9.4 C
Londres
Domingo, Abril 21, 2024

Povos de África: Zaghawa A Cultura Nómade

O ex-presidente chadiano, Idriss Déby, e outros ex-primeiros-ministros têm ascendência Zaghawa, evidenciando a influência duradoura desta comunidade na esfera política.

Povos de África: Zaghawa A Cultura Nómade.

Conheces os Zaghawa? Não? Então vais ficar a conhecer.

Enquanto muitos povos perderam as suas tradições ao longo dos séculos, alguns grupos isolados em África, conseguiram preservar a sua identidade cultural de forma notável.

Em regiões remotas e vastas planícies do continente, encontramos comunidades que continuam a viver pacificamente e em harmonia, alheias às conveniências modernas que tanto valorizamos.

Hoje, continuamos a série de 17 artigos, sobre alguns destes povos de África, mergulhando nas vidas destas pessoas únicas, cujas tradições, costumes e modo de vida resistiram ao teste do tempo e à influência avassaladora da modernização.

Embora haja debates em torno destes estilos de vida, é impossível não admirar a coragem daqueles que escolhem viver como os seus antepassados viviam há já muitas gerações atrás.

Hoje vamos conhecer os Zaghawa os nómadas africanos por excelência sobre os quais se escreveram muitas histórias.

Junta-te a nós nesta fascinante exploração da cultura Zaghawa que certamente vai despertar a tua curiosidade e surpreender-te com a preservação da sua autenticidade. Vem descobrir a fascinante vida deste povo do Sahel, uma comunidade nómade que mantém tradições únicas no meio de uma sociedade moderna em constante mudança e transformação.

 

Os Zaghawa

Os Zaghawa, também conhecidos como Zakhawa ou Beri, são um povo do Sahel com uma notável relevância cuja história e rica herança cultural se estendem pelas vastas regiões do sudoeste da Líbia, nordeste do Chade, oeste do Sudão, incluindo Darfur e pela África Central e Oriental.

juntam-se em comunidades seminómades dependem principalmente da criação do gado e da colheita de grãos selvagens, sustentando uma vida que tem sido fortemente influenciada pelas condições geográficas e climáticas da região.

Este povo intrigante atrai a atenção pela sua história nómade, adaptação ao ambiente hostil e desafiante e influência cultural e política na região.

 

Origens e Migrações dos Zaghawa

Imagem © DR (20230818) Povos de África Zaghawa A Cultura NómadeOs Zaghawa têm as suas raízes profundamente ligadas à região nordeste do Chade, onde emergiram como um povo seminómade por volta de 700 d.C. No entanto, sua história é marcada por migrações fascinantes. Eles migraram para as regiões a nordeste do lago Chade, na procura de terras mais férteis e adequadas ao seu estilo de vida semiárido.

Esta migração não apenas moldou a sua história, mas também teve um impacto duradouro nas terras que habitaram.

Os Zaghawa estabeleceram o próspero Império Kanem por volta do século VIII que floresceu como um centro cultural e económico. O Império Kanem deixou um legado que ressoa até os dias actuais. Esse império serviu como uma encruzilhada de trocas intelectuais e comerciais, demonstrando a adaptabilidade e capacidade dos Zaghawa na construção de sociedades prósperas.

 

História dos Zaghawa

A história real Kanemita, o Girgam, refere-se ao povo Zaghawa como os Duguwa. Hoje, os Zaghawa referem-se a si mesmos como Beri, enquanto o povo árabe e a literatura os chamam de ” Zaghawa “.

Na literatura relacionada a grupos étnicos africanos, o termo Beri (às vezes Kegi) inclui os povos Zaghawa, Bideyat e Bertis, cada um concentrado em diferentes partes do Chade, Sudão e Líbia.

Faziam comercio com a região do Nilo e as regiões do Magrebe no primeiro milênio d.C. As primeiras referências a eles em textos do século VIII estão associadas aos povos Toubou do norte do Chade e do sul da Líbia, e os estudiosos acreditam que os dois grupos étnicos estão relacionados.

Historicamente, o povo Zaghawa detinha uma espécie de hegemonia sobre a maioria das sociedades menores que se estendiam ao longo do Sahel, entre o Lago Chade e os reinos do vale do Nilo, como Núbia, Makuria e Alwa, por isso, acredita-se que façam parte do grupo étnico berbere do Norte de África.

Os berberes têm uma história longa e rica na região e são considerados um dos primeiros povos indígenas da região. Acredita-se que os Zaghawa tenham descendido de comunidades de língua berbere pois partilham muitas semelhanças culturais e linguísticas com eles.

No entanto, desenvolveram a sua própria identidade e tradições únicas ao longo do tempo, sendo considerados um povo distinto. A história mais antiga registada dos Zaghawa remonta a vários séculos e eles desempenharam um papel importante na história política e económica do Chade e do Sudão.

Os Zaghawa têm um rico património cultural e mantiveram a sua própria língua, tradições e costumes únicos, apesar dos desafios que enfrentaram ao longo do tempo, incluindo conflitos armados e instabilidade política.

 

Os Textos Antigos

Os Zaghawa são mencionados em textos clássicos em língua árabe. O geógrafo árabe do século IX, al-Ya’qubi, escreveu sobre eles como os “Zaghawa que vivem em um lugar chamado Kanem” e listou uma série de outros reinos sob o domínio Zaghawa.

Textos do século XI mencionam que os reis do reino Zaghawa haviam abraçado o Islão e eram, pelo menos nominalmente, muçulmanos. As primeiras descrições árabes descrevem-nos como “nómades negros”.

O geógrafo do século XII Al-Idrisi e o do século XIII Yaqut descreve a influência Zaghawa em torno de um sistema centrado em oásis e menciona as cidades de Kanem, Manan e Anjimi.

No entanto, textos de Ibn Sa’id, escritos em 1270, afirmam que Manan era a capital do reino de Kanem até que os governantes da dinastia Sayfawa se convertessem ao Islão, conquistassem a região e, em seguida, a capital se deslocasse para Njimi.

Os Zaghawa continuaram a viver em Manan, escreveu Ibn Said. No entanto, os registos de Kanem não mencionam os Zaghawa, e é provável que eles tenham sido deslocados e tenham se mudado para a região onde se encontram atualmente. Essa região é chamada de Dar Zaghawa, ou a “terra dos Zaghawa”.

Embora os Zaghawa tenham perdido poder com o surgimento de Kanem na região do Lago Chade, eles retiveram o controle sobre uma parte considerável das terras a leste de Kanem.

É só no final do século XIV que o Darfur é mencionado como um estado independente pelo historiador e geógrafo egípcio Maqrizi. Após o surgimento do Darfur e de Kanem, os Zaghawa parecem ter passado a controlar apenas áreas desérticas e deixaram de ser uma grande potência regional.

 

Estilo de Vida dos Zaghawa

Imagem © DR (20230818) Povos de África Zaghawa A Cultura NómadeOs Zaghawa adotaram um estilo de vida seminómade, adaptando-se às complexas condições climáticas e geográficas da região. A criação de gado, incluindo camelos, cavalos, burros, ovinos e caprinos, desempenha um papel fundamental na sua subsistência e identidade.

Esta relação com os seus rebanhos é mais do que meramente económica; é uma expressão cultural enraizada, tanto que as suas ovelhas são conhecidas pelo seu nome “Zaghawa”.

No auge de sua força, antes de os governantes da dinastia Sayfawa os deslocarem para a região em que vivem actualmente, eram notáveis comerciantes e negociantes de camelos e cavalos, controlando algumas das principais rotas comerciais transarianas.

Além do pastoreio, os Zaghawa também dependem da recolha de grãos selvagens e da agricultura para a sua sobrevivência. Ao longo dos séculos, aprenderam a conviver harmoniosamente com a terra, ajustando as suas práticas às mudanças climáticas e necessidades da comunidade. A recolha de grãos, não é apenas uma atividade produtiva; é uma celebração da simbiose entre a humanidade e a natureza.

Nos tempos contemporâneos, têm um estilo de vida sedentário, cultivando alimentos básicos como painço e sorgo, bem como outros alimentos como sésamo, melões, abóboras, amendoins e quiabo.

 

Religião

Os Zaghawa abraçaram a escola Maliki do Islão sunita, no entanto, as suas práticas culturais e religiosas são marcadas não só por influências islâmicas, mas também por crenças tradicionais, como o ritual de sacrifício de animais, o “karama”, para afastar espíritos malignos.

O século em que se converteram tem sido objeto de debate e há pouco consenso, com estimativas que variam do século XIII ao início do século XVII.

 

Sociedade e Cultura dos Zaghawa

Imagem © DR (20230818) Povos de África Zaghawa A Cultura NómadeA sociedade Zaghawa é estratificada, dividida em clãs e desempenham um papel vital na coesão e identidade desta comunidade.

Os clãs superiores são o dos nobres e o dos guerreiros, abaixo deles os comerciantes, e abaixo destes os artesãos chamados Hadaheed (ou Hadahid). Estes clãs são endogâmicos e as suas ocupações herdadas, incluindo trabalhos em ferro, caçadores, cerâmica, trabalho em couro e músicos, como percussionistas.

O trabalho artesanal tradicionalmente era visto dentro da sociedade Zaghawa como sujo e de status inferior, sendo pessoas de raízes pagãs e judaicas que gradualmente se assimilaram à sociedade islâmica. Alguns dos primeiros textos árabes referem-se à realeza Zaghawa como “Reis Ferreiros com arrogância inconcebível”.

O termo “ferreiro” tem sido utilizado como pejorativo na cultura Zaghawa, “uma vez nascido como um ferreiro, sempre se será um ferreiro”. Os clãs não-ferreiras nem comem, nem se associam com as castas dos ferreiros.

A organização social Zaghawa é centrada na herança patrilinear que estrutura as suas relações e fortalece os laços sociais. Os Zaghawa também têm uma presença política notável, com várias figuras influentes emergindo como líderes em países como o Chade.

O ex-presidente chadiano, Idriss Déby, e outros ex-primeiros-ministros têm ascendência Zaghawa, evidenciando a influência duradoura desta comunidade na esfera política.

 

A língua Zaghawa

A língua Zaghawa, é uma língua afro-asiática falada principalmente pelo povo Zaghawa. A língua pertence à família linguística Sahariana Oriental, que é uma subdivisão das línguas Chádicas, que por sua vez fazem parte do maior grupo das línguas afro-asiáticas.

Imagem © DR (20230818) Povos de África Zaghawa A Cultura Nómade

Características da Língua Zaghawa

  • Classificação Linguística: A língua Zaghawa pertence à família Chádica das línguas afro-asiáticas. Dentro da família Chádica, ela é classificada como uma língua Sahariana Oriental.
  • Escrita: A língua Zaghawa é escrita geralmente com o alfabeto latino, embora no passado tenham sido usados sistemas de escrita baseados em caracteres árabes. A ortografia pode variar dependendo da região e do contexto.
  • Fonologia: A língua Zaghawa possui um conjunto de sons consonantais e vogais típicos das línguas Chádicas. A fonologia da língua é complexa e inclui uma variedade de consoantes e vogais, algumas das quais são únicas para o Zaghawa.
  • Gramática: A gramática Zaghawa apresenta características típicas das línguas Chádicas. Isso inclui um sistema de classes de substantivos que influencia a concordância e a marcação de género e número.
  • Vocabulário: O vocabulário do Zaghawa é influenciado pela sua história, cultura e meio ambiente. Como muitas línguas, o Zaghawa tem palavras específicas para descrever aspectos da vida cotidiana, como termos relacionados à criação de gado, ao ambiente desértico e à vida nómade.
  • Variações Regionais: Assim como muitas línguas, o Zaghawa pode apresentar variações regionais. Os dialectos podem diferir em pronúncia, vocabulário e até mesmo em algumas estruturas gramaticais. No entanto, há uma compreensão mútua entre os falantes de diferentes dialectos.
  • Importância Cultural: A língua Zaghawa desempenha um papel vital na preservação da cultura e identidade do povo Zaghawa. Ela é usada nas comunicações diárias, nas tradições orais e em eventos culturais, mantendo vivos os aspectos únicos da cultura Zaghawa.
  • Amostras Linguísticas: A língua Zaghawa é falada principalmente em contextos informais, dentro das comunidades Zaghawa. No entanto, nos últimos anos, tem havido esforços para documentar a língua, preservar a sua riqueza cultural e promover a alfabetização entre os falantes.

A língua Zaghawa desempenha um papel fundamental na coesão social e na transmissão de conhecimento dentro da comunidade Zaghawa. No entanto, assim como muitas línguas minoritárias ao redor do mundo, enfrenta desafios, incluindo a pressão do uso de línguas mais amplamente faladas, a globalização e a falta de recursos para a sua documentação e preservação.

 

Desafios Contemporâneos

Imagem © DR (20230818) Povos de África Zaghawa A Cultura NómadeOs conflitos armados e as instabilidades políticas na região afetaram profundamente a vida desta comunidade. A crise em Darfur, em particular, trouxe sofrimento aos Zaghawa, que foram alvo de milícias árabes locais devido à sua herança étnica. Muitos Zaghawa foram forçados a mudar-se para campos de refugiados.

Os Zaghawa enfrentam desafios contemporâneos, como acesso limitado a serviços de saúde e educação de qualidade. Além disso, as tensões regionais e os conflitos armados na região afetam direta e indiretamente a vida desta comunidade. As mudanças climáticas também ameaçam a subsistência e modo de vida tradicional dos Zaghawa.

Este povo têm sido uma parte intrínseca da região do Sahel e têm contribuído para o mosaico cultural e étnico dessa área. A sua língua única, tradições peculiares e adaptação às duras condições climáticas evidenciam a resistência deste povo, demonstrada ao longo da sua história, o que os tornou mais aptos a enfrentar as adversidades.

Através de esforços de colaboração, dentro da comunidade e parcerias externas, procuram encontrar soluções sustentáveis para os desafios modernos de forma a preservar a sua cultura e modo de vida.

 

Conclusão

Os Zaghawa representam uma parte rica e diversificada da tapeçaria cultural do Chade e do Sudão. O seu percurso seminómade, adaptação às mudanças sociais e a contribuições para a política e sociedade, bem como a manutenção da sua herança cultural, são testemunhos da força desta comunidade e da sua importância na região.

À medida que enfrentam os desafios do presente e do futuro, os Zaghawa continuam a ser um farol da resistência cultural e da tradição no Sahel, inspirando a todos com a sua história única e determinação para prosperar.

 

O que pensas sobre isto, é interessante, não é? Já tinha ouvido falar dos Zaghawa? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Ver Também:

Povos de África: Zulu, Os Guerreiros Culturais

Povos de África: Mursi, Beleza e Tradição

Povos de África: Conheça os Himba da Namíbia

Povos de África: Os Massai, o Fascínio de África

Povos de África: Os Tuaregues, os Guerreiros do Saara

Povos de África: San, os Ancestrais do Mundo

Povos de África: Conheça os Wodaabe do Níger e Chade

Povos de África: Conheça os Dogon do Mali

Povos de África: Os Pigmeus da África Central

Povos de África: Os Kara do Rio Omo

Povos de África: Turkana, os sobreviventes

Povos de África: Nuba o Povo Esquecido

Povos de África: Hadza, Uma Cultura Única

Imagem: © DR
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos

Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.

Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!