4.8 C
Londres
Segunda-feira, Abril 22, 2024

Sudão: ONU interrompe programas humanitários

O alto-comissário da ONU para os Direitos Humanos, Volker Türk, apelou hoje à cessação das hostilidades no país e instou os beligerantes a sentarem-se à mesa de negociações.

Sudão: ONU interrompe programas humanitários.

Um total de 4.000 funcionários de dez agências da ONU tiveram que interromper a maior parte dos programas no Sudão devido aos combates iniciados a 15 de Abril de 2023, entre o exército sudanês e as Forças de Apoio Rápido.

Os serviços de informação das Nações Unidas em Genebra também confirmaram que os seus funcionários – 800 dos quais são internacionais – não podem entrar ou sair do país devido ao conflito.

Além disso, a organização relatou que o fogo cruzado danificou um avião do Serviço Aéreo Humanitário da ONU que estava estacionado no aeroporto de Cartum, epicentro dos combates entre as forças armadas e os paramilitares das Forças de Apoio Rápido (RSF, na sigla em inglês).

“Isto pode afetar seriamente a nossa capacidade de aceder às áreas mais remotas do Sudão onde as necessidades são maiores”.

Confirmaram em Genebra os porta-vozes da ONU, que consideraram “crucial” poder retomar o seu trabalho no país o mais rapidamente possível para ajudar as pessoas que mais precisam dele nestes momentos.

 

Assistência humanitária no Sudão

Segundo a ONU, um terço dos sudaneses – cerca de 16 milhões de pessoas – necessitavam de assistência humanitária no início deste ano, dos quais quase 3,7 milhões estavam deslocados internamente.

Até à data, a ONU e mais de 80 organizações não-governamentais têm estado presentes no país do norte de África como parte de mais de 250 programas para vários fins humanitários.

O alto-comissário da ONU para os Direitos Humanos, Volker Türk, apelou hoje à cessação das hostilidades no país e instou os beligerantes a sentarem-se à mesa de negociações.

 

Os confrontos

Os confrontos começaram no sábado entre as forças armadas, comandadas pelo líder de facto do país desde o golpe de Estado de outubro de 2021, o general Abdel Fattah al-Burhan, e as RSF, chefiadas pelo general Mohamed Hamdane Daglo, conhecido como “Hemedti”, que orquestraram em conjunto o golpe de 2021, mas que se tornaram entretanto inimigos.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), pelo menos 270 pessoas morreram e cerca de 2.000 ficaram feridas desde o início da violência.

Apesar dos apelos feitos na reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros do G7 no Japão, da ONU e dos EUA “para pôr fim imediato à violência”, os combates continuavam na capital sudanesa.

Segundo meios de comunicação árabes, as duas partes acordaram um cessar-fogo de 24 horas, a começar ao final da tarde desta de hoje.

A violência levou milhares de pessoas a permanecerem nas suas casas ou em abrigos, com os mantimentos a esgotarem-se e vários hospitais a encerrarem os serviços.

 

O que achas de mais esta crise em África? Pensas que esta situação no Sudão será temporária ou pode descambar para uma Guerra Civil? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Ver Também:

Confrontos mortais no Sudão: 60 civis mortos

África: Impacto da guerra da Ucrânia aumenta

3 de 4 países em África investem em armas em vez da agricultura

Parem de sufocar África, afirmou o Papa Francisco

Papa encoraja o desejo de Paz no Sudão do Sul

Imagem: © 2023 REUTERS
Lusa - Agência de Notícias de Portugal
Agencia Lusa

É a maior agência noticiosa de língua portuguesa, faz parte da Aliança das Agências de Informação de Língua Portuguesa e tem mais de 280 jornalistas espalhados por todo o mundo. Para além das principais cidades de Portugal, a Lusa tem delegações ou correspondentes permanentes na Bélgica, Espanha, Alemanha, Reino Unido, França, Luxemburgo, Rússia, Estónia, Guiné-Bissau, Cabo Verde, Angola, Moçambique, Índia, São Tomé e Príncipe, África do Sul, Argélia, Timor-Leste, Macau, China, Brasil, Venezuela, Estados Unidos, Canadá e Austrália. Fornece um serviço noticioso a inúmeros jornais, rádios e canais de televisão portugueses, aos meios de comunicação social das comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo e a agências noticiosas dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Subscrevem também os serviços da Lusa diversas instituições públicas e privadas.

Agencia Lusahttps://www.lusa.pt/
É a maior agência noticiosa de língua portuguesa, faz parte da Aliança das Agências de Informação de Língua Portuguesa e tem mais de 280 jornalistas espalhados por todo o mundo. Para além das principais cidades de Portugal, a Lusa tem delegações ou correspondentes permanentes na Bélgica, Espanha, Alemanha, Reino Unido, França, Luxemburgo, Rússia, Estónia, Guiné-Bissau, Cabo Verde, Angola, Moçambique, Índia, São Tomé e Príncipe, África do Sul, Argélia, Timor-Leste, Macau, China, Brasil, Venezuela, Estados Unidos, Canadá e Austrália. Fornece um serviço noticioso a inúmeros jornais, rádios e canais de televisão portugueses, aos meios de comunicação social das comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo e a agências noticiosas dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Subscrevem também os serviços da Lusa diversas instituições públicas e privadas.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!