9.6 C
Londres
Sábado, Maio 25, 2024

PALOP finalmente livres da pena de morte

“Estou a escrever em maiúsculas para selar este momento único: A GUINÉ EQUATORIAL ABOLIU A PENA DE MORTE” – Teodoro Nguema Obiang Mangue, vice-presidente da Guiné Equatorial.

PALOP finalmente livres da pena de morte.

Numa reviravolta inesperada, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, o presidente da Guiné Equatorial, sancionou um novo código penal e aboliu a pena de morte. Desta forma, os PALOP ficam livres da pena de morte.

O facto de a Guiné Equatorial, ainda ter previsto no seu código penal a pena de morte, foi uma das razões que levou a que a sua entrada para a CPLP e consequentemente para os PALOP, tivesse sido mais demorada, pois muitos dos outros membros, não queriam no seu seio um país que ainda desrespeitasse a vida dessa forma.

 

A adesão polémica

Portugal resistiu enquanto pôde à entrada da Guiné Equatorial na CPLP. Em 2010, na cimeira de Luanda, ganhou tempo com uma moratória. Em 2012, em Maputo, resistiu. Estabeleceu-se um roteiro, requisitos mínimos: o fim da pena de morte e medidas destinadas a promover o uso do português. Mas em 2014, face ao ultimato de Angola e Brasil, acabou por ceder.

A entrada da Guiné Equatorial para a CPLP, foi tão polémica que a instituição a que recebeu, esteve para ruir devido à sua adesão, já que a presença de Portugal na CPLP “esteve em risco”, caso não tivesse dado carta verde à sua entrada.

Depois de anos de resistência portuguesa, e com a cimeira de Díli a aproximar-se, as negociações tornaram-se mais difíceis. Dilma Rousseff e José Eduardo dos Santos, respectivamente presidentes do Brasil e Angola, forçaram a entrada. Com uma ameaça: se Portugal tivesse insistido em dizer não, os outros países formavam uma “união jurídica, PALOP mais o Brasil”.

A determinação de Dilma Rousseff era tal que o Brasil queria que a Guiné Equatorial ficasse logo com a presidência da CPLP, na cimeira de Díli.

Em Portugal o assunto foi amplamente discutido ao mais alto nível, conclui-se que ou aceitavam que a CPLP mudasse radicalmente, ou ficavam com o ónus da sua implosão. A digestão da decisão não foi fácil.

No entanto, a questão económica foi demasiado pesada para travar o processo. Sobretudo numa CPLP com cada vez maiores problemas de identidade e com dificuldade em impor-se num mundo cada vez mais organizado em blocos regionais.

A CPLP procurava tornar-se um dos blocos mais importantes ao nível petrolífero, sobretudo quando “50% das reservas petrolíferas descobertas nos últimos anos são provenientes destes países. Para que o sonho se tornasse realidade, a Guiné Equatorial era central, já que é o terceiro maior produtora de petróleo em África, após Angola e Nigéria.

 

A notícia da abolição

Um jornalista da televisão estatal chamou o evento de “histórico para o nosso país” em um breve anúncio no final de um programa noticioso.

A notícia foi publicada no Facebook pelo vice-presidente do país, Teodoro Nguema Obiang Mangue, onde escreveu:

“Estou a escrever em maiúsculas para selar este momento único: A GUINÉ EQUATORIAL ABOLIU A PENA DE MORTE”.

A medida entrará em vigor nos 90 dias seguintes à sua publicação no jornal oficial do estado e foi aprovada antecipadamente pelo parlamento, onde todos, exceto um dos 100 legisladores, representam o partido no poder.

A última execução oficial no país aconteceu em 2014, segundo a Anistia Internacional, já após a sua adesão à CPLP, mas organizações não governamentais (ONG) internacionais e as Nações Unidas tem acusado regularmente o regime da existência de desaparecimentos forçados, detenções arbitrárias e de tortura.

O presidente Obiang, com 80 anos, encontra-se há mais de 43 anos no poder, um recorde mundial se excluirmos as monarquias.

 

Conclusão

Não há dúvida que este é um momento histórico para os PALOP, para a CPLP e para o mundo. No entanto é preciso não esquecer que a pena de morte continua a ser legal em mais de 30 países africanos, apesar de em cerca de metade, não se tenham realizado execuções nos últimos anos.

É preciso não esquecer que infelizmente, ainda existem 73 países no mundo que praticam a pena de morte, sendo que um deles, é o “famoso baluarte da democracia e da liberdade”, vulgo Estados Unidos da América.

 

O que achas disto? Já era tempo de se acabar com a pena de morte no mundo ou ela faz falta? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Ver Também:

Israel e o novo apartheid (agora palestiniano)

6 em 10 africanos querem Governos democráticos

Imagem: © 2022 Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos

Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.

Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com