19.8 C
Londres
Sábado, Abril 13, 2024

Povos de África: Os Kara do Rio Omo

Tanto homens como mulheres usam, no seu dia a dia, diversidade de colares, braceletes, brincos, argolas ou gargantilhas.

Povos de África: Os Kara do Rio Omo.

Conhece os Kara do Rio Omo? Não? Então vai ficar a conhecer.

África é um continente repleto de povos que, por enquanto, conseguiram preservar as suas culturas e tradições. Neste artigo, iniciamos uma série, sobre alguns desses povos que, mesmo em pequeno número, mantêm as suas culturas praticamente intactas durante séculos.

Em áreas remotas e planícies ricas do continente, existem grupos de pessoas que continuam a viver pacificamente, sem depender de nenhuma das invenções que o mundo moderno tanto valoriza.

Trazemos aos nossos leitores algumas dessas comunidades cujas tradições, costumes e modo de vida têm resistido surpreendentemente ao teste do tempo e à força arrebatadora da modernização.

Embora discutível para uns, não podemos deixar de reconhecer a coragem dos que continuam a viver da maneira que os seus antepassados viveram há gerações.

Neste artigo, apresentamos os Kara do Rio Omo, uma comunidade seminómade que resiste ao teste do tempo e à força avassaladora da modernização.

 

Os Kara do Rio Omo

Imagem © DR (202304029) Povos de África Os Kara do Rio Omo B
Mulher Kara, com os seus colares ornamentais

Com uma população estimada de apenas 1.600 indivíduos, o Povo Kara compõe alguns dos mais pequenos povos, em termos de números, que mantem praticamente intactas as suas culturas e que ainda restam em África, sendo mesmo, o mais pequeno da sua região.

Os Kara, muitas vezes erroneamente chamados de Karo, são uma população seminómade que vive na margem oriental esquerda do vale do rio Omo, no sul da Etiópia, perto da fronteira do Sudão do Sul, região que hospeda pouco mais de uma dúzia de diferentes etnias. Estas tribos de pastores representam alguns dos últimos povos nativos africanos com pouquíssima influência da cultura ocidental.

Falam os seus próprios idiomas, vestem roupas tradicionais confeccionadas com couro de cabra e seguem os ritos ancestrais. O corpo pintado dos homens e o corte de cabelo específico das mulheres são marcas próprias dessa tribo.

Os Kara são definidos como as pessoas que comem peixe, já que Kara significa peixe, na língua local.

No passado, os Kara eram comerciantes e intermediários e ocupavam uma posição-chave na rede das rotas comerciais que atravessavam essas áreas e chegavam aos atuais Quénia e Sudão do Sul.

Devido a doenças graves e contágios vindos de fora, o número de Kara foi-se reduzindo, assim como os seus rebanhos, que padeceram de maleitas similares.

 

O cabelo das mulheres Kara

Imagem © DR (202304029) Povos de África Os Kara do Rio Omo C
Jovem Kara com o seu penteado tradicional

As mulheres Kara, usam cabelos curtos, tratados com uma pasta vermelha feita de manteiga animal e pigmento mineral. Com apenas um ou dois centímetros de altura, os cabelos são enrolados, com a ajuda de um palito, para formar pequenas bolas vermelhas. O penteado cobre apenas o topo do crânio e parece uma espécie de peruca, cheia de minúsculas esferas.

 

As pinturas corporais

Imagem © DR (202304029) Povos de África Os Kara do Rio Omo D
Um jovem Kara a mostrar orgulhosamente as suas pinturas corporais

Os Kara continuam a praticar vários costumes tradicionais herdados dos seus antepassados desde há muitos séculos atrás. Uma dessas tradições é a cultura da arte corporal, que se tornou parte intrínseca da identidade do grupo.

Os Kara pintam os corpos para expressar beleza. Os desenhos são únicos e individuais, não seguindo nenhum padrão em particular. Também não são pinturas simbólicas, mas meros enfeites da vida cotidiana. Pintar o corpo é um jogo, faz parte do prazer de ser diferente.

Qualquer cor é utilizada, a argila branca é a mais comum, mas podem usar o pigmento vermelho do ferro, o negro do carvão, o ocre da terra ou o amarelo da rocha mineral.

 

O cotidiano

Imagem © DR (202304029) Povos de África Os Kara do Rio Omo E
Jovens Kara com as suas fiéis AK47

Os homens jovens quase sempre carregam a sua fiel AK47, na verdade é mais um símbolo de estatuto social do que uma arma para ser usada contra algum inimigo.

Tradicionalmente e mais importante e fundamental é necessário possuir uma, para poder casar, pois mostra que, se necessário, é capaz de defender a aldeia, o gado de ladrões e defender os demais membros de animais perigosos.

As casas circulares são construídas com troncos de madeira colocados lado a lado, sem nenhum barro nas paredes laterais, e levam um telhado de palha seca por cima.

Tanto homens como mulheres usam, no seu dia a dia, diversidade de colares, braceletes, brincos, argolas ou gargantilhas.

 

A sobrevivência ameaçada

Imagem © DR (202304029) Povos de África Os Kara do Rio Omo D
A barragem Gilgel Gibe III

A inundação anual do rio Omo alimenta a rica biodiversidade da região e garante a segurança alimentar e a sobrevivência dos Kara, especialmente porque a precipitação é baixa e irregular.

Eles dependem desta inundação para praticar um sistema de cultivo, nas planícies resultantes da inundação, no qual utilizam o lodo enriquecido de nutrientes que se forma pelo lento recuo das águas ao longo das margens do rio, para cultivar sorgo, milho e feijão.

No entanto, em julho de 2006, o governo etíope assinou um contrato para construir a Barragem Gibe III, a maior barragem hidroelétrica do país, em direta violação das leis da Etiópia, cuja legislação ambiental estipula que antes de qualquer projeto ser aprovado, deverá ser efectuada uma avaliação de impacto ambiental e social, algo que neste caso, não foi feito.

Agora, com a hidroelétrica construída, comprova-se que a barragem está a ter um impacto enorme sobre o delicado ecossistema da região, alterando as cheias sazonais do Omo e reduzindo drasticamente o seu volume de jusante. Isto está a levar a uma seca gradual de grande parte da zona ribeirinha acabando por eliminar completamente a mata e as planícies de lodo resultante das inundações.

 

A Importância da Diversidade Cultural

Os Kara, assim como outros povos tradicionais, são um património valioso para a diversidade cultural mundial. A manutenção das suas tradições e modos de vida únicos enriquecem a sociedade mundial e oferecem-nos valiosas lições sobre sustentabilidade, respeito ao meio ambiente e convivência harmoniosa.

A sobrevivência dos Kara depende da ação conjunta de governos, organizações não governamentais e indivíduos em prol da preservação de suas terras, recursos e cultura. É nosso dever, enquanto sociedade, garantir que estes povos possam continuar a viver de acordo com suas tradições e transmitir o seu conhecimento ancestral às futuras gerações.

 

Conclusão

Com o desaparecimento da inundação natural e a produção dos seus ricos depósitos de lodo, as economias de subsistência correm o risco de colapsar levando a uma escassez de alimentos e em última instância ao desaparecimento do povo Kara. A preservação da sua cultura única, é um desafio cada vez maior diante das mudanças ambientais e sociais.

Para garantir a sobrevivência dos Kara e de outros povos tradicionais, é fundamental que a sociedade reconheça e valorize as culturas destes povos. Ações de preservação, consciencialização e políticas públicas voltadas para a proteção dessas comunidades são essenciais para assegurar seu futuro e a continuidade das suas tradições.

 

O que pensas sobre isto? Já tinhas ouvido falar dos Kara? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Ver Também:

Povos de África: Conheça os Dogon do Mali

O petróleo está a matar o Delta do Okavango

África: Energia Nuclear. Limpa, Verde, Confiável

O Mundo pode entrar num círculo de destruição

Clima: Já passámos o ponto de não retorno?

Imagem: © DR
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!