14.2 C
Londres
Domingo, Maio 26, 2024

Cabo Verde é o país mais livre de África

“As liberdades civis são genericamente respeitadas, mas a pobreza e a corrupção têm enfraquecido as instituições e contribuíram para disfunções no sistema de justiça”.

Cabo Verde é o país mais livre de África.

Imagem em destaque: Quadro “Liberdade I” do artista plástico Xesko.

O relatório da Freedom House diz que Cabo Verde é o mais livre. A seguir vem São Tomé e Príncipe. Angola é “Não Livre”. Guiné-Bissau é “Parcialmente Livre”. E o pior de todos é a Guiné Equatorial.

Cabo Verde foi o país africano considerado mais livre em África pela Organização Não-Governamental Freedom House, ficando também à frente de Portugal no ranking global, com a Guiné Equatorial na pior posição entre os países lusófonos.

“Cabo Verde é uma democracia estável com eleições concorrenciais e transferências periódicas de poder entre partidos rivais”.

“As liberdades civis são genericamente protegidas, mas o acesso à justiça é dificultado por um sistema judicial demasiado burocrático, e o crime continua a ser uma preocupação”.

Escrevem os ativistas na descrição do país, que recebeu uma pontuação de 92 pontos em 100 possíveis.

 

O ranking da Freedom House

O ranking analisa todos os países do mundo, e coloca novamente os países nórdicos europeus no topo da lista dos mais livres, como tem sido hábito nos últimos anos.

Ainda sobre Cabo Verde, a ONG aponta que “entre os outros principais problemas estão as persistentes iniquidades para as mulheres e os trabalhadores migrantes”, o que não impede o país de ser o mais livre entre os africanos, seguido de São Tomé e Príncipe, com 84 pontos, e do Gana, com 80 pontos.

Sobre o arquipélago lusófono que mantém a classificação do ano passado, tal como Cabo Verde, a Freedom House escreve que as eleições são regulares e concorrenciais, com “múltiplas transferências de poder” sem problemas.

“As liberdades civis são genericamente respeitadas, mas a pobreza e a corrupção têm enfraquecido as instituições e contribuíram para disfunções no sistema de justiça”.

Dizem os ativistas, notando ainda que:

“As ameaças à independência judicial têm sido um motivo de preocupação crescente nos últimos anos”.

No ranking dos países lusófonos africanos, depois de Cabo Verde e de São Tomé e Príncipe, surgem Moçambique e Guiné-Bissau, ambos com 43 pontos, com Moçambique a manter a pontuação, e a Guiné-Bissau a cair um ponto face ao relatório do ano passado.

“O partido incumbente está no poder antes e depois das primeiras eleições multipartidárias, em 2004, o que lhe permitiu estabelecer um significativo controlo sobre as instituições estatais”.

Diz a Freedom House, referindo-se à Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo).

Na análise, os ativistas lembram que “a oposição contestou os resultados das últimas eleições, e a sua fação armada manteve um conflito de baixo nível contra as forças do Governo até uma trégua assinada em 2016”.

A situação de insegurança e violência no norte do país merece também um comentário, com a Freedom House a dizer que “centenas de milhares de pessoas foram deslocadas internamente devido à insurgência islâmica” e a acrescentar que o país “também se debate com a corrupção” e a alertar que “jornalistas que relatam a corrupção e outros assuntos sensíveis arriscam-se a sofrer ataques violentos”.

Gráfico do Índice de Liberdade de 2022
Gráfico do Índice de Liberdade de 2022

Guiné-Bissau

A Guiné-Bissau, por seu lado, é classificada como Parcialmente Livre, e o sistema político “foi prejudicado nos últimos anos pelas divisões entre o Presidente e o Parlamento, e dentro do maior partido político”, o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC).

Uma nota positiva é dada às liberdades civis, que a Freedom House diz terem “melhorado gradualmente” nos últimos anos, na sequência de um golpe de Estado em 2012, “apesar de a polícia continuar a perturbar algumas manifestações”.

A corrupção na Guiné-Bissau, conclui, “é um grande problema que foi amplificado pela atividade do crime organizado, incluindo tráfico de drogas”.

No penúltimo lugar dos países africanos lusófonos está Angola, a maior economia lusófona em África e o segundo maior produtor de petróleo da África subsaariana.

 

Angola e Guiné Equatorial

Angola, tal como a Guiné Equatorial, são classificadas como “Não Livre”. Angola recebeu apenas 30 pontos, menos um do que no ano passado.

“Angola tem sido liderada pelo mesmo partido desde a independência, e as autoridades têm sistematicamente reprimido a dissidência política”.

Lê-se no relatório da Freedom House que acrescenta:

“A corrupção, violações das regras processuais e abusos pelas forças de segurança continuam a ser comuns”.

Para estes ativistas, a chegada de João Lourenço ao poder, em 2017, motivou um “abrandamento de algumas restrições sobre a imprensa e a sociedade civil, mas isso foi revertido e os desafios persistem”.

A Guiné Equatorial, o mais recente país a entrar para a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, está entre as piores posições do ranking, ficando à frente apenas do Sudão do Sul, Eritreia e Saara Ocidental.

Com uma pontuação de 5 pontos em 100 possíveis e a classificação de Não Livre, o país liderado por Teodoro Obiang realiza “eleições regulares que não são livres nem justas” que mantém “um regime altamente repressivo desde 1979”.

A riqueza garantida pelo petróleo e o poder político “é concentrado nas mãos da família do Presidente” e o Governo “detém frequentemente os poucos opositores que ainda estão no país, reprime os grupos da sociedade civil, e censura os jornalistas”.

Além disso, “o poder judicial está sob controlo presidencial e as forças de segurança envolvem-se em tortura e outro tipo de violência com impunidade”, conclui-se no relatório da Freedom House.

 

Conclusão

Se por um lado, Cabo Verde está melhor, por outro, os restantes países dos PALOP, estão piores, em particular Angola, com o governo ruinoso de João Lourenço.

Seria de esperar que os PALOP levassem muito a sério este relatório, olhassem para o que se passa no seu interior e tirassem ilações das suas formas de governação.

 

O que achas deste relatório? Parece que só Cabo Verde escapa, será que a corrupção em África não tem limites? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Por: Manuel de Almeida
Imagem: © 2015 Xesko
Lusa - Agência de Notícias de Portugal
Agencia Lusa

É a maior agência noticiosa de língua portuguesa, faz parte da Aliança das Agências de Informação de Língua Portuguesa e tem mais de 280 jornalistas espalhados por todo o mundo. Para além das principais cidades de Portugal, a Lusa tem delegações ou correspondentes permanentes na Bélgica, Espanha, Alemanha, Reino Unido, França, Luxemburgo, Rússia, Estónia, Guiné-Bissau, Cabo Verde, Angola, Moçambique, Índia, São Tomé e Príncipe, África do Sul, Argélia, Timor-Leste, Macau, China, Brasil, Venezuela, Estados Unidos, Canadá e Austrália. Fornece um serviço noticioso a inúmeros jornais, rádios e canais de televisão portugueses, aos meios de comunicação social das comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo e a agências noticiosas dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Subscrevem também os serviços da Lusa diversas instituições públicas e privadas.

Agencia Lusahttps://www.lusa.pt/
É a maior agência noticiosa de língua portuguesa, faz parte da Aliança das Agências de Informação de Língua Portuguesa e tem mais de 280 jornalistas espalhados por todo o mundo. Para além das principais cidades de Portugal, a Lusa tem delegações ou correspondentes permanentes na Bélgica, Espanha, Alemanha, Reino Unido, França, Luxemburgo, Rússia, Estónia, Guiné-Bissau, Cabo Verde, Angola, Moçambique, Índia, São Tomé e Príncipe, África do Sul, Argélia, Timor-Leste, Macau, China, Brasil, Venezuela, Estados Unidos, Canadá e Austrália. Fornece um serviço noticioso a inúmeros jornais, rádios e canais de televisão portugueses, aos meios de comunicação social das comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo e a agências noticiosas dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Subscrevem também os serviços da Lusa diversas instituições públicas e privadas.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com