17.3 C
Londres
Sábado, Abril 13, 2024

Parem de sufocar África, afirmou o Papa Francisco

“Tirem as mãos da República Democrática do Congo! Tirem as mãos de África!  Parem de sufocar o continente. África não é uma mina a ser despojada, ou um terreno a ser saqueado. Que África seja protagonista do seu próprio destino”. – Papa Francisco.

Parem de sufocar África, afirmou o Papa Francisco.

Please accept YouTube cookies to play this video. By accepting you will be accessing content from YouTube, a service provided by an external third party.

If you accept this notice, your choice will be saved and the page will refresh.

———————————————————————————————

Aceite os cookies do YouTube para reproduzir este vídeo. Ao aceitar, estará a aceder ao conteúdo do YouTube, um serviço fornecido por terceiros.

Se aceitar, a sua escolha será salva e a página será atualizada.

YouTube privacy policy

 

O Papa Francisco chegou ontem, 31 de Janeiro de 2023, à República Democrática do Congo (RDC), em uma viagem muito esperada, à qual se seguirá uma visita ao Sudão do Sul.

Ambos os países têm grandes populações católicas e sofreram conflitos longos e violentos que, a visita do papa, deve trazer à tona.

“Finalmente”.

Disse o Papa Francisco ao iniciar esta jornada tão esperada e adiada.

 

A visita a Kinshasa

Milhares de pessoas na RDC deslocaram-se até à capital Kinshasa, para ver o Papa Francisco. Esta, é a primeira visita papal ao país, desde 1985, uma visita a um país, onde quase metade dos seus 95 milhões de habitantes, são católicos.

A recepção que recebeu à chegada, foi um lembrete de que Francisco – mesmo sem o status de estrela rock, dos seus primeiros anos – ainda pode levar uma nação a um fervor alegre, particularmente uma que é fortemente católica e há muito se sente negligenciada.

A miríade de problemas da RDC, não pode ser resolvida por uma viagem papal, mas nesta viagem, o Papa Francisco está a oferecer outra coisa – a chance de ver esses problemas.

Horas depois de chegar, o Papa Francisco descreveu a RDC como: uma “terra vasta e luxuriante” que sofreu de inúmeras maneiras, desde as agruras do colonialismo, a guerras entre grupos étnicos, péssimos cuidados de saúde, a migrações forçadas e fome.

“Este país, tão imenso e cheio de vida, este diafragma de África, atingido pela violência como um golpe no estômago, parece há algum tempo estar sem fôlego”, disse o Papa Francisco.

Em várias ocasiões, a multidão aplaudiu os comentários do Papa, alguns gritando: “sim” ou “amém”, inclusive quando ele disse que “a igreja e o papa confiam no povo”.

“Eles acreditam no seu futuro, o futuro está nas suas mãos”, disse.

Está programado o Papa celebrar missas em Kinshasa e, encontrar-se com vários grupos de vítimas, da violência que assola o país, procurando dessa forma levantar o ânimo e o espirito da nação.

 

O objectivo da viagem.

A visita de seis dias do Papa Francisco a África – primeiro há RDC e depois ao Sudão do Sul – não carece de desafios. Os dois países destacam-se como pontos problemáticos na ampla faixa de África de maioria cristã.

Questões contra as quais o Papa Francisco se manifestou regularmente – exploração por potências externas, proliferação de armas, pilhagem ambiental – ocorrem em ambos os países, de maneira devastadora, com o agravamento da violência e a instabilidade dos acordos de paz.

Para o Papa Francisco, a viagem tem um tom de urgência. Foi forçado a cancelar a viagem que estava programada para o verão passado, por causa de uma dor no joelho. Desde então, grupos rebeldes tomaram o controle de mais território no leste da RDC, desenraizando meio milhão de pessoas e forçando o Vaticano a cancelar a visita a essa parte do país.

A viagem à RDC e depois ao Sudão do Sul destacará os longos conflitos em ambos os países e a crescente importância de África para o futuro da Igreja Católica. África é o local de crescimento mais rápido para da Igreja, com mais de 200 milhões de fiéis, mas o continente continua sub-representado na liderança do Vaticano.

Na sexta-feira, o Papa Francisco voará de Kinshasa, para Juba, capital do Sudão do Sul, onde o Papa, investiu pessoalmente na mediação da paz, entre facções rivais. Em 2019,  convidou o presidente Salva Kiir e o então líder rebelde Riek Machar, para um retiro espiritual no Vaticano, beijando os pés de ambos.

Agora Kiir e Machar, fazem parte do mesmo governo, mas mal consegue manter o país unido. Os combates contínuos e os desastres climáticos, ano após ano, estão a alimentar uma das maiores crises de refugiados em África.

 

As viagens papais a África

Esta é a sua quinta viagem como papa à África e, em relação ao seu antecessor, o papa Bento XVI, demonstrou muito mais interesse pelo continente. Isso é em parte uma resposta às mudanças fundamentais na fé que se encontra a diminuir no Ocidente e a crescer em África, apesar dos desafios gerados, pelos movimentos pentecostais e evangélicos.

Os graduados do seminário africano, preenchem agora, as lacunas no sacerdócio europeu, tendo o Papa Francisco, elevado uma nova classe de cardeais africanos, diversificando as categorias que, eventualmente, escolherão o seu sucessor.

 

Conclusão

Os congoleses dizem ser difícil exagerar o quão crucial é a igreja, em um país que enfrentou mais de um século de tragédias desestabilizadoras: pilhagem colonialista pelos belgas; anos de autocracia e desfalque do ex-líder de longa data, Mobutu Sese Seko; corrupção contínua e interesses estrangeiros que drenam o país da sua riqueza mineral.

A igreja tende a intervir onde o governo falha, ajudando principalmente com a educação e a saúde. Também trabalhou para supervisionar o caminho precário para as eleições de 2018, vencidas por Félix Tshisekedi, na primeira transferência democrática de poder na RDC.

Não é por isso de estranhar, a forma como o Papa Francisco foi recebido à chegada a Kinshasa, especialmente ,depois de fazer um comentário bombástico:

“Tirem as mãos da República Democrática do Congo! Tirem as mãos de África!  Parem de sufocar o continente. África não é uma mina a ser despojada, ou um terreno a ser saqueado. Que África seja protagonista do seu próprio destino”.

 

O que achas desta visita papal? Concordas com o que o Papa Francisco afirmou sobre o continente? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e, se gostaste do artigo, partilha-o e dá um “like/gosto”.
Imagem: © 2023 Alexis Huguet
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!