9.6 C
Londres
Sábado, Maio 25, 2024

23 de Março: Dia da Libertação da África Austral

Foi a 14 de Fevereiro de 1988, o dia conhecido mundialmente por “Dia dos Namorados” que se mudou completamente a história da África Austral.

23 de Março: Dia da Libertação da África Austral.

Muita gente não sabe porque é que o dia 23 de Março é conhecido como o Dia da Libertação da África Austral. Esse dia foi o fim de uma batalha que determinou profundas alterações na geo-política da Região Austral do Continente Africano, foi a batalha do Cuito Cuanavale, ocorrida em Angola.

O Bureau Político do MPLA reafirmou recentemente a sua intenção de massificar as ações de educação cívica e patriótica, para que as novas gerações conheçam e respeitem o valor histórico dessa batalha que é considerada um marco incontornável na memória coletiva de África e do mundo, bem como o preço da liberdade e os seus heróis.

 

Um presente dos namorados envenenado

Segundo alguns historiadores a Batalha do Cuito Cuanavale, na província de Cuando Cubango em Angola, iniciou-se a 15 de Agosto de 1987, mas a data oficial reconhecida, considera que a mesma decorreu de 15 de Novembro de 1987 a 23 de Março de 1988.

No entanto, foi o ataque iniciado pela UNITA e as forças da África do Sul a 14 de Fevereiro de 1988, o dia conhecido mundialmente por “Dia dos Namorados” que deu inicio à batalha continua sem tréguas que só terminou a 23 de Março de 1988.

Esta batalha, foi a segunda maior batalha da História do continente africano, depois da Batalha de El Alamein, no Egito, durante a II Guerra Mundial e, a maior da África subsaariana.

Foi também a segunda mais prolongada que teve lugar no continente africano desde a II Guerra Mundial, logo a seguir à Batalha de El Alamein, no Egito e é considerada a segunda maior batalha territorial do século XX, superada apenas pela batalha de Kursk, ocorrida durante a Frente Oriental da II Guerra Mundial, entre as forças da Alemanha Nazista e da União Soviética.

A batalha ocorreu entre as extintas Forças Armadas Populares de Libertação de Angola (FAPLA), apoiadas por internacionalistas cubanos, e as extintas Forças Armadas de Libertação de Angola (FALA), afetas à UNITA, com o apoio militar do então regime sul-africano do apartheid.

Esta batalha teve grande importância, não só para Angola, como também para África. Ironicamente, ambos os lados clamaram vitória e, até hoje, as narrativas e memórias sobre a batalha são objeto de debate.

Não obstante, o evento tornou-se o ponto de viragem decisivo na guerra que se arrastava há longos anos, incentivando um acordo entre sul-africanos e cubanos para a retirada de tropas, culminando com a assinatura dos Acordos de Nova Iorque.

Estes acordos, levaram à independência da Namíbia e à libertação de Nelson Mandela culminando com a abolição do regime do Apartheid, o fim do regime de segregação racial que vigorava na África do Sul.

Em homenagem à batalha do Cuito Cuanavale, Angola propôs ao Conselho de Ministros da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), a data do fim da batalha como o dia da África Austral. A mesma foi adotada a 23 de Março de 2018, por unanimidade, sendo celebrada a partir dessa data como o Dia da Libertação da África Austral.

 

Reconhecimento internacional do Dia 23 de Março

Académicos defenderam recentemente a necessidade de elevar a localidade do Cuito Cuanavale, na província do Cuando Cubango, a património da humanidade.

O historiador Luís Paulo Vissunjo defendeu que Angola submeta à Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) o processo para reconhecimento e passagem desta localidade a património da humanidade. Para ele, a circunscrição é uma referência na cultura de paz, defendida pela UNESCO.

Nesta senda, disse que as autoridades angolanas devem trabalhar para a materialização deste propósito, uma vez que a localidade do Cuito Cuanavale foi palco de uma das maiores batalhas da história contemporânea.

Lembrou que atualmente celebra-se o 23 de Março como Dia da Libertação da África Austral, um reconhecimento generalizado dos países que integram a SADC. O antropólogo Diakinini Boholo acredita que os países da SADC apoiarão a candidatura, um peso suficiente para tornar realidade essa pretensão.

Para ele, a região Austral necessita de fazer um trabalho árduo para convencer a UNESCO, que passa pela catalogação de vários fatores que este órgão das Nações Unidas exige, para a inserção na lista do Património da Humanidade.

O secretário executivo do Conselho Municipal da Juventude de Menongue, Adriano Lucas Jaime, pediu maior divulgação sobre o Cuito Cuanavale, incluindo da batalha. Defende que a batalha do Cuito Cuanavale deve constar do currículo escolar nos países da SADC.

“Devemos divulgar, cada vez mais, o 23 de Março com palestras, colóquios, seminários e outros meios que facilitem a disseminação deste grande feito”, frisou Adriano Lucas Jaime.

 

A memória futura

A inclusão da batalha do Cuito Cuanavale nos currículos escolares dos países da SADC e a tentativa de elevar a localidade a patrimônio da humanidade pela UNESCO são importantes passos nesse sentido. O reconhecimento internacional da batalha e o apoio dos países da SADC ajudam a fortalecer a posição de Angola no contexto regional e global.

Além disso, a celebração do Dia da Libertação da África Austral no dia 23 de Março destaca a importância da batalha e as transformações geopolíticas que ocorreram na região como resultado. A batalha do Cuito Cuanavale foi um marco crucial na luta pela liberdade e justiça na África Austral, e o seu legado deve ser honrado e preservado para as gerações futuras.

 

Conclusão

A preservação da memória histórica e o respeito ao valor da batalha do Cuito Cuanavale são fundamentais para as futuras gerações. A educação cívica e patriótica, bem como a divulgação de informações sobre a batalha, bem como o seu fim a 23 de Março de 1988, são essenciais para garantir que a história seja lembrada, compreendida e honrada.

A proposta de elevar a localidade do Cuito Cuanavale a património da humanidade é um passo significativo nesse sentido, destacando a importância do local e das lições aprendidas para a paz e a unidade no continente africano.

 

O que achas desta data histórica do 23 de Março? Sabias que a batalha decorreu devido a um ataque no Dia dos Namorados? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Ver Também:

14 de Fevereiro, não é só o Dia dos Namorados

Imagem: © António Escrivão
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos

Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.

Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com