16.7 C
Londres
Domingo, Maio 26, 2024

Mulheres trocam sexo por água potável

Mulheres trocam sexo por água potável.

Num mundo em que o sexo sempre foi uma moeda de troca, a perversidade chega ao limite devido à falta de água. No Quénia, as mulheres são obrigadas a pagar a água potável com práticas sexuais.

 

Falta de água em Nairóbi

Nos bairros sociais de Nairóbi, a falta de acesso à água potável está a colocar em risco a segurança de mulheres e raparigas. O Governo e a sociedade civil estão preocupados com o que se está a passar.

Uma mulher a viver há mais de dez anos em Kibera, o maior bairro social de Nairóbi, a capital do Quénia, contou que a sua filha de 16 anos foi uma das muitas vítimas deste novo tipo de extorsão sexual.

“A maioria das nossas crianças é aliciada a trocar sexo por água”, denunciou uma mãe com duas filhas.

Nos bairros sociais da capital do Quénia, onde o acesso a água potável não existe, as famílias são obrigadas a comprar a água a vendedores privados. O trabalho de obter água é geralmente da responsabilidade das mulheres que, muitas vezes sem recursos, veem-se obrigadas a “trocar sexo por água”.

“É uma tendência comum na nossa zona”.

Disse uma mulher de um dos bairros sociais, acrescentando que os agressores tiram fotografias e vídeos do ato sexual para depois intimidarem as vítimas.

“Ameaçam as crianças que, se não continuarem a ter relações sexuais com eles, publicarão os vídeos”.

 

Autoridades reconhecem problema

Segundo Vincent Ouma, da Rede de Água e Saneamento do Quénia, uma iniciativa da sociedade civil, pelo menos 9% das jovens que vivem em bairros sociais são vítimas deste tipo de abuso sexual.

“No entanto, dentro da comunidade e da própria sociedade reina o silêncio sobre este tema, por causa da vergonha e da culpa associada aos abusos”.

“Não falamos sobre eles, não admitimos que é um problema, mas é”, disse Ouma.

O Governo queniano garante, no entanto, que já identificou o problema. Segundo Beatrice Inyangala, secretária de Estado do Ensino Superior e Investigação, as comunidades mais pobres são as que mais sofrem.

“Esta vertente do acesso à água é muitas vezes esquecida”.

“Uma investigação revelou que a extorsão sexual existe nos bairros de lata, onde as jovens acabam, por vezes, por ceder para conseguir a água, algo que é um direito humano básico”.

Apesar da Constituição do Quénia assegurar o direito ao acesso a água potável e ao saneamento básico, o problema continua a alastrar-se. A Rede de Água e Saneamento lançou recentemente uma campanha para pôr fim aos abusos, enquanto o Governo promete acabar com estes crimes hediondos.

 

A água em África

Ao longo da história, os grandes rios africanos e as suas águas sempre atraíram a atenção de vários exploradores, historiadores, escritores, cientistas, artistas e mercenários, entre outros.

Rios como o Nilo, o Congo ou o Volta despertaram vários interesses políticos e económicos. Por outro lado, nas últimas décadas vários cientistas, mas também a comunicação social, têm dado uma ênfase especial às questões da disponibilidade e acesso a recursos hídricos em África.

Fala-se de uma crescente “escassez hídrica” no continente e das suas potenciais consequências económicas, sociais e políticas, nomeadamente o aumento do potencial para conflitos entre países e/ou grupos sociais.

Vários factores têm contribuído para este alarmismo: crescimento populacional galopante, o aumento da procura dos recursos hídricos, crescente desertificação e diminuição dos níveis de precipitação em certas regiões.

Em geral, o continente africano pode ser considerado como uma região com vastos recursos hídricos. O continente conta com cerca de 325 bacias e sub-bacias hidrográficas que se encontram maioritariamente na África Subsaariana. Sessenta dessas bacias hidrográficas (rios e lagos) são transfronteiriças e ocupam 62% do território africano.

No entanto, a distribuição geográfica dos recursos mostra que nem todas as regiões do continente africano podem ser consideradas ricas em recursos hídricos.

 

Os desertos africanos

O continente africano é também marcado por áreas desérticas e semidesérticas. Na região norte do continente africano encontramos o deserto do Saara, o maior deserto do mundo, e imediatamente abaixo o Sahel, uma região semiárida que estabelece a fronteira entre as duas regiões ecológicas (desértica a norte e savana a sul).

Outras regiões semidesérticas estão localizadas na África Oriental e África Austral. A disponibilidade de recursos hídricos nestas regiões é limitada.

Em termos absolutos considera-se que o continente africano é rico em recursos hídricos, mas dada a grande densidade populacional em muitos países africanos, a disponibilidade de água per capita é problemática.

Muitos países africanos encontram-se já em situações de vulnerabilidade, stress ou escassez hídrica, e que a situação tenderá a agravar-se nas próximas duas décadas devido a elevadas taxas de crescimento populacional.

 

Conclusão

E previsível que uma combinação de acelerado crescimento populacional, degradação ecológica e redução das disponibilidades hídricas em África venha a conduzir a “guerras de água”, como muito se tem especulado nas últimas décadas.

Há quem fundamente que conflitos armados entre Estados, por causa de água, possam vir a surgir nas próximas décadas. Este problema de troca de sexo por água, a ocorrer presentemente no Quénia, é um prenuncio disso mesmo.

No entanto, temos que nos manter optimistas pois a “crise da água” pode ser ultrapassada e os conflitos hídricos podem ser prevenidos ou resolvidos se as autoridades nacionais, locais e internacionais se empenharem em práticas de “boa governança hídrica”.

É com esse objectivo que vai decorrer em Cabo Verde, na cidade da Praia o II Fórum Internacional WASAG sob o lema “Tornar a agricultura resiliente para as mudanças climáticas, escassez de água, uma oportunidade para ação e colaboração”,

Perto de três centenas de especialistas internacionais, estarão no fórum, a discutir este grave problema, na esperança de uma solução futura.

 

O que achas desta crise? Algum dia pensaste que alguém iria trocar sexo por água? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

 Veja Também:

1000 milhões para plano de emergência alimentar

O BAD e a importância dos PALOP em África

Cabo Verde é o país mais livre de África

Imagem: © 2010 Slum Dwellers International
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos

Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.

Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com