15.5 C
Londres
Sábado, Abril 13, 2024

Como resolver as crises da água em África

O tema do Dia Mundial da Água 2023, "Acelerar a mudança" é um alerta para fazer ainda mais para resolver as crises da água e do saneamento.

Como resolver as crises da água em África.

As crises da água em África impactam diretamente o potencial económico do continente, limitando oportunidades económicas. A origem dessas crises está no acesso inadequado à água segura, saneamento e serviços de higiene.

Um em cada três africanos é afetado pela escassez de água. De acordo com o relatório de 2022 da OMS/UNICEF, 411 milhões de pessoas em África ainda não têm acesso a serviços básicos de água potável, 779 milhões não têm acesso a serviços básicos de saneamento, e 839 milhões não têm acesso à higiene básica.

 

Alterações climáticas

As alterações climáticas estão a causar escassez de água e seca, prevendo-se que 230 milhões de africanos tenham falta de água e até 460 milhões de pessoas vivam em áreas onde a procura de água excede periodicamente a oferta disponível, até 2025.

Isto também tem impacto na segurança alimentar e energética, uma vez que a população do continente continua a crescer. O acesso à água continua a ser uma questão preocupante e a eficiência na utilização da água é agora uma questão crucial.

O tema do Dia Mundial da Água 2023, “Acelerar a mudança” é um alerta para fazer ainda mais para resolver as crises da água e do saneamento. Precisamos de ação coletiva e urgente por parte dos governos, associações regionais e parceiros de desenvolvimento globais.

Temos também de considerar a complexa interação entre a oferta e procura de água e energia, ecossistemas alimentares e os impactos das alterações climáticas para abordar as diversas necessidades e utilização da água, desenvolver ideias inovadoras, e otimizar o financiamento no setor da água.

 

Dia Mundial da Água 2023

O Dia Mundial da Água deste ano, abordando as crises da água, coincide também com a revisão intercalar da Década de Ação da Água das Nações Unidas. Isto proporciona uma oportunidade para os líderes, governos e empresas fazerem uma pausa, refletirem e determinarem ações urgentes que são necessárias para aumentar a velocidade do progresso no acesso universal à água e ao saneamento.

 Em conjunto, estes compromissos formam a Agenda de Ação da Água, que será lançada na Conferência da ONU sobre a Água de 2023 (22 a 24 de março), o primeiro evento deste género em quase 50 anos.

A conferência, com a duração de três dias, avaliará os progressos e medidas adicionais para alcançar o Objetivo 6 de Desenvolvimento Sustentável da ONU – assegurar o acesso universal a água potável segura, saneamento e higiene até 2030.

Alcançar o SDG-6 em África é visto como um desafio significativo; o continente tem feito menos progressos do que o esperado no cumprimento dos objetivos de água e saneamento.

“O Dia Mundial da Água é a altura certa para trazer a voz de África e as soluções de África à mais alta reunião mundial das Nações Unidas sobre a água”, vincou a Dra. Dunford.

Espera-se que a Dra. Dunford faça uma declaração sobre água, saneamento e serviços de higiene em África durante uma mesa-redonda coorganizada pelo Rei Willem-Alexander, dos Países Baixos, e outros líderes governamentais.

 

High 5 e as Crises da Água

No âmbito das 5 prioridades estratégicas do Banco Africano de Desenvolvimento, os High 5, a segurança da água está subjacente à segurança alimentar, à segurança energética, à industrialização, à integração regional particularmente à melhoria da qualidade de vida da população africana.

A Política da Água do Banco baseia-se numa visão para melhorar a segurança da água em África, e transformar os recursos hídricos para promover o crescimento e desenvolvimento socioeconómico sustentável, verde e inclusivo.

Investimentos massivos no desenvolvimento e gestão integrada da água são fundamentais para enfrentar as crises da água e alcançar a segurança sustentável da água, alimentação e energia, assegurando simultaneamente um crescimento verde e inclusivo.

Em 2022, a nossa carteira de água e saneamento de 473 milhões de dólares proporcionou acesso à água a cerca de 6,8 milhões de pessoas e emprego a mais de 24.000 pessoas em África.

Nos últimos 10 anos, o banco também investiu aproximadamente 5,2 mil milhões de dólares no setor da água para apoiar e reforçar a resiliência da água e do saneamento para quase 97 milhões de pessoas em África. Desde 2015, o banco tem investido uma média de 900 milhões de dólares por ano.

O Banco, que dá prioridade à segurança da água para a transformação socioeconómica através de ecossistemas de água, alimentos e energia, planeia investir cerca de 6,4 mil milhões de dólares no setor durante os próximos cinco anos. Prevê-se que isto venha a beneficiar mais 54 milhões de africanos.

No entanto, a taxa de crescimento populacional de África significa que é necessário mais investimento para satisfazer a procura de infraestruturas e serviços. Os países africanos investem uma média de 0,5% do Produto Interno Bruto no setor da água.

 

O Exemplo do Quénia

No Quénia, projetos como o Programa Citadino Sustentável de Saneamento e Abastecimento de Água no Quénia abordam as crises da água e melhoram a qualidade de vida de beneficiários como Emmaculate Anyango, que costumava andar dois quilómetros para ir buscar água para cozinhar, beber e outros usos domésticos.

O programa iniciou projetos para assegurar o acesso ao abastecimento de água limpa, segura e consistente em 28 pequenas cidades do Quénia. Por exemplo, o Projeto de Abastecimento de Água e Saneamento de Oyugis, que terminou em janeiro de 2023, já serve mais de 60.000 pessoas, produzindo 12.000 metros cúbicos de água por dia.

Até 2030 e daí em diante, o Banco Africano de Desenvolvimento continuará a trabalhar com os países africanos e a apoiá-los na obtenção das metas do Objetivo 6 de Desenvolvimento Sustentável relacionadas às crises da água.

Fá-lo-á através de financiamento, reformas setoriais e de governação, geração de conhecimento, parcerias e envolvimento do setor privado, responsabilidade ambiental e social, e mitigação dos impactos das alterações climáticas.

Vamos todos desempenhar o nosso papel e ser a mudança!

 

Conclusão

Para solucionar as crises da água em África, é fundamental a ação coletiva e urgente dos governos, associações regionais e parceiros de desenvolvimento globais. A Agenda de Ação da Água, lançada na Conferência da ONU sobre a Água de 2023, é um compromisso para acelerar o progresso no acesso universal à água e ao saneamento.

É essencial investir massivamente no desenvolvimento e gestão integrada da água, promovendo a segurança alimentar, energética e a industrialização sustentável. Projetos como o Programa Citadino Sustentável no Quénia demonstram o impacto positivo desses investimentos na qualidade de vida e acesso à água.

 

O que achas deste objectivo? Acreditas ser possível resolver os problemas das crises da água? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Ver Também:

Mulheres trocam sexo por água potável

190 milhões de crianças em risco devido à água

Dia Mundial da Água celebra-se a 22 de Março

Imagem: © 2023 ONU
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!