversível em um sistema climático, mesmo que o aquecimento global termine.

Os nove pontos de inflexão globais que foram ultrapassados, ou estão em risco de o serem, identificados no estudo foram: o colapso da Groenlândia, a zona oeste da Antártica e duas partes dos mantos de gelo da Antártica Leste, o colapso parcial e total da AMOC, a extinção da Amazônia, o colapso do permafrost e a perda de gelo marinho no inverno no Ártico.

A avaliação do ponto de inflexão da Amazónia não incluiu os efeitos do desmatamento.

“A combinação do aquecimento e do desmatamento pode trazer isso muito mais cedo”, disse Armstrong McKay.

Outros sete pontos de inflexão teriam efeitos regionais graves, incluindo a extinção dos recifes de corais tropicais e mudanças nas monções da África Ocidental. Outros pontos de inflexão em potencial que ainda estão a ser estudados incluem a perda de oxigênio oceânico e grandes mudanças nas monções do verão indiano.

Os cientistas definem cruzar um ponto de inflexão como “possível” quando o seu limite mínimo de temperatura é ultrapassado e “provável” além da estimativa do limite central.

O professor Niklas Boers, da Universidade Técnica de Munique, disse:

“A revisão, é uma atualização oportuna sobre os potenciais elementos de queda da Terra e, a ameaça de eventos de queda, sob um aquecimento maior é real”.

Ele acrescentou que são necessárias muito mais pesquisas para diminuir os limites críticos de temperatura, com as estimativas atuais a permanecerem altamente incertas.

O professor Thomas Stocker, da Universidade de Berna, disse:

“A ciência sobre os pontos de inflexão está longe de terminar, mal começou, e modelos muito melhores são necessários para abordar a questão [de] qual nível de aquecimento é crítico para cada ponto de inflexão”.

Um relatório especial do IPCC sobre os pontos críticos do clima foi proposto em maio deste ano pelo governo suíço.

O professor Tim Lenton, da Universidade de Exeter, coautor da análise, disse:

“Desde que avaliei os pontos de inflexão pela primeira vez em 2008, a lista cresceu e a nossa avaliação do risco que eles representam, aumentou drasticamente”.

“O nosso novo trabalho, fornece evidências convincentes de que o mundo deve acelerar radicalmente a descarbonização da economia”.

“Para conseguir isso, precisamos desencadear pontos de inflexão sociais positivos”.

 

Conclusão

Não nos podemos continuar a esconder, nem continuar em negação. O aquecimento global está a sobrecarregar o clima extremo a uma velocidade surpreendente, e isso é visível por todo o mundo.

Mais Afrika, não se mantem nem neutro nem passivo sobre este e temos publicado várias análise e estudos, sobre como o colapso climático causado pelo homem, está a acelerar os eventos climáticos extremos em todo o planeta.

Existem pessoas em todo o mundo a perder as suas vidas e os seus meios de subsistência devido a ondas de calor mais mortais e mais frequentes, inundações, incêndios florestais e secas desencadeadas pela crise climática.

Está na hora de dizermos BASTA e começarmos a fazer algo para reverter esta situação.

 

O que achas desta crise climática? És dos que acreditam que estas alterações do clima são tudo “tretas” ou és daqueles que preferem salvar o nosso meio ambiente? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Ver Também:

O Mundo pode entrar num círculo de destruição

Clima: Já passámos o ponto de não retorno?

Imagem: © 2022 Getty Images
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos

Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!