12.5 C
Londres
Domingo, Maio 26, 2024

África Está Dividida Com a Guerra Israel-Gaza

Para além da agricultura, também desempenham um papel na crescente influência de Israel em África, os interesses comerciais e a segurança.

África Está Dividida Com a Guerra Israel-Gaza.

O conflito israelo-palestiniano, tem criado divisões em África no que toca ao apoio à Palestina. Enquanto alguns governos africanos expressaram solidariedade para com os palestinianos, outros alinharam-se com Israel. Isto reflete as complexas relações que os países africanos mantêm com as partes envolvidas.

À medida que as relações entre Israel e as nações africanas evoluíram ao longo do tempo, ficou evidente que os laços históricos, interesses económicos e influências externas desempenham um papel crucial na formação das posições dos países africanos.

Esta dinâmica em constante mudança entre África e o conflito israelo-palestiniano, tem dividido o continente nos apoios à Palestina e a Israel e as razões por detrás dessas escolhas e as implicações dessa divisão são várias.

 

Contexto Histórico

Após a independência de muitos países africanos do domínio colonial europeu na década de 1960, a maioria destas nações demonstrou apoio à causa palestiniana devido à luta dos palestinianos pela autodeterminação e ao despojamento das suas terras em 1948.

No entanto, ao longo dos anos, a situação mudou. Israel expandiu as suas relações com os países africanos, oferecendo tecnologia avançada, assistência militar e ajuda. A agricultura israelita tornou-se particularmente atraente para nações africanas que enfrentam desafios climáticos e de segurança alimentar.

Apesar do histórico de apoio à Palestina, as relações entre Israel e os países africanos têm-se fortalecido. Acordos de normalização foram alcançados com nações como o Chade, o Marrocos e o Sudão. A África do Sul, embora seja um crítico ferrenho de Israel, é também um seu importante parceiro comercial em África.

No entanto, o apoio diplomático à Palestina não reflete necessariamente a totalidade das relações entre países africanos e Israel. Além disso, a sociedade civil em alguns países, como a África do Sul, está a pressionar por uma posição mais clara a favor da Palestina, o que pode afetar as relações comerciais.

 

África e o Conflito Israelo-Palestiniano

Na sequência das divisões em África no que toca ao conflito israelo-palestiniano, é importante analisar as posições específicas de alguns países africanos. Alguns governos manifestaram apoio a Israel, enquanto outros demonstraram solidariedade com a Palestina.

Apoiantes de Israel

Imagem © Sayyid Abdul Azim (20231101) África Está Dividida Com a Guerra Israel-GazaQuénia: O presidente queniano, William Ruto, expressou apoio explícito a Israel, condenando o terrorismo e os ataques a civis inocentes.

Zâmbia: O governo da Zâmbia também se alinhou com a posição de Israel.

Gana: O Gana é outro país africano que demonstrou apoio a Israel.

República Democrática do Congo (RDC): O governo da RD Congo também se conta entre os apoiantes de Israel.

Apoiantes da Palestina

Imagem © Sayyid Abdul Azim (20231101) África Está Dividida Com a Guerra Israel-GazaÁfrica do Sul: A África do Sul, pós-apartheid, é um dos mais firmes apoiantes da Palestina no continente. Líderes sul-africanos, incluindo Nelson Mandela, estabeleceram paralelos entre a luta dos sul-africanos negros contra o domínio branco e a luta dos palestinos contra a ocupação israelita.

Argélia: A Argélia declarou “total solidariedade com a Palestina” no início da guerra.

Comissão da União Africana: Apesar de expressar preocupação com a violência, a Comissão da UA culpou a “negação dos direitos fundamentais dos palestinos” e apelou a uma solução de dois Estados.

A Compartimentalização

As divisões em África refletem a tentativa de cada governo de conciliar os seus interesses, tendo em conta tanto os laços históricos com o movimento palestiniano quanto as vantagens da cooperação com Israel. A relação entre África e o conflito israelo-palestiniano está em constante evolução, influenciando a direção que o continente tomará se o conflito persistir no futuro.

 

A Influência de Israel em África

A influência de Israel em África aumentou significativamente nas últimas décadas, afectando as relações diplomáticas, comerciais e de segurança e a manifestação dessa influência tem um forte impacto no continente africano.

Após a Guerra de Outubro de 1973, a maioria dos países africanos cortou laços com Israel. No entanto, a situação mudou drasticamente nas últimas décadas. Atualmente, 44 dos 54 países africanos reconhecem o Estado de Israel e, quase 30 deles abriram embaixadas ou consulados em Telavive.

Uma das razões para essa mudança é o reconhecido conhecimento de Israel na área da agricultura. Isso é particularmente atractivo para os países africanos que enfrentam desafios agrícolas, como secas, inundações e mudanças climáticas. A agricultura de alta tecnologia de Israel pode ser uma solução para muitos países africanos que lutam com a insegurança alimentar.

Para além da agricultura, também desempenham um papel na crescente influência de Israel em África, os interesses comerciais e a segurança.

A África do Sul, apesar de ser um dos críticos mais fervorosos de Israel no continente, é o maior parceiro comercial de Israel em África. Em 2021, o comércio entre Israel e os países da África Subsaariana ultrapassou os 750 milhões de dólares. Israel exporta máquinas, eletrónicos e produtos químicos para o continente. Mas a África do Sul também mantém relações comerciais com a Palestina.

Israel também investiu em ajuda humanitária em países africanos. Durante décadas, forneceu ajuda à Etiópia e facilitou a migração de milhares de judeus etíopes para Israel. A agência de ajuda internacional de Israel, a Mashav, ofereceu treino em agricultura e medicina para estudantes quenianos e empresários senegaleses.

Os Acordos

Os Acordos de Camp David entre o Egito e Israel em 1978 marcaram um ponto de viragem, com um grande país árabe a assinar um acordo de paz com Israel. Isso influenciou muitas nações africanas a reconsiderar a sua posição em relação a Israel.

Os Acordos de Oslo de 1993 e os acordos de normalização posteriores com o Chade, o Marrocos e o Sudão também fortaleceram as relações entre Israel e as nações africanas.

 

África e os Diferentes Pontos de Vista

Imagem © 2023 Nataliia Shulga (20231101) África Está Dividida Com a Guerra Israel-GazaA questão israelo-palestiniana é complexa e polarizadora. Os governos africanos adotaram várias abordagens em relação a este conflito, refletindo as divisões dentro do continente. Vamos explorar essas diferentes abordagens.

Alguns países africanos, como a Nigéria, a África do Sul e a Etiópia, apoiam uma solução de dois estados para o conflito israelo-palestiniano, na qual Israel e um Estado palestino coexistiriam lado a lado.

Estes países defendem o direito de Israel à segurança e o direito do povo palestino à autodeterminação. Eles frequentemente pedem o fim da ocupação israelita da Cisjordânia e o estabelecimento de um Estado palestino independente.

Outros países africanos, como o Quénia, o Rwanda e o Uganda, mantêm relações mais amistosas com Israel e podem ver benefícios económicos na sua cooperação. Além disso, Israel tem oferecido assistência em áreas como agricultura, segurança, tecnologia e saúde, o que pode influenciar essas nações a alinharem-se mais com os interesses israelitas.

Os países árabes e muçulmanos africanos, como o Marrocos, a Argélia e a Tunísia, tendem a apoiar os palestinos devido a ligações históricas, culturais e religiosas com o mundo árabe. A Organização da Unidade Africana (OUA), antecessora da União Africana (UA), apoiou historicamente a causa palestina.

Muitos governos africanos adoptam uma abordagem pragmática e equilibrada para o conflito israelo-palestiniano. Eles podem manter relações diplomáticas com ambos os lados e procurar desempenhar um papel mediador. Isto é particularmente evidente em nações que procuram uma diplomacia de terceira via, tentando equilibrar os interesses de Israel, dos palestinos e de outros actores internacionais.

Desafios e Complexidades

A abordagem de cada governo africano depende de uma série de fatores, incluindo considerações políticas, económicas e regionais. Além disso, a opinião pública desempenha um papel importante. As opiniões sobre o conflito israelo-palestiniano podem ser profundamente polarizadas em muitos países africanos.

Os governos africanos também consideram as suas relações internacionais ao abordar o conflito israelo-palestiniano. Eles podem procurar manter boas relações tanto com os Estados Unidos que historicamente sempre apoiaram Israel, quanto com as nações árabes que defendem a causa palestina.

 

O Panorama Actual

Perante a mudança na posição diplomática de Israel e o enfraquecimento do apoio à Palestina em toda a África, Israel poderia esperar obter facilmente o apoio dos governos africanos em meio ao seu conflito contínuo com o Hamas, especialmente em fóruns internacionais como as Nações Unidas. No entanto, não há garantias de que isso seja o caso.

Apesar das relações bilaterais com Israel, os governos africanos provavelmente não olharão com bons olhos a conduta de Israel nesta guerra, incluindo os bombardeamentos incessantes sobre Gaza que já resultaram na morte de mais de 8.000 palestinos, entre eles mais de 3.500 crianças e os apelos para o deslocamento forçado de pessoas do norte de Gaza para a Península do Sinai.

As tácticas empregadas por Israel, incluindo o bombardeamento de um hospital e de uma escola administrada pelas Nações Unidas em um campo de refugiados em Gaza bem como de uma mesquita na Cisjordânia e das restrição ridículas à água, combustível, eletricidade e à ajuda humanitária a entrar em Gaza, não tem sido vistas com bons olhos.

Até porque estas acções, são consideradas por muitos observadores internacionais, incluindo o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, como violações das leis internacionais humanitárias e têm sido comparadas ao comportamento dos Nazis, na segunda Guerra Mundial.

Estas táticas foram amplamente condenadas, inclusive por Estados regionais com boas relações com Israel, como a Jordânia e o Egito, mesmo quando os governos ocidentais evitaram criticar explicitamente Israel pelos seus bombardeamentos indiscriminados, levando governos como a Turquia, a acusarem os Israelitas de terroristas e de genocidas.

 

A posição de África

Imagem © 2023 Nic Bothma (20231101) África Está Dividida Com a Guerra Israel-GazaOs governos africanos recordam muito bem a pressão implacável que enfrentaram dos Estados Unidos da América (EUA) e dos seus aliados europeus, para condenarem veementemente a Rússia pela invasão da Ucrânia. Eles também se lembram do apoio do Ocidente ao mandado de prisão emitido pelo Tribunal Penal Internacional contra o Presidente russo Vladimir Putin.

Eles podem razoavelmente questionar porque é que as potências ocidentais não aplicaram os mesmos padrões a Israel. Independentemente da natureza das relações entre os países africanos e Israel, muitos dos seus governos simpatizam com os sentimentos palestinos de que as potências ocidentais não são os mediadores certos para o conflito.

Os EUA, em particular, estão longe de serem mediadores honestos, mas sim partidários com o polegar na balança já inclinada a favor de Israel. Para muitos países africanos, o Ocidente pode afirmar apoiar uma ordem baseada em regras ou afirmar um apoio inabalável a Israel, mas não ambas.

Dada a dificuldade que as potências ocidentais têm enfrentado ao procurar o apoio dos governos africanos para a Ucrânia em meio à sua guerra contra a Rússia, a decisão de Washington e dos seus aliados europeus de vincular este conflito às últimas hostilidades entre Israel e a Palestina é improvável que amplie o apoio diplomático a Israel entre os governos africanos.

Pelo contrário, as críticas à ordem internacional liberal feitas pelos governos africanos em relação à guerra na Ucrânia aplicam-se quase integralmente às condições em torno da guerra contínua de Israel com o Hamas.

 

Conclusão

À medida que o conflito israelo-palestiniano persiste, as relações entre África e Israel continuarão a evoluir, moldando a direção futura do continente em relação qo seu apoio. A abordagem dos governos africanos varia amplamente e é moldada por uma série de factores complexos.

A complexidade das relações entre África, Israel e a Palestina, a diversidade de interesses, contextos históricos e dinâmicas geopolíticas em jogo são tão dispares como países existem no continente. Enquanto alguns mantêm um firme apoio à Palestina, outros veem em Israel oportunidades económicas e tecnológicas vantajosas a não perder.

O crescimento da influência israelita no continente africano é inegável, à medida que a cooperação em agricultura, comércio e segurança se expande, as diferentes abordagens adoptadas pelos governos africanos, incluindo a procura de uma diplomacia de terceira via, refletem a complexidade do conflito israelo-palestiniano e a necessidade de equilibrar interesses locais e globais.

Levando em consideração o que aconteceu em relação à guerra na Ucrânia, a reacção dos governos africanos à guerra entre Israel e o Hamas será motivada por interesses e factores históricos. Ignorar isto não ajudará Israel e os seus apoiantes no Ocidente a apresentar o seu caso para obterem o seu suporte em África.

Uma coisa é certa. África continua a ser uma arena importante, onde as dinâmicas deste conflito israelo-palestiniano, desempenham um papel significativo nas suas relações diplomáticas e políticas internacionais.

 

O que achas desta guerra de interesses em África por causa do conflito israelo-palestiniano? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Ver Também:

África do Sul Pede Força Da ONU Para Gaza

Israel e o novo apartheid (agora palestiniano)

Imagem: © 2023 Denis Farrell 
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos

Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.

Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com