13 C
Londres
Domingo, Maio 26, 2024

África do Sul Pede Força Da ONU Para Gaza

O governo sul-africano já anteriormente tinha pedido à ONU, a classificação de Israel, como um estado terrorista baseado em apartheid.

África do Sul Pede Força Da ONU Para Gaza.

Nesta segunda-feira, 30 de Outubro de 2023, a África do Sul fez um apelo urgente às Nações Unidas, solicitando o envio imediato de uma força de proteção a Gaza para garantir a segurança dos civis perante os contínuos ataques israelitas.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros emitiu um comunicado em que reforça a necessidade de uma ação global séria, à luz do elevado número astronómico de não combatentes, incluindo mais de 3000 crianças que perderam a vida.

 

O Pedido da África do Sul

Este pedido ocorre num contexto em que Israel continua a realizar intensos bombardeamentos aéreos e de artilharia em Gaza, simultaneamente com a expansão das operações terrestres das forças israelitas.

A guerra entre Israel e o grupo militante palestiniano Hamas foi desencadeada após um ataque transfronteiriço mortal do Hamas a partir da Faixa de Gaza, a 7 de Outubro de 2023, resultando na morte de cerca de 1.400 civis e soldados israelitas.

No entanto, as autoridades de saúde em Gaza, sob o controlo do Hamas, alegam que, desde então, mais de oito mil pessoas perderam a vida, incluindo muitas mulheres e crianças. Organizações humanitárias têm enfrentado dificuldades para prestar auxílio a estas pessoas.

Crescem os apelos internacionais para proteger os civis palestinianos, que se encontram encurralados no conflito. A África do Sul, com a sua longa história de defesa da paz na região e o seu passado de apartheid, comparou a situação dos palestinianos à sua própria experiência.

No entanto, ao solicitar uma força de proteção da ONU, a África do Sul foi além do que a maioria das nações defendeu, já que algumas apenas apelaram a um cessar-fogo ou à abertura de corredores humanitários.

 

As Divisões na África do Sul

O conflito Israel-Palestina continua a dividir os políticos sul-africanos, revelando alianças históricas e posições variadas.

O ataque do Hamas a Israel gerou respostas diversificadas no cenário da política sul-africana. Essas reações refletem a longa história do envolvimento da África do Sul no conflito israelo-palestiniano que remonta a antes do estabelecimento da democracia em 1994 e tem um significado simbólico para muitos no país.

Assim como aconteceu com a guerra na Ucrânia, a postura perante este conflito permite às partes extremar as suas posições na luta contra ou a favor da influência ocidental global.

É preciso não esquecer que o governo sul-africano já anteriormente, tinha manifestado preocupação em relação à situação dos palestinianos na região da Cisjordânia, apontando a ocupação de partes significativas do território e a construção de novos colonatos por parte de Israel como flagrantes violações do direito internacional.

Durante a segunda reunião dos Chefes de Missão Palestiniana em África, a Ministra das Relações Internacionais e Cooperação da África do Sul, Naledi Pandor, afirmou que a narrativa palestiniana evoca experiências da própria história de segregação racial e opressão da África do Sul.

Ela relembrou que os sul-africanos vivenciaram em primeira mão os efeitos da desigualdade racial, discriminação e negação e, portanto, não podem permitir que mais uma geração palestiniana fique para trás devido à segregação causada pelo estado de Israel.

Pandor também pediu à ONU, a classificação de Israel, como um estado terrorista baseado em apartheid e solicitou a criação de um comité pela Assembleia Geral das Nações Unidas para verificar as ações do governo de israelita.

 

A Opinião do ANC

O governo sul-africano, liderado pelo Congresso Nacional Africano (ANC), descreveu os acontecimentos recentes como uma “escalada devastadora”, atribuindo a responsabilidade principalmente a Israel e às suas políticas segregacionistas.

Políticas essas que incluem a ocupação contínua de territórios palestinianos, a expansão de colonatos, a profanação de locais sagrados muçulmanos e cristãos, bem como a opressão persistente do povo palestiniano.

Esta situação requer uma cessação imediata da violência, contenção e esforços para alcançar a paz entre Israel e a Palestina. O ANC também incentivou Israel a adotar a solução política de dois Estados, como meio de resolver o conflito que envolve a criação de um Estado palestiniano independente a par de Israel.

Por outro lado, o ANC emitiu uma declaração em nome do partido, demonstrando um apoio ainda mais explícito ao Hamas. O porta-voz nacional do partido, Mahlengi Bhengu-Motsiri, defendeu as ações do Hamas, invocando a duradoura solidariedade entre o ANC e a causa palestiniana.

Para muitos, a história do apartheid na África do Sul lembra a atual realidade da Palestina ocupada, e a decisão dos palestinianos de resistir à brutalidade do regime de colonos israelitas é compreensível.

 

A Opinião dos Outros Partidos

O partido pan-africanista de extrema-esquerda, os Combatentes pela Liberdade Económica (EFF) que se formou após uma cisão do ANC e agora é o terceiro maior partido no parlamento, endossou o recurso à violência pelo Hamas. Estabelecendo paralelos com a luta contra o apartheid, o porta-voz do partido responsabilizou diretamente Israel.

Por outro lado, vários movimentos demonstraram solidariedade com Israel. A Aliança Democrática Liberal, o principal partido da oposição, condenou veementemente o “ataque não provocado” do Hamas, repudiando a violência indiscriminada e os atos de terror contra civis, incluindo mulheres e crianças.

Alguns partidos centristas ou tradicionalistas, como a Aliança Patriótica e o Partido da Liberdade Inkatha, também expressaram críticas aos ataques do Hamas. As principais organizações judaicas da África do Sul também manifestaram apoio a Israel.

 

Raízes históricas

O apoio inabalável à causa palestiniana tem sido uma constante na política externa da África do Sul desde que o ANC assumiu o poder em 1994. Esta postura transformou o país numa das vozes mais proeminentes na crítica a Israel a nível global.

O ANC apoiou o movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), que procura replicar a campanha icónica de boicote anti-apartheid. As autoridades sul-africanas rotineiramente acusaram Israel de praticar o apartheid. Recentemente, o parlamento do país votou a favor da redução formal das relações diplomáticas com Israel.

Ao longo de quase uma década, a relação entre a África do Sul e Israel, foi sempre tensa e tanto o ANC quanto algumas formações pan-africanistas tiveram perspetivas mais complexas sobre Israel e o sionismo.

Durante as décadas de 1940 a 1960, eles expressaram apoio ao Estado judeu. No início da década de 1960, tanto o ANC quanto o seu principal rival, o Congresso Pan-Africanista (PAC), consideraram Israel como um possível aliado na luta contra o apartheid. O PAC, por exemplo, recebeu apoio financeiro substancial de Israel até 1970.

No entanto, o ressentimento do ANC em relação a Israel, devido à colaboração deste com o governo da minoria branca nas décadas de 1970 e 1980, juntamente com a percepção de que os palestinianos enfrentam uma opressão semelhante à do apartheid, moldou a visão do partido sobre o conflito israelo-palestiniano.

A partir do final da década de 1960, o ANC estabeleceu fortes laços com a Organização para a Libertação da Palestina (OLP). Na década de 1980, esses laços evoluíram para uma aliança estratégica e operacional entre os dois movimentos.

Nos últimos anos, com o enfraquecimento da OLP, o ANC transferiu o seu apoio para o antigo rival da OLP, o Hamas. O eleitorado muçulmano na África do Sul, muitos dos quais são apoiantes e ativistas do ANC, contribui ainda mais para a posição pró-Palestina do partido.

 

O apoio da AD da África do Sul

O apoio da Aliança Democrática a Israel também tem raízes históricas. Historicamente, os partidos e indivíduos liberais ou ditos “moderados” na África do Sul têm sido os mais consistentes na defesa de Israel.

Ao contrário do ANC após a década de 1970, muitos liberais consideram Israel uma democracia com um histórico aceitável no tratamento de minorias. Na província do Cabo Ocidental, a única governada pela DA, houve uma maior disposição para explorar colaborações com Israel.

Além disso, nas últimas décadas, várias forças cristãs e tradicionalistas também se alinharam fortemente com opiniões pró-israelitas.

A última pesquisa sobre afiliação religiosa na África do Sul foi realizada em inquéritos domiciliares em 2013. Os dados da época indicavam a existência de pouco mais de um milhão de muçulmanos e cerca de 101.500 pessoas de fé judaica.

Estatísticas mais recentes sugerem que a população judaica no país diminuiu para aproximadamente 50.000 pessoas. O censo mais recente estima a população total em cerca de 62 milhões.

 

Legado das alianças internacionais

As diferentes perspetivas dos partidos políticos da África do Sul em relação ao conflito israelo-palestiniano também refletem as suas lealdades internacionais distintas.

Dado o apoio que receberam da União Soviética e da China na luta contra o apartheid e as profundas críticas que fazem ao papel do Ocidente no apoio ao apartheid, o ANC e os movimentos mais radicais tendem a alinhar-se com actores que desafiam os EUA no panorama internacional.

Essa política é particularmente evidente na simpatia da África do Sul pela Rússia, apesar da guerra da Ucrânia. Por outro lado, a oposição representada pela Aliança Democrática segue posições pró-ocidentais.

No entanto, não está claro se a maioria dos sul-africanos apoia a abordagem do ANC em relação às questões de relações exteriores contemporâneas. Uma pesquisa efectuada em Novembro de 2022, revelou que 74,3% dos cidadãos sul-africanos condenaram a agressão russa à Ucrânia.

É provável que a causa palestiniana desfrute de níveis mais elevados de apoio popular, mas há indicações de que as opiniões sobre o conflito israelo-palestiniano, estão longe de ser unânimes.

Um estudo de 2017, por exemplo, concluiu que na África do Sul havia apoio semelhante aos “direitos a uma pátria” tanto dos israelitas como dos palestinianos, com 54% e 53%, respetivamente. No entanto, o estudo também indicou que o conhecimento real sobre o conflito israelo-palestiniano era limitado, com apenas 29% a afirmar ter “ouvido falar” deste conflito.

A posição oficial da África do Sul em relação ao conflito israelo-palestiniano é uma das mais críticas em África, especialmente em comparação com outros estados a sul do Saara.

Durante a última década, Israel estabeleceu relações bilaterais mais fortes com vários estados africanos. Várias pesquisas de opinião mostram que a percepção pública de Israel na África subsaariana é das mais favoráveis a nível global.

 

Conclusão

Os políticos sul-africanos enquadraram a recente escalada de tensões entre o Hamas e Israel no contexto mais amplo das suas perspetivas sobre a dinâmica global internacional. A posição da África do Sul no conflito israelo-palestiniano é marcada por uma longa história de apoio à causa palestina, enraizada na luta contra o apartheid.

O governo sul-africano caracteriza os recentes acontecimentos como uma “escalada devastadora” e defende uma solução de dois Estados como forma de resolver o conflito. No entanto, a resposta política sul-africana é diversificada, com actores que demonstram apoio a Israel, citando a sua “democracia” e tratamento das minorias.

Estas divergências refletem claras lealdades internacionais, com o ANC alinhado com actores que desafiam os EUA, enquanto a oposição tende a adoptar posições pró-ocidentais. No entanto, a verdadeira opinião pública sul-africana sobre o conflito, permanece complexa e em evolução.

 

O que achas desta posição da África do Sul em relação ao que se está a passar na faixa de Gaza? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Imagem: © 2023 Belal Alsabbagh
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos

Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.

Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com