14.2 C
Londres
Domingo, Maio 26, 2024

KwaZulu-Natal a Zona Económica de Excelência

O KwaZulu-Natal é uma província diversa, com 14 distritos que variam muito em termos de economia e disponibilidade de capital.

Entrevista Exclusiva a Mais Afrika de Donnee Kruger, Gestora Regional do Escritório de Gauteng de Comércio e Investimento do KwaZulu-Natal na África do Sul.

Please accept YouTube cookies to play this video. By accepting you will be accessing content from YouTube, a service provided by an external third party.

If you accept this notice, your choice will be saved and the page will refresh.

———————————————————————————————

Aceite os cookies do YouTube para reproduzir este vídeo. Ao aceitar, estará a aceder ao conteúdo do YouTube, um serviço fornecido por terceiros.

Se aceitar, a sua escolha será salva e a página será atualizada.

YouTube privacy policy

 

KwaZulu-Natal a Zona Económica de Excelência.

Nesta décima segunda Grande Entrevista, do nosso Canal +Afrika, a primeira em inglês, ficámos a conhecer o KwaZulu-Natal, através da nossa entrevistada, Donne Krugger, Gestora Regional do Escritório de Comércio e Investimento do KwaZulu-Natal, África do Sul e uma profissional com vasta experiência em promoção de comércio e investimento, desenvolvimento de negócios internacionais e marketing de destinos.

Durante a nossa conversa, abordaremos temas como a interseção entre planeamento urbano e promoção de comércio e investimento e das oportunidades de negócio e investimento no KwaZulu-Natal, incluindo nas zonas económicas especiais e das suas vantagens competitivas.

Falámos também de questões ecológicas e climáticas no desenvolvimento económico e na promoção de investimentos e de que ações podem ser desenvolvidas para promover maior intercâmbio de África com o resto do mundo.

Ao longo da entrevista, Donne partilhou as suas ideias e perspectivas, e abordou tópicos relevantes para o desenvolvimento da África do Sul e do continente africano como um todo, mas em particular para a região do KwaZulu-Natal.

Enfim, foi uma conversa esclarecedora, sobre estes e outros assuntos, que vale a pena ser vista/lida. Por isso não percam tempo e vejam, esta interessantíssima entrevista, no nosso Canal do YouTube, +Afrika, ou se preferirem, leiam aqui, a entrevista na integra.

 

A entrevista

[Francisco Lopes-Santos] É um prazer estar aqui consigo hoje. Para começar esta entrevista e, para aqueles que não a conhecem, pode apresentar-se, falar um pouco sobre quem é e qual foi o seu percurso até ao presente momento?

[Donnee Kruger] Muito obrigado pela oportunidade. Chamo-me Donnee Kruger. Tenho uma formação base na área da saúde. Fiz a minha pós-graduação em economia do desenvolvimento e, depois descobri o papel muito interessante do comércio de investimento. Portanto, trabalho na área do comércio de investimento há mais de 17 anos.

Trabalho para uma agência regional que representa o KwaZulu-Natal que é uma província da África do Sul, localizada na costa leste. É a segunda maior economia do país e, também abriga os maiores e mais movimentados portos marítimos da África do Sul, sendo assim o centro comercial do país.

Adoro a área do comércio de investimento, é sempre interessante, com novos projetos, diferentes missões empresariais e muitos países e culturas diferentes com os quais trabalhamos, o que acho que foi o que me manteve neste setor por tanto tempo. Também criei o meu percurso, fazendo parte de várias associações bilaterais, o que me deu uma visão panorâmica do espaço do comércio de investimento.

Então, sim, tenho promovido ativamente a África do Sul e o KwaZulu-Natal, há bastante tempo. É um prazer conhecer-vos e gostaria de agradecer à Cecília, ao Howard e à Embaixada da África do Sul no Brasil, por nos terem apresentado.

 

[Vanessa Africani] Como membro do conselho de várias associações empresariais, como contribuiu para promover o desenvolvimento económico da África do Sul e do continente africano como um todo?

[DK] Ok, acho que é uma pergunta bastante abrangente, sobre a qual se pode falar durante algum tempo, mas penso que nos dá uma visão geral do que está a acontecer no ambiente de comércio e investimento. Do ponto de vista da defesa de políticas, trabalhar em certos fatores que impactam o ambiente de comércio e investimento é uma das principais coisas que fazemos nas câmaras bilaterais.

Mas coisas como vistos, setores prioritários como a energia e, também para os nossos grupos de foco específicos, sabes, onde achamos que há oportunidades para a África do Sul e novas oportunidades ou setores de nicho em que estamos a trabalhar, como a comercialização do nosso setor de cannabis, a economia do hidrogénio e a promoção do turismo também.

Acho que nos dá a oportunidade de interagir com empresas multinacionais internacionais, do ponto de vista da geração de leads, para ver o que estão a fazer e depois fornecer assistência em termos de opções de entrada no mercado e acesso a informações do setor e do produto, e também para promover ativamente os incentivos que a África do Sul tem para oferecer.

O ambiente empresarial é regulatório, criamos também ligações entre os setores público e privado e com as nossas agências e depois, perceber qual é o projeto que eles querem fazer e onde faz sentido economicamente colocar o projeto e então, tentar concretizar os projetos e levá-los a expandir-se, porque, obviamente, 75% de qualquer investimento é realmente a expansão de empresas existentes.

Então, acho muito importante também saber o que é importante para essas empresas e como cuidar delas, levá-las a expandir e criar oportunidades a jusante para pequenas empresas.

 

[FLS] Como alguém com vasta experiência, tanto na promoção do comércio de investimento, como no planeamento urbano, como vê estas duas áreas a interagirem e a impactar o desenvolvimento económico na África do Sul e além?

[DK] Acho que agora mais do que nunca, se olharmos para o impacto do investimento e da sustentabilidade, são incrivelmente importantes. Portanto, o conhecimento sobre a avaliação do impacto ambiental e os corredores de desenvolvimento económico torna-se muito relevante ao planear um projeto ou um investimento numa área específica.

Imagem © 2023 DR (202304027) KwaZulu-Natal a Zona Económica de Excelência

No KwaZulu-Natal, temos o que chamamos da nossa estratégia de polo industrial e isso envolve a criação de empregos, não apenas nas principais áreas metropolitanas, mas também nas áreas rurais.

E como o KwaZulu-Natal é uma província diversa, com 14 distritos que variam muito em termos de economia e disponibilidade de capital, temos grandes metrópoles próximas aos nossos grandes portos, mas também áreas muito rurais. Então, como desenvolver isso torna-se muito importante.

Tenho estado muito envolvida na estratégia de Desenvolvimento Industrial, analisando quais são as vantagens competitivas de uma região, a disponibilidade de habilidades e como planear isso.

Acho que desempenho um papel importante e, obviamente, quando um investidor chega e precisa identificar locais, dar-lhes uma visão geral de pelo menos quatro locais de cada vez que se ajustem aos critérios e à natureza dos seus investimentos é importante.

Por exemplo, se estiveres a fazer produção biológica, tem de ser numa zona económica especial, perto da saída também. Portanto, analisar esses fatores de identificação de locais é muito importante.

 

[VA] Pode falar-nos sobre a sua experiência em desenvolvimento de negócios internacionais, investimento comercial e marketing de destinos e, como isso a preparou para o seu atual cargo de gerente do governo no escritório de comércio e investimento do KwaZulu-Natal?

[DK] Ok, obrigada. O nosso escritório foi essencialmente criado como um escritório regional, e as pessoas costumam perguntar-nos por que motivo temos um escritório regional na província, sendo que, a maior economia do país, está em Joanesburgo e Pretória, a capital administrativa.

A razão para isso, é realmente a de atrair investidores que chegam e nem sempre descem até à província, dando-nos a oportunidade de interagir com eles e também falar com empresas que possam estar aqui, mas que têm a sua fábrica no KwaZulu-Natal. Além disso, queríamos estar mais próximos dos nossos departamentos.

Estamos muito gratos à Embaixada da África do Sul no Brasil, pois trabalhamos em estreita colaboração com o Departamento de Relações Internacionais e Cooperação para criar essas ligações. O nosso escritório é essencialmente responsável pelas relações internacionais e desenvolvimento de negócios.

Acho que a minha experiência em realizar missões internacionais, tendo feito várias missões empresariais, das quais sei que também tem experiência, ajudou-me bastante. A minha experiência passada na organização de missões empresariais, mas também de missões políticas com os nossos líderes políticos, permitiu-me aprender muito sobre diferentes culturas, explorar oportunidades e criar ligações.

Essencialmente, o nosso escritório lida com novos mercados, entrando numa área e interagindo com a Embaixada da África do Sul. A Embaixada da África do Sul sempre nos liga também às câmaras de comércio e estas, por sua vez, ligam-nos a investidores e financiadores.

Depois de entrarmos nesse mercado, entregamos o projeto à nossa unidade de promoção de investimentos e à nossa unidade de exportação, depois de termos analisado quais são as oportunidades de comércio e investimento. Portanto, acho que, nessa perspetiva, isso criou oportunidades para desempenhar este papel com sucesso.

 

[FLS] Podes falar sobre os principais setores para o comércio e para as oportunidades de investimento no KwaZulu-Natal, incluindo as zonas económicas especiais da região e as suas vantagens competitivas para empresas e investidores e, o que a distingue de outras regiões?

[DK] Obrigada pela pergunta. O KwaZulu-Natal tem duas zonas económicas especiais: uma é o Dube TradePort, localizada junto ao nosso aeroporto internacional e a outra, é a Richards Bay Industrial Development Zone, situada junto no porto de Richards Bay, que é o maior porto de águas profundas da África do Sul e, também lida com cerca de 50% do volume de carga do país.

Imagem © 2023 DR (202304027) KwaZulu-Natal a Zona Económica de Excelência

As zonas económicas especiais têm áreas de foco diferentes: o Dube TradePort concentra-se em produtos farmacêuticos, agroprocessamento e automotivo, enquanto a de Richards Bay, foca-se na indústria pesada e no processamento de materiais a granel. Principalmente exportações a granel. Está junto ao terminal de carvão de Richards Bay que é o maior terminal de carvão do mundo.

Os incentivos que oferecemos estão realmente focados na aplicação de objectivos, treinamento e desenvolvimento de funcionários e, uma série de incentivos em espécie, relacionados à provisão de ligações de dados, informações regulatórias e incentivos administrados a nível nacional pelo Departamento de Comércio, Indústria e Competição.

Isso inclui incentivos para construção e imposto corporativo de 15%, mas numa área controlada pela alfândega. Portanto, todas as importações na área controlada pela alfândega têm exportação gratuita também. As zonas económicas especiais têm-se saído muito bem e continuam a crescer.

Alguns dos outros setores de interesse são o agroprocessamento. As ligações com o Brasil que temos incluem programas de treinamento para pequenos agricultores, abordando temas como bioetanol e uso de açúcar como matéria-prima para bioplásticos. Acreditamos que há potencial também no turismo para atrair mais turistas brasileiros para a nossa região.

Temos dois sítios do Património Mundial da UNESCO: uma grande cadeia montanhosa chamada Drakensberg e um estuário de água salgada chamado Estuário de Santa Lúcia, que se estende por 200 quilómetros até à fronteira com Moçambique e também atrai muitos turistas internacionais.

Os principais setores em que nos estamos a concentrar são agroprocessamento, energia, vestuário e têxteis, automotivo e indústrias criativas. Atualmente, a África do Sul enfrenta grandes desafios energéticos, mas ao mesmo tempo isso representa uma grande oportunidade.

Estamos a ver um grande número de empresas de energia solar e produtores de energia solar concentrada a entrar na região e a fazer investimentos significativos. Algumas das grandes multinacionais estão a tornar-se completamente independentes da rede elétrica, o que representa uma enorme oportunidade para empresas de energia.

No setor de vestuário e têxteis, estamos focados em nichos de mercado e temos vários designers profissionais. Temos um forte cluster de indústrias criativas na nossa província, centrado na moda, jogos e animação, que também têm bastante exportação de produtos da nossa região.

Então, os principais setores que estamos a promover são: agroprocessamento, vestuário e têxteis, automotivo, energia e indústrias criativas. Também temos visto grandes investimentos em centros de dados e em terceirização de processos de negócios nos respectivos mercados.

 

[VA] Donnee, qual é a proposta de valor que o KwaZulu-Natal oferece para empresas e investidores e como a Trade and Investment KwaZulu-Natal promove oportunidades de investimento na região para o público global? E poderia fornecer uma visão geral de alguns dos projetos prontos para investimento na província e o papel da organização na facilitação do seu desenvolvimento?

[DK] Vou mencionar apenas alguns deles, porque temos um livro de investimentos que lançamos duas vezes por ano e, no momento, temos vários projetos com cerca de 13,3 bilhões de dólares em oportunidades de investimento em setores como infraestrutura, turismo, energia, água e manufatura, então é bastante variado nesse sentido.

Quanto à nossa proposta de valor, acho importante dizer que, se você é uma empresa internacional, os mesmos incentivos aplicáveis a você também se aplicam a uma empresa local.

Imagem © 2023 DR (202304027) KwaZulu-Natal a Zona Económica de Excelência

Em termos de nossos serviços, falamos sobre o que chamamos de serviços em espécie, que é a oferta de opções de entrada no mercado, fornecimento de informações comerciais e regulatórias, aplicação para incentivos, informando o que você é elegível e auxiliando fisicamente na candidatura.

Também promovemos ligações entre os setores público e privado ou, se necessário, um prestador de serviços.

Não somos financiadores, mas facilitadores de financiamento, trabalhamos com vários parceiros de financiamento, onde fazemos a avaliação de um plano de negócios ou projeto e fazemos recomendações, criando uma plataforma para a empresa interagir e ter sucesso.

Temos também várias ferramentas de negócios às quais você tem acesso. Possuímos o que chamamos de portal de exportação, que pode indicar para o seu produto qual é o mercado e o valor que pode obter.

Utilizamos o Euromonitor e o Local Monitor, que fornecem informações sobre o setor e o produto, bem como dados de séries temporais. Somos afortunados por ter alinhado todas as estatísticas da nossa província, então todas as informações sobre negócios estão alinhadas desde o nível provincial até todas as nossas agências, e isso é uma publicação trimestral.

Em termos de oferta de informações, somos muito fortes e realizamos vários programas de mentoria com parceiros internacionais, como o programa PUM ou o Senior Expert and Service, em que trazemos profissionais aposentados de mercados específicos e pagamos os componentes locais para as pequenas e médias empresas.

As pequenas e médias empresas que identificamos vão para o sistema de mentoria e crescimento dos seus negócios.

Também somos uma organização de apoio empresarial para alguns dos nossos parceiros internacionais, como o Swiss Import Promotion Program, que ajuda a colocar seu produto em mercados específicos. Então, da perspectiva de mentoria, financiamento e ferramentas de negócios, acho que temos instrumentos fortes.

Temos um fundo chamado Feasibility Fund, que é um fundo de subsídios para a viabilidade do seu projeto na nossa região. Também temos um Fundo de Apoio Empresarial, pois no último ano fomos atingidos por inundações e muitos negócios sofreram grandes perdas.

Mas administramos um fundo em nome de um dos nossos parceiros de financiamento, a Corporação de Desenvolvimento Industrial, onde identificamos algumas das empresas existentes que apoiamos em termos de infraestrutura ou na reparação de danos causados pelas inundações.

Portanto, é bastante abrangente, mas acho que isso representa uma forte proposta de valor. Você já falou sobre o hidrogênio verde e a bioagricultura.

 

[FLS] Pode falar sobre a importância de abordar questões ecológicas e climáticas no desenvolvimento económico e na promoção de investimentos e qual o papel que vê o Departamento de Comércio e Investimento de KwaZulu-Natal desempenhar neste sentido?

[DK] Temos o que chamamos de uma instalação “One-Stop Shop”, que é um programa que executamos em conjunto com o Departamento de Comércio, Indústria e Competição para ajudar projetos, especialmente no que diz respeito a licenças de uso de água e na aplicação de avaliações de impacto ambiental.

Obviamente, o aspecto das mudanças climáticas e do impacto ambiental é fundamental para nós. Você mencionou o projeto de hidrogénio, que é um dos projetos presentes no nosso catálogo.

Temos também projetos de baterias e de infraestrutura de hidrogénio que estamos a promover. Mas, no que diz respeito às mudanças climáticas, temos vários projetos na área da água, infraestruturas, energia e transportes, focados na sustentabilidade e no que chamamos de investimento de impacto na avaliação desses projetos que também promovemos.

Um dos nossos grandes projetos são as barragens para fornecimento de água na região. A nível nacional, existe o que chamamos de Modelo de Desenvolvimento Distrital, um modelo gerido por uma agência chamada Infraestrutura África do Sul, que está integrada no Banco de Desenvolvimento da África do Sul.

Essa agência. trata do planeamento nacional, com impacto também a nível provincial. Temos uma Estratégia de Crescimento e Desenvolvimento Provincial alinhada com essa abordagem, focada especificamente em água, energia, infraestrutura, transporte e na sustentabilidade desses setores a nível nacional e provincial.

Fazemos parte desse processo de planeamento e também procuramos ativamente financiamento para esses projetos. Acho que temos um papel importante a desempenhar, pois não se trata apenas de colocar um projeto em determinadas áreas, mas também de garantir que a infraestrutura esteja presente para suportar esse investimento e garantir a expansão dos negócios.

 

[VA] Para concluir, gostaria de fazer mais uma pergunta. Considerando a sua vasta experiência no continente africano que tipo de ações acredita que podem ser desenvolvidas para promover uma maior troca com o resto do mundo?

[DK] Com o resto do mundo? Não apenas com África? Obviamente, como agência, temos também um forte foco em África, com o Acordo de Livre Comércio Africano, que torna muito possível, acho eu, promover o comércio local também. No ano passado, tivemos a Feira de Comércio Intra-Africana e foi realmente interessante para nós.

Pela primeira vez, tivemos delegações do Níger e da Costa do Marfim, o que foi muito interessante. Estamos a fazer muito trabalho com o Egito também em coisas como dispositivos médicos e algumas das nossas grandes multinacionais têm grandes estratégias de expansão para a África, como a Toyota, para criar centros com fabricantes de componentes automotivos.

Portanto, estamos a trabalhar de perto com as nossas multinacionais e também a planear as suas expansões para a região, porque também, quando promovemos, eles não olham apenas para a África do Sul como mercado; eles olham para toda a SADC e depois para toda a África com o Acordo de Livre Comércio Africano.

 

E, obviamente, é necessário também implementar muita infraestrutura, mas há um plano ousado em termos do Acordo de Livre Comércio Africano para criar essa infraestrutura.

A África do Sul, através do nosso Banco de Desenvolvimento, estabeleceu parcerias com grupos internacionais, como a União Europeia, para um plano de infraestrutura para África, e também temos oferecido financiamentos e eles têm concedido financiamentos para esse desenvolvimento.

Acho que, no entanto, em termos de África e de informação empresarial, é muito importante para nós participar em fóruns como este, porque, para muitas pessoas, a África do Sul fica bastante longe. Então, acho que é um grande exercício de relações públicas e também de dar-nos a conhecer.

Quer dizer, se estiver a fazer negócios com uma empresa no Brasil, também pode estabelecer ligações com os gabinetes de comércio africano e o Banco Africano de Desenvolvimento.

Temos um memorando de entendimento, por exemplo, com o Afreximbank que é um grande banco de desenvolvimento que organiza a Feira de Comércio Intra-Africana todos os anos e analisa alguns dos nossos projetos estratégicos, mas também promove o financiamento disponível, seja do ponto de vista do financiamento à exportação ou do investimento.

Portanto, acho que há uma grande necessidade de criar ligações com os nossos parceiros de financiamento em África e também com os nossos parceiros de negócios. Trabalhamos muito com os nossos bancos comerciais que já operam em determinadas áreas. Temos vários retalhistas que tiveram muito sucesso em África, por exemplo, como ShopRite, Spar, Mr. Price ou Nando’s.

Imagem © 2023 DR (202304027) KwaZulu-Natal a Zona Económica de Excelência

Eles conhecem o mercado; é uma população muito jovem e há uma classe média em rápido crescimento. Se observarmos áreas como Kigali, em Ruanda, eles têm um acordo com a Coreia, possuem tecnologia incrivelmente rápida e avançada, e as suas 100 melhores empresas são todas do setor tecnológico.

Então, acho que há uma grande oportunidade para a África também ser um trampolim em termos de alguns negócios tecnológicos já existentes e criar essas ligações para fazer crescer as economias. Acho que o setor de serviços também é uma grande oportunidade em termos de tecnologia e inovação, mas acho que, sim, participar em fóruns internacionais.

Conseguir que jornalistas façam visitas à imprensa na nossa região é algo que fazemos com a Marca África do Sul. Também participamos do que chamamos de campanha Global South African porque, com a globalização, todos estão em todos os lugares, para utilizar também os nossos sul-africanos para promover ativamente a África do Sul e a região.

Porque acho que todos estão à procura de novos mercados e muitas empresas estão a diversificar-se também em África para procurar oportunidades regionais. Essa não era a pergunta, mas é realmente sobre missões empresariais, intercâmbios, visitas à imprensa, campanhas Global South African e, em seguida, também concentrar-se nos pontos de excelência.

Quer dizer, qualquer país no momento tem os seus desafios. Nós certamente temos o nosso trabalho pela frente com os nossos problemas de energia, mas ao mesmo tempo, depende de como você vê isso; é um desafio ou uma oportunidade também.

Então, acho que é sobre promover ativamente quais são as oportunidades, utilizando portais online também, com alguns dos nossos produtos de exportação e, sim, fornecer muita informação porque muitas das empresas com as quais falamos internacionalmente também têm dificuldade em obter informações de negócios sobre África.

Portanto, acho que o que vocês estão a fazer é brilhante, em termos de aumentar a consciencialização sobre diferentes países.

 

[FLS] Donnee, muito obrigado por nos ter concedido esta entrevista. Mas antes de nos despedirmos, se quiser acrescentar algo que considere relevante e que não foi abordado durante a entrevista, o tempo de antena é seu. Aproveite a oportunidade.

[DK] Obrigado. Talvez apenas para dizer que apesar dos desafios, a África do Sul é um país incrivelmente resiliente. Se olharmos para o Financial Times e as 100 melhores empresas, 24 das empresas de crescimento mais rápido no continente africano estão na África do Sul. Acho que isso ocorre porque temos uma economia muito diversificada e somos uma das melhores economias emergentes para investir.

Temos um setor privado muito resiliente e acho que há muita vontade, por parte das agências de promoção de investimento sul-africanas, em conversar com investidores e fornecer os serviços que mencionamos. Portanto, estamos ansiosos para promover ainda mais oportunidades e trabalhar de forma muito focada. Então, muito obrigado pela oportunidade.

 

[VA] Muito obrigado pela sua entrevista e também gostaria de agradecer à Embaixada da África do Sul no Brasil por nos dar esta oportunidade e à revista Mais Afrika, pois este ano voltámos com as entrevistas. Todos perguntam: “oh, onde estão as entrevistas? Não vão voltar?” e etc., e eu disse: “sim, voltaremos agora com outro nome”.

A revista mudou de nome porque aumentámos a visibilidade em outros países, especialmente de língua inglesa, então tivemos de fazer alguns ajustes e é muito bom estar de volta.

Francisco, muito obrigado, também à Nilsa e a sí Donnee, muito obrigado também pela sua entrevista. É ótimo ter a África do Sul aqui, uma das maiores economias da África. Então, obrigado.

[DK] Muito obrigado. Foi um prazer conhecer-vos.

 

O que achaste desta entrevista? Ficas-te a conhecer melhor o potencial da África do Sul e do KwaZulu-Natal? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Imagem: © 2023 Francisco Lopes-Santos 
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos

Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.

Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com