9.6 C
Londres
Sábado, Maio 25, 2024

Povos de África: Conheça os Himba da Namíbia

A saga dos Himba é uma inspiração, uma prova viva de que é possível preservar as nossas raízes sem deixar de olhar para o futuro.

Povos de África: Conheça os Himba da Namíbia.

Conhece os Himba da Namíbia? Não? Então vai ficar a conhecer.

África é um dos continentes com alguns povos que ainda mantêm as suas culturas intactas, ou quase.

Hoje, continuamos a série de vários artigos, sobre alguns destes povos de África (mas muito poucos) que conseguiram preservar as suas culturas intactas durante séculos.

Em áreas remotas e planícies ricas do continente, existem grupos de pessoas que continuam a viver pacificamente, sem depender de nenhuma das invenções que o mundo moderno tanto valoriza.

Trazemos aos nossos leitores algumas dessas comunidades cujas tradições, costumes e modo de vida têm resistido surpreendentemente ao teste do tempo e à força arrebatadora da modernização.

Embora discutível para uns, não podemos deixar de reconhecer a coragem dos que continuam a viver da maneira que os seus antepassados viveram há gerações.

 

Os Himba

A existência da tribo Himba remonta ao início do século XVI, quando migraram para o sul, cruzando a fronteira de Angola e se estabeleceram em Kaokoland (hoje conhecido como Kunene), onde vivem nos assentamentos dispersos da região, permanecendo fiéis às suas tradições e costumes de séculos.

Nessa época, ainda se identificavam como parte dos Herero, dos quais se separaram após uma epidemia bovina no final do século XIX, dando origem à identidade Himba.

Uma particularidade desse povo nessa altura, era o facto de usarem um sistema matriarcal, ou seja, quem mandava eram as mulheres e eram elas as donas das casas, dos filhos, do gado e de todos os apetrechos existentes na aldeia. Os homens limitavam-se a guardar o gado e a procriar, sendo as mulheres a fazer tudo o resto.

Hoje existem aproximadamente 30.000 a 50.000 membros deste grupo seminómada que se deslocam de acordo com o melhor local para pastagem do gado. Porém, geralmente retornam às mesmas aldeias todo ano.

 

Tradições e Costumes

Imagem © DR (202305014) Povos de África Conheça os Himba da Namíbia A
Uma casa tradicional Himba

As casas tradicionais dos Himba são estruturas arredondadas feitas de barro e esterco de vaca. Não é por acaso, já que essa mistura, ameniza a temperatura durante o dia e mantem o calor para as noites que são muito frias. A variação de temperatura nessa região é enorme, chegando aos 45 graus no verão e à sensação de congelamento no inverno.

A saudação tradicional utilizada é um aperto de mão, acompanhado com a frase “Moro, Perivi, Nawa” que significa respectivamente “Olá, Tudo bem? Bem!”. O idioma utilizado é o otjiherero, uma língua nígero-congolesa, falada pelos hereros na Namíbia, Angola e Botsuana.

Um dos traços mais marcantes da tribo Himba é o facto de as mulheres não poderem usar água para se lavarem. O hábito remonta às grandes secas que assolavam os antepassados, por isso a limpeza corporal é feita através do “banho diário de fumo”.

Elas colocam um pouco de carvão em uma pequena tigela de ervas e esperam que o fumo comece a subir, então curvam-se sobre a tigela e, devido ao calor, começam a transpirar. Para que a “lavagem” seja mais profunda, cobrem-se com um cobertor.

Homens e mulheres usam tanga de couro macio. As mulheres Himba são famosas pelos seus estilos de cabelo únicos e usam “otjize” – uma pasta de ocre vermelho, manteiga e gordura – que espalham no cabelo e na pele, fazendo os seus corpos brilharem de beleza.

Imagem © DR (202305014) Povos de África Conheça os Himba da Namíbia A
Uma mulher Himba a tratar do seu cabelo

Desde a puberdade, as mulheres trançam os cabelos e passam a aplicar essa pasta em todo o corpo, dando-lhes um tom avermelhado marcante. O “otjize” também protege a pele do sol, mas esta tradição é feita essencialmente por razões estéticas.

Há ainda o significado simbólico, unindo o vermelho da terra e do sangue que é o símbolo da vida.

 

O Deus Mukuru

A fé e a religiosidade constituem um pilar essencial na vida do povo Himba. A crença em Mukuru, a divindade suprema na sua cosmovisão, desempenha um papel central no seu quotidiano e na sua compreensão do mundo.

Mukuru é reverenciado como um ser supremo, uma força transcendental que governa todos os aspectos da vida. No entanto, a comunicação direta com Mukuru é considerada um privilégio reservado aos antepassados que, após a morte, se transformam em espíritos intermediários entre o povo Himba e Mukuru.

Para manter esta ligação espiritual viva, os Himba cultivam o “okuruwo“, o fogo sagrado, elemento que simboliza a presença constante de Mukuru e dos antepassados na comunidade. Este fogo é mantido aceso de forma contínua, sendo considerado o coração espiritual de cada aldeia Himba.

Imagem © DR (202305014) Povos de África Conheça os Himba da Namíbia A
A guardar o “okuruwo”, o fogo sagrado

Através do “okuruwo“, os Himba realizam rituais e cerimónias que honram os seus antepassados e pedem a intercessão deles junto a Mukuru. Estes rituais são momentos de profunda ligação com o divino, nos quais expressam os seus anseios, agradecimentos e pedidos de proteção e bênçãos.

Cada aspecto da vida dos Himba é permeado pela sua fé. Mesmo diante do ambiente desafiador do deserto em que habitam, conseguem manter vivas as suas tradições e sobreviver em comunidades relativamente isoladas. A sua resistência é, sem dúvida, reforçada pela sua profunda crença em Mukuru e pelo respeito às tradições ancestrais.

É interessante notar como a religião dos Himba reflete a sua profunda ligação com a natureza e a sua adaptação ao ambiente hostil em que vivem. Através da sua fé, encontram significado e propósito, mantendo uma harmonia com o mundo natural que os rodeia, numa demonstração de respeito e reverência pela criação divina.

O fogo sagrado “okuruwo“, a presença constante de Mukuru e a intercessão dos antepassados formam, assim, o cerne da espiritualidade Himba, uma herança que passa de geração em geração, mantendo viva a chama da sua identidade cultural.

 

Os Desafios Actuais dos Himba

Apesar da sua história marcada por provações, o povo Himba tem demonstrado uma resistência notável. No início do século XX, mais precisamente em 1904, foram vítimas de um genocídio brutal, perpetrado pelos colonizadores e pelo exército alemão, um evento que deixou cicatrizes profundas na memória coletiva dos Himba.

No entanto, o presente traz consigo novos desafios. Com o avanço da modernização e da globalização, o modo de vida tradicional dos Himba está cada vez mais sob pressão. Influências externas, como o turismo, o avanço de infraestruturas e o acesso à tecnologia, têm gerado impactos significativos na sua cultura e nos seus costumes.

Imagem © DR (202305014) Povos de África Conheça os Himba da Namíbia A
Mulheres Himba, fascinadas com a tecnologia do mundo moderno

Por um lado, a exposição ao mundo exterior tem trazido benefícios, como o acesso a cuidados de saúde, educação e bens materiais. Por outro lado, essa mesma exposição tem ameaçado a preservação das tradições ancestrais, provocando um choque cultural que tem levado muitos Himba a ponderar a continuação das suas tradições ancestrais.

Outro desafio enfrentado pelos Himba é a exploração dos seus territórios por empresas de exploração mineira e a consequente ameaça à subsistência das suas comunidades. A luta pelos direitos territoriais e pela preservação do meio ambiente é uma questão crucial para este povo que depende diretamente da terra e dos seus recursos para a sua sobrevivência.

Apesar destes desafios, os Himba têm demonstrado uma sobrevivência incrível. A sua capacidade de resistir e adaptar-se, mantendo ao mesmo tempo a sua identidade cultural e as suas tradições, é um testemunho do seu espírito indomável.

Este equilíbrio delicado entre a preservação do passado e a adaptação ao presente é um tema que suscita discussões, mas que atesta a força e a determinação deste povo extraordinário. A história dos Himba, é por isso, um exemplo vivo de que a cultura e as tradições de um povo podem sobreviver, mesmo diante dos desafios mais imponentes.

No entanto, a questão permanece: como podem os Himba, e outros povos indígenas, proteger a sua herança cultural num mundo em constante mudança? Esta é uma reflexão necessária para todos nós, pois a diversidade cultural é um património que enriquece toda a humanidade.

 

Conclusão

Ao longo dos séculos, os Himba têm demonstrado uma capacidade notável de resistir e adaptar-se às adversidades, sem nunca se afastarem das suas tradições profundamente enraizadas.

Este povo, apesar dos desafios impostos pela modernidade – como o crescimento do turismo, a expansão das infraestruturas, e a exploração dos seus territórios – procura um equilíbrio entre preservar a sua cultura e adaptar-se a um mundo em constante mudança.

A história dos Himba é uma lição de resistência e perseverança, um lembrete da importância da diversidade cultural e do respeito pelas diferentes formas de vida. Este povo permanece como um farol de tradição num mundo globalizado, continuando a escrever a sua história com coragem e determinação, enquanto enfrenta os desafios da modernidade.

A sua saga é uma inspiração, uma prova viva de que é possível preservar as nossas raízes sem deixar de olhar para o futuro.

Espero que esteja a gostar desta nossa jornada pelo fascinante universo dos povos de África. Acompanhe-nos nesta descoberta, onde cada artigo revelará mais sobre as suas tradições e a sua rica cultura. Até ao próximo artigo!

 

Achas-te interessante ficar a conhecer um pouco mais sobre a cultura dos Himba da Namíbia e sobre as suas tradições? Partilha connosco a tua opinião nos comentários e, não hesites em acrescentar informações sobre esta, ou outras culturas que conheças e, se gostaste do artigo partilha-o e deixa um “like/gosto”.

 

Veja Também:

Povos de África: Conheça os Dogon do Mali

Povos de África: Os Kara do Rio Omo

Imagem: © DR
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos

Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.

Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com