15.3 C
Londres
Sábado, Junho 22, 2024

África Do Sul Legalizou O Uso Da Cannabis

A legalização da Cannabis na África do Sul marca um ponto de inflexão no continente e levanta a questão: será que outros países africanos seguirão o exemplo?

África Do Sul Legalizou O Uso Da Cannabis


A África do Sul deu um passo audacioso ao legalizar o uso e cultivo de Cannabis para fins recreativos privado, um movimento que coloca o país na vanguarda das reformas sobre estupefacientes no continente africano.

Esta decisão histórica, assinada pelo Presidente Cyril Ramaphosa, surge num momento crucial para o país, coincidindo com a perda da maioria no Congresso Nacional Africano, nas eleições gerais de 27 de Maio.

 

Um Passo Histórico


Na véspera das eleições gerais de 27 de Maio, que viram o Congresso Nacional Africano perder a maioria pela primeira vez em 30 anos de democracia sul-africana, ocorreu uma mudança significativa nas leis sobre estupefacientes que passou quase despercebida pela maioria.

Um dia antes da histórica votação, o Presidente Cyril Ramaphosa assinou a Lei do uso da Cannabis para Fins Privados, tornando a África do Sul a primeira nação africana a legalizar o uso de marijuana.

A nova lei remove a Cannabis da lista de narcóticos proibidos do país, permitindo que adultos possam agora cultivar e consumir a planta, desde que não seja na presença de crianças.

A lei também estipula que os registos de quem cometeu actos, anteriormente considerados ilegais, sejam limpos automaticamente. No entanto, ainda é incerto como e quando isso acontecerá, ou se algum dos 3.000 presos, por delitos relacionados à Cannabis até 2022, será libertado.

 

O Comércio da Cannabis


Imagem: © Niko Vorobyov / Al Jazeera (20240610) África Do Sul Legalizou O Uso Da CannabisApesar de anos de campanhas e negociações, activistas afirmam que a luta ainda não terminou. Myrtle Clarke, cofundadora da ONG Fields of Green for ALL, com sede em Joanesburgo, expressou jubilo por, na África do Sul, a Cannabis já não ser classificada como uma substância perigosa e geradora de dependências.

No entanto, ainda é preciso resolver a questão do comércio que continua a ser considerado ilegal, ao contrário de outros países onde a Cannabis foi legalizada, como Malta, Canadá e Uruguai. A Cannabis, não pode ser adquirida legalmente na África do Sul, a menos que seja cultivada por conta própria. A venda de Cannabis permanece ilegal, excepto para fins medicinais prescritos por um médico.

Desde uma decisão judicial em 2018 que considerou constitucional o consumo privado de Cannabis, o governo foi instruído a preparar uma legislação para legalizá-la dentro de dois anos.

Desde então, lojas e boticários têm vendido a Cannabis sob a Seção 21 da Lei dos Medicamentos que permite “medicamentos não registados” serem prescritos por um médico. A decisão de 2018 significou que a Cannabis poderia ser incluída nesta lista,

Embora algumas destas lojas tenham sido alvo das autoridades, devido a incertezas na lei, muitas continuam a operar, levando a um aumento significativo no número de clubes e lojas de Cannabis no país. Charl Henning, membro da equipe de Myrtle Clarke, observou que, apesar do comércio de Cannabis já ser uma realidade, é necessário regulá-lo.

 

A História da ‘Dagga’


A África Austral tem uma das histórias mais longas do mundo com a Cannabis, introduzida no continente por comerciantes árabes medievais. Os colonos holandeses encontraram o povo Khoisan a usar a planta, conhecida como “dagga”, quando desembarcaram na Cidade do Cabo no século XVII.

Ao longo dos anos, a Cannabis foi usada para diversos fins, desde aliviar os nervos dos guerreiros zulu antes das batalhas até proporcionar alívio durante o parto para as mulheres sotho. No entanto, a história da Cannabis na África do Sul também é marcada por controvérsias e proibições.

Em 1922, a venda, cultivo e posse da planta foram proibidas nacionalmente, com o apartheid a exacerbar a repressão ao uso de Cannabis. Durante a década de 1970, a lei de abuso de substâncias e centros de reabilitação, considerada uma das mais rigorosas do mundo ocidental, foi imposta, afectando principalmente as comunidades segregadas.

 

O Efeito Dominó


Imagem: © Niko Vorobyov / Al Jazeera (20240610) África Do Sul Legalizou O Uso Da CannabisA legalização da Cannabis na África do Sul é um marco importante que outros países africanos estão a observar de perto. Enquanto alguns, como o Malawi e o Gana, legitimaram a marijuana medicinal e outros produtos similares e deixaram de penalizar pequenas quantidades para consumo pessoal, a África do Sul adianta-se, ao ser o primeiro país africano a permitir o uso recreativo de Cannabis.

Em Marrocos, por exemplo, o uso de Cannabis para fins medicinais e industriais foi legalizado em 2021 e agora, a legalização completa, é um tema de debate público. O Eswatini, um pequeno reino entre a África do Sul e Moçambique, também está a ponderar rever as suas leis coloniais britânicas que proíbem o insangu (Cannabis).

Trevor Shongwe, da Associação de Cânhamo e Cannabis de Eswatini, expressou preocupações de que a legalização da Cannabis na África do Sul possa criar uma competição económica desigual, afectando negativamente os pequenos agricultores do Eswatini. Ele acredita que a única solução é a legalização do mercado interno no Eswatini e a demarcação da sua famosa cepa Swazi Gold.

 

Conclusão


A legalização da Cannabis na África do Sul marca um ponto de inflexão no continente e levanta a questão: será que outros países africanos seguirão o exemplo? A medida é um passo significativo, mas ainda há muitos desafios a serem enfrentados antes de se regular o comércio e mudar as percepções sociais de longa data sobre o consumo da Cannabis

Apesar das incertezas e das barreiras remanescentes, esta nova lei representa uma abertura para debates mais amplos sobre o uso de Cannabis em África, inspirando potencialmente reformas semelhantes em outros países e promovendo uma mudança gradual nas políticas sobre estupefacientes no continente.

 

Concordas com a Legalização da Cannabis, pela África do Sul? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 


Imagem: © Niko Vorobyov / Al Jazeera
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos

Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.

Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com