3 de 4 países em África investem em armas em vez da agricultura.

Muitos governos africanos têm reduzido os seus orçamentos agrícolas e aumentado os seus gastos em armamento, apesar de África possuir um quarto das terras agrícolas do mundo.

Isso contribuiu para empurrar mais de 20 milhões de pessoas para a fome severa nos últimos 12 meses, apesar dos líderes africanos terem prometido melhorar a segurança alimentar no continente.

A maioria dos governos africanos gasta em média apenas 3,8% do seu orçamento na agricultura, com alguns gastando apenas 1%. Infelizmente, quase três quartos destes governos não cumpriram o compromisso de investir pelo menos 10% do seu orçamento na agricultura, conforme estipulado na Declaração de Malabo de 2014.

 

Acesso limitado aos mercados vizinhos

O comércio agrícola entre os países africanos é dificultado por uma série de fatores, incluindo a infraestrutura precária e as tarifas elevadas. Muitos pequenos agricultores africanos têm dificuldade em aceder aos mercados dos países vizinhos, o que prejudica a competitividade e o acesso dos agricultores locais aos mercados.

Enquanto a 36ª Cimeira da União Africana discutiu o livre comércio intracontinental no passado mês de Fevereiro de 2023, é importante destacar que muitas nações africanas acham mais barato importar alimentos de fora do continente do que dos seus vizinhos. Isso pode levar a um aumento da dependência de importações de alimentos e prejudicar ainda mais os pequenos agricultores locais.

Para ajudar a melhorar o acesso aos mercados vizinhos, é necessário investir em infraestrutura adequada, como estradas e portos, e reduzir as tarifas de importação para os produtos agrícolas. Além disso, programas que incentivem a produção local e a diversificação da produção agrícola também podem ajudar a aumentar a competitividade dos agricultores africanos.

 

As Mudanças Climáticas e a crise alimentar em África

As mudanças climáticas são um fator significativo na fome que afeta milhões de pessoas em todo o mundo, especialmente nos países mais vulneráveis. O aumento dos eventos climáticos extremos, como secas, inundações e ondas de calor, tem causado a destruição de casas, meios de subsistência, conflitos e deslocamentos, além de aprofundar a desigualdade.

Segundo o Programa Mundial de Alimentos (PMA), mais de 278 milhões de pessoas em África estão subnutridas e 55 milhões de crianças com menos de cinco anos de idade sofrem de desnutrição grave.

A crise alimentar atual foi causada por uma combinação mortal de conflitos, choques económicos e extremos climáticos, o que levou a uma crise alimentar sem precedentes.

Actualmente, até 828 milhões de pessoas não têm certeza de onde virá a próxima refeição e 349 milhões de pessoas em 79 países enfrentam insegurança alimentar aguda, um aumento de 200 milhões em relação aos níveis anteriores à pandemia de COVID-19.

A redução dos gastos agrícolas e o aumento dos gastos militares são escolhas políticas inadequadas que estão a contribuir para agravar a fome e a insegurança alimentar em África. Além disso, a corrupção e a má gestão dos recursos públicos por parte dos governos africanos também são fatores que contribuem para a crise alimentar.

Os recentes terramotos em áreas vulneráveis de África agravaram a crise alimentar, prejudicando as comunidades que já estavam a lutar contra a insegurança alimentar antes do desastre. Com as colheitas perdidas e a infraestrutura agrícola danificada, a situação tornou-se ainda mais crítica.

As estradas danificadas e a infraestrutura precária dificultam a entrega de suprimentos, deixando muitas pessoas sem acesso a alimentos e água potável.

É por isso crucial que a comunidade internacional ofereça assistência humanitária e financeira para combater a fome e a insegurança alimentar em África e também no resto do mundo.

 

Os lucros impressionantes dos combustíveis fósseis

A indústria de petróleo e do gás acumulou US$ 2,8 bilhões por dia (ou mais de US$ 1 trilião por ano) nos últimos 50 anos, enquanto os países do G20 são responsáveis coletivamente por quase 77% das emissões de carbono.

Embora as empresas de combustíveis fósseis afirmem estar comprometidas com a transição para fontes de energia renovável, os seus gastos em pesquisa e desenvolvimento de tecnologia limpa são minúsculos em comparação com seus investimentos em novas explorações e produção de combustíveis fósseis.

Segundo o relatório “Fuelling the Fire“, da ONG ShareAction, a BP e a Shell gastaram apenas 1,3% e 0,4%, respectivamente, dos seus orçamentos de capital em tecnologias de energia limpa em 2021, em comparação com 94,5% e 96,3% em investimentos em exploração e produção de petróleo e gás.

Além disso, as empresas de combustíveis fósseis continuam a receber subsídios dos governos de muitos países, apesar de promessas de encerrar esses incentivos prejudiciais ao meio ambiente.

Segundo a OCDE, os governos do G20 gastaram cerca de US$ 650 bilhões por ano em subsídios para combustíveis fósseis em 2015 e 2016. Esses subsídios mantêm os preços dos combustíveis fósseis artificialmente baixos, desencorajando a adoção de fontes de energia mais limpas e renováveis.

A mudança climática continua a ter impactos devastadores em todo o mundo, tornando a transição para fontes de energia renovável essencial para evitar danos ainda mais catastróficos ao planeta e às pessoas que nele habitam.

Para combater a crise climática e a insegurança alimentar, é fundamental que os governos adotem políticas mais ambiciosas e eficazes para a transição para fontes de energia limpa e renovável, incluindo o fim dos subsídios para combustíveis fósseis e o investimento em tecnologias e infraestrutura para a energia renovável.

A indústria de combustíveis fósseis deve assumir uma maior responsabilidade pelos impactos ambientais de suas operações e investir em tecnologias para reduzir as suas emissões de gases de efeito estufa.

As empresas também precisam ser mais transparentes em relação aos seus impactos ambientais e financeiros. A ação coordenada e urgente é necessária em todos os níveis, desde os governos até a indústria e a comunidade internacional, para enfrentar estas crises interconectadas e proteger a segurança alimentar e o meio ambiente para as gerações presentes e futuras.

 

Coordenar acções para enfrentar as crises

A insegurança alimentar e as mudanças climáticas são crises interligadas que exigem uma ação coordenada a todos os níveis, desde os governos até a indústria e â comunidade internacional. As crises interagem e influenciam-se mutuamente, agravando ainda mais a situação em muitas partes do mundo, especialmente em África.

A mudança climática agrava ainda mais a situação, com eventos climáticos extremos afetando as colheitas, destruindo meios de subsistência, causando conflitos e deslocamentos, e aprofundando as desigualdades.

É por isso crucial que os subsídios para combustíveis fósseis sejam eliminados e os investimentos em fontes de energia limpa sejam aumentados.

A indústria de petróleo e do gás tem desfrutado de lucros surpreendentes enquanto causa estragos no planeta, e é essencial que a indústria invista em tecnologias de energia limpa e renovável para ajudar a mitigar os impactos da crise climática.

Além disso, é importante que a indústria assuma uma maior responsabilidade pelos impactos ambientais de suas operações e seja mais transparente em relação aos seus impactos ambientais e financeiros.

A resposta global à crise alimentar em África tem sido insuficiente, e muitas pessoas continuam a sofrer de fome e insegurança alimentar. É crucial que a comunidade internacional ofereça assistência humanitária e financeira para combater a fome e a insegurança alimentar em África e em todo o mundo. A crise alimentar é um problema global que exige uma solução global.

 

Conclusão

Em resumo, a fome sistémica em África é uma crise complexa que exige uma ação coordenada e urgente em todos os níveis. Os governos africanos precisam investir em tecnologias agrícolas resistentes à seca e sistemas de irrigação eficientes, adotando políticas para mitigar os impactos da mudança climática.

A indústria do petróleo e do gás também precisa assumir as suas responsabilidades pelos impactos ambientais das suas operações e investir em tecnologias de energia limpa e renovável. Além disso, a comunidade internacional deve oferecer assistência humanitária e financeira para combater a fome e a insegurança alimentar em África.

Juntos, podemos garantir a segurança alimentar e proteger o meio ambiente para as gerações presentes e futuras.

 

O que achas de tudo isto? Os governos em África já não deveriam ter percebido que este caminho é errado? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Ver Também:

PALOP finalmente livres da pena de morte

Burkina Fasso, Guiné e Mali querem voltar à UA

Imagem: © 2015 Rod Waddington

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!