15.6 C
Londres
Sábado, Junho 22, 2024

O Mundo pode entrar num círculo de destruição

“A guerra contra as falsidades está a acabar e as consequências reais vão apresentar-nos decisões difíceis” - Laurie Laybourn, investigador associado do IPPR.

O Mundo pode entrar num círculo de destruição.

O Mundo arrisca-se a entrar num “círculo vicioso de destruição” climática. É o que afirma o relatório “1.5C- Mortos ou vivos? — Os riscos para a mudança transformacional que advêm de alcançar ou falhar o objectivo do Acordo de Paris” de EPA/LINDSEY PARNABY.

Este relatório afirma que lidar apenas com os impactos crescentes da crise climática pode atrair recursos e desviar o foco dos esforços para reduzir as emissões de carbono, tornando a situação ainda pior.

 

O que nos espera

Os danos causados ​​pelo aquecimento global em todo o mundo estão cada vez mais claros, e a recuperação de desastres climáticos já está a custar bilhões de dólares. Além disso, esses desastres podem causar problemas em cascata, incluindo crises de água, alimentos e energia, bem como o aumento da migração e conflito, todos eles a drenarem os recursos dos países.

Os pesquisadores, do Institute for Public Policy Research (IPPR) e da Chatham House, afirmaram que um exemplo atual do impacto da crise climática, a complicar os esforços para reduzir as emissões e outras ações, foi o debate sobre se o manter-se o aumento da temperatura global abaixo de 1,5°C – a meta internacional do acordo de Paris – ainda seria possível.

Aqueles que argumentam que 1,5C ainda é possível, correm o risco de perpetuar a complacência de que o ritmo lento actual é suficiente, disseram os pesquisadores, enquanto aqueles que argumentam que não é possível correm o risco de apoiar o fatalismo de que pouco ou nada já pode ser feito ou o recurso a “abordagens extremas” como a geoengenharia.

Evitar um ciclo catastrófico no Mundo, exige uma aceitação mais honesta por parte dos políticos devido aos grandes riscos representados pela crise climática, disseram os pesquisadores, incluindo a perspectiva iminente de pontos de inflexão e da enorme escala da transformação económica e social, necessária para acabar com o aquecimento global.

“Entrámos, infelizmente, num novo capítulo da crise climática e ecológica”.

“A guerra contra as falsidades está a acabar e as consequências reais vão apresentar-nos decisões difíceis”.

“Podemos caminhar para um mundo mais sustentável, mais equitativo, mas a nossa capacidade de navegar pelos desastres enquanto nos mantemos concentrados durante a tempestade, é fundamental”.

Disse Laurie Laybourn, investigador associado do IPPR e um dos autores do relatório.

 

O relatório

Segundo o relatório:

“Este é um ciclo de destruição: as consequências da crise [climática] atraem o foco e os recursos para combater as suas causas”.

“Isto leva a um aumento da temperatura e a perdas ecológicas que, então, criam consequências mais graves, desviando ainda mais atenção e recursos e assim por diante”.

O relatório salienta, por exemplo, que a economia de África já esta a perder, até 15% do PIB ao ano, devido ao agravamento dos efeitos do aquecimento global, cortando fundos necessários para a ação climática e enfatizando a necessidade de apoio dos países desenvolvidos, que emitem mais dióxido de carbono.

“O que mais me preocupa é não estarmos a ter em conta o efeito de cascata para as sociedades”.

“Não é só com as tempestades que destroem grandes cidades que nos devemos preocupar, são as consequências para os sistemas globalizados”, disse Laybourn.

Segundo Laybourn, as narrativas usadas para descrever a situação do Mundo, são muito importantes.

Por exemplo: o transporte mais verde não é simplesmente uma mudança para veículos elétricos, mas sim um sistema de transportes públicos melhor e cidades redesenhadas, o que significaria que as pessoas estariam mais próximas dos empregos, educação e saúde.

Isso, por sua vez, significaria reavaliar os orçamentos e impostos das autoridades locais para implementar a mudança.

A injustiça da política climática, pode levar ao “ciclo da desgraça”, porque se as pessoas sentirem que lhes estão a querer impor mudanças inacessíveis, rejeitarão a necessidade de uma transição verde.

O relatório pede ainda mais atenção às políticas de emergência que vão tornar-se cada vez mais globais no caso da crise climática – um pouco como já aconteceu com a resposta ao COVID-19. Por exemplo, como quando se fala da ideia de pôr os países mais desenvolvidos – e que também têm emissões de carbono mais elevadas – a ajudar comunidades afectadas pelo aumento da temperatura.

Segundo Bob Ward, do Grantham Research Institute on Climate Change da London School of Economics:

“Este relatório destaca corretamente o ponto crítico que atingimos, ou seja, a probabilidade crescente de que a temperatura global no Mundo suba mais de 1,5°C”.

“O nosso principal objetivo ainda deve ser o de fazer cortes radicais nas emissões para tentar evitar ultrapassar o 1,5°C”.

“Mas alerta-nos para que também devemos considerar o que acontece se continuarmos a falhar”.

“Isso significará reduzir as temperaturas e, teremos que investir em opções estremas de geoengenharia, como a remoção do dióxido de carbono e até a gestão da radiação solar”.

“O que significa que teremos de gastar muito mais para lidar com os danos [climáticos] e isso tornará mais difícil, fazer a transição para um Mundo sustentável, inclusivo e resistente.”

 

Conclusão

As emissões globais no Mundo, chegaram ao seu ponto mais alto em 2022. As políticas climáticas ainda estão focadas de forma predominante na mudança gradual sector a sector, o que já mostrou ser inadequado

O aumento da temperatura e os desastres climáticos podem gerar escassez de comida ou promover migrações – com potencial para agravar sentimentos de hostilidade contra refugiados climáticos.

É por isso, preciso melhorar as análises que dão origem às políticas e melhorar a comunicação destes problemas complexos, se é que ainda queremos sobreviver, como espécie, em vez de continuarmos o caminho para a extinção.

 

O que achas deste relatório? Será que o Mundo está mesmo condenado? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Ver Também:

Clima: Já passámos o ponto de não retorno?

Girafas e papagaios entre as espécies em vias de extinção

“Green Imperative Nigéria” o projecto que pode salvar o Mundo

Imagem: © 2020 Shutterstock
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos

Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.

Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com