11.8 C
Londres
Sábado, Abril 13, 2024

Povos de África: Os Pigmeus da África Central

É notável como a música dos Pigmeus tem influenciado diversos músicos ocidentais, que se encantam com a sua singular polifonia.

Povos de África: Os Pigmeus da África Central.

Conhece os Pigmeus da África Central? Não? Então vai ficar a conhecer.

África é um dos continentes com alguns povos que ainda mantêm as suas culturas intactas, ou quase.

Hoje, continuamos a série de vários artigos, sobre alguns destes povos de África (mas muito poucos) que conseguiram preservar as suas culturas intactas durante séculos.

Em áreas remotas e planícies ricas do continente, existem grupos de pessoas que continuam a viver pacificamente, sem depender de nenhuma das invenções que o mundo moderno tanto valoriza.

Trazemos aos nossos leitores algumas dessas comunidades cujas tradições, costumes e modo de vida têm resistido surpreendentemente ao teste do tempo e à força arrebatadora da modernização.

Embora discutível para uns, não podemos deixar de reconhecer a coragem dos que continuam a viver da maneira que os seus antepassados viveram há gerações.

 

Os Pigmeus

Existem povos chamados Pigmeus – devido à sua baixa estatura – na África Central, bem como em partes do sudeste da Ásia, mais precisamente nas Filipinas e na Nova Guiné.

Hoje trazemos os Pigmeus africanos.

Este Povo de grande coragem manteve quase intacta a própria cultura de acordo com as suas próprias crenças, tradições e línguas, apesar da interação com povos vizinhos e várias colonizações.

Os pigmeus têm sido alvo ao longo da história de discriminações vindas dos Estados dos quais são cidadãos e dos seus próprios vizinhos e compatriotas que por vezes os consideram de “sub-humanos”.

Os termos, “habitantes da floresta” e “povo da floresta” também têm sido usados, mas, por falta de alternativa, “pigmeu” continua sendo o termo predominante usado.

 

Antiguidade

Os Pigmeus são considerados um dos primeiros habitantes do continente africano. A primeira referência aos Pigmeus está inscrita na tumba de Harkuf, um explorador do jovem Faraó Pepi II do Egito Antigo.

O texto é de uma carta enviada de Pepi para Harkuf por volta de 2250 AC, que descreveu o deleite do menino-rei ao ouvir que Harkuf traria de volta um Pigmeu de sua expedição, pedindo-lhe que tomasse cuidado especial, exclamando: “Minha Majestade anseia por ver este Pigmeu mais do que todo o tesouro do Sinai! “

Também são feitas referências a um Pigmeu trazido para o Egito durante o reinado do Faraó Isesi, aproximadamente 2450 AC.

A floresta tropical africana é o lar dos “pigmeus”. Embora o termo ‘Pigmeu’ costumasse ser depreciativo, foi reivindicado pelos Pigmeus como um termo de identidade e de orgulho.

Este Povo consiste de grupos distintos, mas indistinguíveis que vivem nas florestas tropicais em toda a África Central e têm uma conexão íntima com as mesmas.

 

O Povo

O Povo Pigmeu é formado pelos Mbuti (República Democrática do Congo), Aka (República Centro-Africana), Baka (Sul dos Camarões) e também pelos Twa (Ruanda e Burundi) estimados em cerca de 200.000.

Uma parte essencial da identidade do Povo Pigmeu é a floresta, na qual viveram durante séculos. A floresta não é apenas o seu lar tradicional, mas é também a fonte da sua religião e meio de vida.

Antes das suas vidas serem interrompidas violentamente pelo deslocamento os pigmeus viviam um estilo de vida nómade feliz, mudando-se para novas partes da floresta várias vezes por ano.

Infelizmente, os Pigmeus correm um risco muito real de perder totalmente a sua casa, a floresta e, consequentemente, a sua identidade cultural, já que a floresta é sistematicamente desmatada por madeireiras.

Em algumas situações, como na República Democrática do Congo, existe uma triste ironia: a guerra civil que criou há décadas um ambiente perigoso para os Pigmeus foi também a razão pela qual os madeireiros se têm mantido à distância.

No entanto e sempre que se cria uma situação mais pacífica, as madeireiras julgam a área segura para entrar e destruir a floresta, obrigando os Pigmeus nela residentes a deixarem as suas casas e o ambiente que lhes dá sentido de identidade cultural e espiritual.

Para nós que tivemos o imenso privilégio de ver e observar Pigmeus na República Centro Africana e no Ruanda, ficou-nos gravada a imagem de pessoas delicadas, observadoras, corajosas e altaneiras.

 

Cultura Musical Única

Imagem © DR (20230624) Povos de África Os Pigmeus da África CentralOs Pigmeus africanos são altamente reconhecidos pela riqueza e singularidade da sua música, que é fundamental para a sua expressão cultural e identidade. Utilizam uma variedade de instrumentos musicais, mas é a voz humana que ocupa o centro das suas performances musicais.

A polifonia vocal, uma técnica que envolve múltiplas vozes a cantar em harmonia, é uma característica marcante da sua música. Muitas das suas canções replicam os sons da floresta, criando uma sinfonia natural que reflete a sua profunda ligação com o meio ambiente.

A música acompanha todas as atividades da vida dos Pigmeus, desde o nascimento até a morte. Danças e canções são também uma parte integrante dos seus rituais e celebrações, ajudando a contar as histórias do povo e a transmitir o seu conhecimento e tradições de geração em geração.

É notável como a música dos Pigmeus tem influenciado diversos músicos ocidentais, que se encantam com a sua singular polifonia.

 

A Caça Entre os Pigmeus

A caça é uma atividade essencial na vida dos Pigmeus, não apenas como meio de subsistência, mas também como um importante componente cultural e espiritual. Eles desenvolveram ao longo dos séculos diversas técnicas de caça que lhes permitem sobreviver na densa floresta tropical.

A caça é muitas vezes realizada em grupo, reforçando os laços comunitários e promovendo a cooperação entre os membros do povo.

Um aspecto interessante da caça dos Pigmeus é a sua relação simbiótica com os elefantes da floresta. Alguns grupos têm mostrado habilidades notáveis em comunicar e cooperar com estes animais, utilizando-os para derrubar árvores e aceder a alimentos que de outra forma estariam fora do seu alcance.

Esta convivência entre Pigmeus e elefantes é uma demonstração do respeito que este povo tem pela natureza e por todos os seus habitantes.

 

Choque Com a Modernidade

Imagem © DR (20230624) Povos de África Os Pigmeus da África CentralAs condições de vida dos Pigmeus têm vindo a despertar a atenção de várias organizações governamentais e não governamentais, que têm realizado esforços para proteger os seus direitos e melhorar a sua qualidade de vida. Várias organizações internacionais têm se concentrado em assegurar os direitos dos Pigmeus à terra, à saúde, à educação e a um ambiente livre de discriminação.

No entanto, apesar desses esforços, muitas das políticas implementadas pelos governos locais não têm sido eficazes, em grande parte devido à falta de envolvimento da comunidade Pigmeu e ao respeito insuficiente pela sua cultura e modo de vida.

É crucial que as organizações governamentais e não governamentais envolvam os Pigmeus na elaboração de políticas que os afetem diretamente, a fim de garantir que as suas necessidades e direitos sejam atendidos de forma adequada.

 

Pressão do Desenvolvimento

A pressão do desenvolvimento e a exploração das florestas tropicais tem tido um impacto devastador sobre os Pigmeus. A destruição do seu habitat tradicional tem deslocado muitas comunidades Pigmeus, forçando-os a adaptar-se a novos ambientes e estilos de vida, muitas vezes com efeitos prejudiciais para a sua saúde e bem-estar.

A exploração madeireira e a mineração têm destruído vastas áreas de floresta, privando os Pigmeus de recursos essenciais para a sua subsistência. Além disso, o estabelecimento de parques nacionais e áreas protegidas, embora benéfico para a conservação da biodiversidade, muitas vezes tem restringido o acesso dos Pigmeus às suas terras tradicionais, afetando o seu modo de vida.

 

Acesso à Educação

Imagem © DR (20230624) Povos de África Os Pigmeus da África CentralAs crianças Pigmeus enfrentam inúmeros desafios no seu dia-a-dia, um dos quais é o acesso à educação formal. Embora os governos de alguns países africanos tenham tomado medidas para aumentar a escolaridade entre os Pigmeus, ainda há muito a fazer.

A localização remota das suas comunidades e a falta de transporte são obstáculos significativos. Além disso, o currículo escolar raramente reflete a cultura e a realidade dos Pigmeus, dificultando o envolvimento e o interesse das crianças.

Outro problema que as crianças Pigmeus enfrentam é a discriminação e o bullying devido à sua etnia e estilo de vida. O preconceito e a marginalização podem levar a problemas de autoestima e a um desempenho académico inferior.

Vários projetos e iniciativas estão a ser desenvolvidos com o objetivo de melhorar o acesso à educação para estas crianças, mas a estrada é longa e cheia de desafios. A educação é um direito fundamental e, sem ela, as crianças Pigmeus têm menos chances de melhorar as suas vidas e de lutar contra a discriminação e a marginalização que enfrentam.

 

Conclusão

A sobrevivência dos Pigmeus, enquanto povo, está intimamente ligada à sobrevivência da floresta. As ameaças ao seu modo de vida, tanto externas quanto internas, precisam ser enfrentadas para assegurar a sua continuidade como povo único e fascinante.

Há um grande trabalho a ser feito, mas com respeito, compreensão e esforço conjunto, podemos esperar que este povo antigo prospere e continue a enriquecer o mundo com a sua rica cultura e profundo conhecimento da natureza.

 

O que achas da história dos Pigmeus? Queremos saber a tua opinião, a tua interação é crucial para continuarmos a fornecer conteúdo relevante. Por isso, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto” e, claro, continua a seguir a nossa série de artigos sobre os Povos de África.

 

Ver Também:

Povos de África: Os Massai, o Fascínio de África

Povos de África: Turkana, os sobreviventes

Povos de África: Os Tuaregues, os Guerreiros do Saara

Povos de África: Conheça os Wodaabe do Níger e Chade

Povos de África: Conheça os Himba da Namíbia

Povos de África: Conheça os Dogon do Mali

Povos de África: Os Kara do Rio Omo

Imagem: © DR
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!