4.9 C
Londres
Segunda-feira, Abril 22, 2024

África do Sul: A Nova Revolução Energética

África do Sul: A Nova Revolução Energética


A revolução energética na África do Sul atingiu um novo marco com a produção local de painéis solares numa fábrica que a Ener-G-Africa abriu na Cidade do Cabo e em que a força de trabalho é exclusivamente feminina. Com isso, a empresa quer dar o exemplo num sector dominado predominantemente por homens.

Este empreendimento desafia as normas de género e procura trazer luz e oportunidades para as comunidades locais. A iniciativa representa um passo importante rumo à independência energética do país, promovendo soluções acessíveis e de alta qualidade para a crescente procura por energia solar.

O sector privado também desempenha um papel crucial nesta transformação, gerando desenvolvimento económico ao investir em tecnologias sustentáveis e promovendo a criação de novos empregos. Com iniciativas como esta, a África do Sul avança para um futuro mais sustentável e igualitário.

 

Redefinir as Normas


A abertura da fábrica de painéis solares liderada pela Ener-G-Africa desafia os paradigmas de género na indústria, ao empregar exclusivamente mulheres e promover a igualdade de género num setor dominado por homens.

Os painéis solares produzidos são adaptados às necessidades das comunidades africanas, contribuindo para reduzir a dependência de fontes poluentes. A decisão de manter uma força de trabalho feminina demonstra o compromisso da empresa com a diversidade e inclusão.

A produção local traz benefícios económicos e facilita a distribuição para outros países africanos. Essa abordagem inovadora diversifica o mercado de trabalho e impulsiona a distribuição de energia solar.

“Conseguimos obter a matéria-prima mais barata e podemos fabricar os produtos localmente o que reduz o preço”.

“Também facilita a distribuição pelos outros armazéns, no Malawi e em outros países de África”.

Afirmou René Salmon, Gerente de Produção da Ener-G-Africa, salientando que este painel solar gera 50 Whats, inclui uma Power Bank e um painel led e custa apenas 16 EUR.

O enorme crescimento da indústria solar sul-africana têm um preço elevado, a maioria dos painéis solares é importada. Só este ano já custou cerca de 550 milhões de Euros, a indústria solar cresceu sobretudo nos sectores empresarial e residencial, mas quem vive em assentamentos informais, sem acesso à rede elétrica, pode agora beneficiar também destes Painéis.

Com pequenas fábricas de painéis solares lideradas por mulheres, como a inaugurada pela Ener-G-Africa, a promessa de um futuro mais sustentável e igualitário está a materializar-se, uma célula fotovoltaica de cada vez.

 

Energia Sustentável


A Ener-G-Africa está a redefinir o paradigma da energia sustentável na África ao fabricar painéis solares mais compactos e acessíveis. Estes painéis prometem um futuro mais brilhante não só para os negócios e residências, mas também para os assentamentos informais, outrora às escuras.

Ao oferecer soluções energéticas acessíveis, a empresa não só ilumina casas, como também transforma vidas, como testemunhado por Robert Young, um, residente da localidade de Hawston que agora desfruta de uma nova era de possibilidades graças à energia solar.

“Estamos realmente limitados, até cozinhar é difícil, mas esta luz, se estiver totalmente carregada, dura toda noite”.

“Posso ler, limpar, fazer biscates, como reparar objetos e fazer coisas que antes não podia”.

Em meio de um panorama de desemprego elevado, estas iniciativas não fornecem apenas energia limpa, também geram oportunidades de emprego e desenvolvimento económico. À medida que a energia solar se torna cada vez mais acessível e viável, a visão de um continente africano autossuficiente e energeticamente independente está a tornar-se uma realidade tangível.

Além disso, empresas como a Ener-G-Africa, desempenham um papel crucial na democratização da energia solar em toda a região, catalisando uma transformação energética em grande escala e impulsionando o desenvolvimento sustentável no continente.

 

Desafios Energéticos


Apesar do notável crescimento da indústria solar na África do Sul, persistem desafios significativos devido à dependência de fontes não renováveis de energia. Especialmente considerando a crise energética enfrentada, essa dependência, expõe o país a vulnerabilidades energéticas, embora também ofereça oportunidades para uma transição para fontes mais limpas e sustentáveis.

A produção local de painéis solares, além de reduzir a dependência de importações caras, fortalece a resistência energética e proporciona uma alternativa viável e sustentável para os desafios energéticos, oferecendo também oportunidades para comunidades sem acesso à eletricidade

Ao investirem em tecnologias sustentáveis estas empresas contribuem para fortalecer a indústria e, ao fornecerem formação para o trabalho de instaladores de painéis solares, valorizam os indivíduos e as comunidades, impulsionando o desenvolvimento e a economia local, ao criarem novas perspectivas de trabalho.

“Quando ficamos certificados como instaladores de painéis solares, dá-nos uma oportunidade de carreira”.

Explicou Mogamat Sultan, um Instalador de Painéis Solares, formado e certificado pela ACES Africa.

A expansão da energia solar na África do Sul não só fornece energia limpa, como também cria oportunidades de emprego e de crescimento económico, com o sector privado, incluindo empresas como a ACES Africa, a desempenharem um papel crucial nesta transformação.

 

A Ascensão da Energia Solar


No entanto, a ascensão da energia solar na África do Sul não ocorre num vácuo. Mais de 80% da energia da África do Sul, é produzida por centrais elétricas a carvão. O envelhecimento das infraestruturas e a má gestão da empresa estatal Exon, têm levado a apagões. Há dias em que falta electricidade durante 10 horas.

A Exon detém há muito tempo o monopólio da venda de electricidade, mas o sector solar, espera que a crise energética esteja a forçar o governo a concentrar-se nas energias renováveis. É esse o parecer de André Gous, Director Geral da ACES Africa.

“Com a rede e a empresa de energia em dificuldades, eles não têm outra escolha senão promover a energia renovável”.

“Lentamente, as coisas estão a andar para promover as energias renováveis na África do Sul”, disse.

À medida que a indústria solar se expande aumentam as possibilidades, a ACES Africa, fornecedora de energia fotovoltaica integrada em edifícios, cria uma academia para formar e certificar instaladores de painéis solares. Num país, com quase 33% de desemprego estas oportunidades são definitivamente bem-vindas.

 

Um Futuro Sustentável


O sector privado é um dos principais impulsionadores da energia solar no país e viu-se obrigado a encontrar soluções para a grave crise energética. Um exemplo disso é uma fábrica do Grupo Magic Brands, onde se cozinham bolos, croissants e paizinhos que são congelados, armazenados e transportados para o comércio. Isso requer muita energia.

Há vários anos, a empresa instalou o seu primeiro painel solar e agora quer ir mais longe. Quem o diz é Bryce Wilkinson, um Engenheiro do Grupo Magic Brands.

“Começámos a utilizar a energia gerada ao longo do dia, sem ligar ao armazenamento, mas agora queremos instalar uma bateria de um Mega Watt que armazenará parte da energia que geramos com o painel solar”.

“Assim podemos abastecer-nos durante as horas de redução recarga”.

“Nos próximos anos pretendemos ser completamente autossuficientes e funcionar exclusivamente com as nossas baterias e com a energia solar”.

Actualmente, instalar energia solar, é um privilégio para grandes empresas, as mais pequenas não têm fundos para fazer esse investimento. Os principais fabricantes de painéis solares produzem painéis maiores destinados a projectos de grande escala e a instalações comerciais e residenciais de maior dimensão, enquanto os pequenos painéis solares destinados a África são muitas vezes inconsistentes e inferiores.

A Ener-G-Africa, mudou esse paradigma ao começar a fabricar um painel solar, quase 7 vezes mais pequeno que a maioria dos que se encontram no mercado e certificado pela TÜV Rheinland, o que proporciona às comunidades mais pobres de África terem acesso a energia solar com a certificação da mais alta qualidade disponível.

 

Conclusão


A ascensão da energia solar na África do Sul está a remodelar não apenas o panorama energético do país, mas também a narrativa em torno da inclusão de género e do desenvolvimento económico.

Iniciativas lideradas por empresas como a Ener-G-Africa e a ACES Africa estão a pavimentar o caminho para um futuro mais sustentável e igualitário, enquanto abrem portas para novas oportunidades de emprego e crescimento económico.

Estas empresas estão a impulsionar a independência energética do país e a oferecer soluções acessíveis e de alta qualidade para as comunidades locais, mas a parceria entre o sector privado, governo e sociedade civil é fundamental para acelerar a transição para as energias renováveis e garantir um futuro energético mais seguro e sustentável não só para os sul-africanos, mas para todo o continente africano

 

O que achas desta revolução na África do Sul? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 


Imagem: © 2023 Ener-G-Africa
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!