13 C
Londres
Domingo, Maio 26, 2024

Polemica na candidatura da Morna à UNESCO.

“O grande escândalo nacional é que parece que quase ninguém estudou o dossiê de candidatura da morna a património imaterial da humanidade” - Abraão Vicente, ministro da Cultura de Cabo Verde.

Polemica na candidatura da Morna à UNESCO.

O governo de Cabo Verde negou a existência de histórias falsas relacionadas com o processo de candidatura da morna como património mundial da UNESCO. Abraão Vicente, ministro da Cultura do país, afirmou que a classificação obtida em 2019 foi um “grande ganho” para a cultura cabo-verdiana.

Em resposta às declarações do músico Paulino Vieira, que afirmou que o dossiê da candidatura continha histórias falsas, o ministro afirmou que a candidatura foi construída com base na cientificidade e na capacidade técnica do Instituto do Património Cultural e foi validada pela UNESCO.

 

A polémica

A morna é um género musical típico de Cabo Verde, que surgiu em meados do século XIX, e é geralmente acompanhado por viola, cavaquinho, violino e piano, tendo o violão como “instrumento de excelência”. O estilo musical é considerado um símbolo da cultura cabo-verdiana, que une diversas gerações e classes sociais em torno da sua história e ritmos.

O governo de Cabo Verde tem defendido a importância da candidatura da morna como património mundial, destacando que ela é parte integrante da identidade do povo cabo-verdiano.

No entanto, o cantor e multi-instrumentista, Paulino Vieira, em entrevista efectuada este fim de semana à agência Lusa, afirmou que o dossiê “tem histórias falsas”, nomeadamente “gravações em que estão pessoas a tocar”, mas que disse que era ele a tocar.

“Um documento aprovado mundialmente, sendo nele descoberto três falácias, já dava direito a ser desclassificado. A UNESCO foi e é e continuará a ser irresponsável por ter aprovado um folclore que não conhece”.

“A morna passou a ser uma vítima de um flagrante, em que a sua história está falsificada e defraudada num documento que foi aprovado mundialmente”.

“Quando trabalhei a morna, não o fiz para ser património da humanidade, mas para ser respeitada em qualquer parte do mundo”.

“Não precisava ser património do Estado, porque o próprio cidadão cabo-verdiano tinha por direito defender a sua morna”.

Apontou Paulino Vieira, na entrevista à Lusa.

 

A Resposta

Em resposta, O ministro da Cultura de Cabo Verde, Abraão Vicente, referiu que considerando que “se fosse fácil alguém já o teria feito antes” e relembrou que a candidatura não se baseou apenas na história da Cesária Évora, mas sim na história do povo cabo-verdiano, incluindo o quotidiano de pessoas humildes como pescadores, carpinteiros e pedreiros.

Estamos a falar de uma opinião, do IPC [Instituto do Património Cultural], de todo o quadro técnico que fez a candidatura da morna, da UNESCO, de todos os especialistas internacionais que validaram a candidatura da morna”, insistiu, dizendo, por isso, tratar-se apenas de uma opinião.

“Devo dizer taxativamente que é falso, porque a validação da candidatura é feita com base em testemunhos e a aceitação de quem pratica o género”.

“O grande escândalo nacional é que parece que quase ninguém estudou o dossiê de candidatura da morna a património imaterial da humanidade”.

“Quatro anos depois, as pessoas ainda insistem em falar de uma candidatura da morna, como se tivesse sido uma coisa abstrata”.

Segundo o ministro a candidatura foi construída com base na cientificidade e na capacidade técnica do IPC, na capacidade da consultoria e validada pela UNESCO, uma agência das Nações Unidas.

 

Paulino Vieira e a Morna

Paulino Vieira, um dos mais renomados artistas cabo-verdianos, é um dos nomes mais importantes da morna. Além de cantor, Vieira é também compositor, arranjador e produtor, tendo tocado vários instrumentos em sua carreira, incluindo piano, guitarra, cavaquinho, percussão e harmónica.

Vieira afastou-se dos grandes espetáculos em 1996, continuando, no entanto, a criar a sua música que, afirmou, é do mundo e não tem fronteiras. Cantor, compositor, arranjador e produtor, toca vários instrumentos, tendo-se destacado no piano, guitarra, cavaquinho, percussão e harmónica.

Recentemente, Vieira apresentou um espetáculo no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, em que mostrou a versatilidade que o caracteriza, num espectáculo dedicado aos trabalhadores. O músico tem um vasto repertório de músicas inéditas, que segundo ele, não têm fronteiras e são destinadas a todas as pessoas que partilham a sua genialidade.

 

Conclusão

Polémicas à parte, o reconhecimento da morna como património mundial é visto como uma conquista importante para Cabo Verde que tem sido reconhecido internacionalmente pela sua rica tradição cultural. A candidatura da morna foi aprovada pela UNESCO em 2019, tornando-se a primeira expressão cultural de Cabo Verde a receber essa distinção.

O que achas desta polémica em torno da candidatura da Morna? Concordas com a posição do Paulino Vieira? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Imagem: © 2018 Augusto Brázio
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com