Presidente Do Burundi Incita À Homofobia.

Numa declaração escabrosa, o Presidente do Burundi, Évariste Ndayishimiye, afirmou hoje que o casamento entre pessoas do mesmo sexo é uma prática abominável e que os  homossexuais devem ser apedrejados até à morte, por escolherem o diabo e atraírem a maldição de Deus.

Esta afirmação, efectuada numa conferência pública na província oriental de Cankuzo e transmitida pela rádio e pela televisão, enquanto respondia a perguntas da imprensa e do público, é uma vergonha para África transportando-nos novamente para o terceiro mundo.

 

A Declaração

Évariste Ndayishimiye, o Presidente do Burundi, declarou hoje que o casamento “entre pessoas do mesmo sexo é uma prática abominável” e os casais homossexuais devem ser “apedrejados até à morte“, porque “escolheram o diabo” e atraem a “maldição” de Deus.

O chefe de Estado deste país conservador, onde as relações entre pessoas do mesmo sexo são puníveis com penas de prisão até dois anos, fez estas declarações numa conferência pública na província oriental de Cankuzo, transmitida pela rádio e pela televisão, enquanto respondia a perguntas da imprensa e do público.

“Pessoalmente, acho que se virmos pessoas assim no Burundi, devíamos pô-las num estádio e apedrejá-las até à morte. E não seria um pecado para quem o fizesse”.

Declarou Ndayishimiye que já tinha apelado este ano à “proibição” dos homossexuais e ao seu “tratamento como párias“.

O Presidente criticou também os países ocidentais, que manifestam regularmente a sua oposição às violações dos direitos da comunidade LGBTQ+ no Burundi e em África.

“Quem escolheu o diabo deve ir viver para esses países [ocidentais]”.

“Aliás, creio que aqueles que se exilam nesses países vão para lá para adotar essas práticas (…) Que nunca mais voltem”, referiu.

 

A Lei Retrógrada do Burundi

O  Conhecido pelo seu conservadorismo cristão, o Código Penal do Burundi, desde 2009, pune as relações homossexuais e as relações consensuais entre pessoas do mesmo sexo, com multas e penas de prisão que vão de três meses a mais de dois anos de prisão.

Em Março, 24 pessoas foram acusadas de “práticas homossexuais ou de incitamento a práticas homossexuais” e foram presas. Sete delas foram condenadas, cinco a dois anos de prisão e duas a um ano de prisão.

Na África Oriental, como em muitos outros países do continente, as pessoas LGBTQ+ são estigmatizadas e discriminadas em sociedades conservadoras, predominantemente cristãs ou muçulmanas, onde a homossexualidade é tabu.

No Uganda, outro país da África Oriental, uma lei aprovada pelo parlamento em maio, que reprime severamente as práticas homossexuais e a “promoção da homossexualidade“, suscitou uma forte condenação ocidental e sanções por parte dos Estados Unidos.

 

O que achas desta promoção da homofobia pelo Presidente do Burundi? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Ver Também:

 

Imagem: © Alexey Danichev
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!