11.3 C
Londres
Sábado, Maio 25, 2024

BRICS Vai Ser Uma Nova Força Geopolítica

O grupo BRICS - formado pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul - emerge como uma nova força geopolítica, desafiando o status quo e moldando a nova ordem mundial

BRICS Vai Ser Uma Nova Força Geopolítica.

No complexo tabuleiro global, as peças estão a ser reposicionadas e os protagonistas estão a mudar. O grupo BRICS – formado pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – emerge como uma nova força geopolítica, desafiando o status quo e moldando a nova ordem mundial.

A expansão recente do grupo para incluir nações como Egito, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Argentina, Irão e Etiópia está a remodelar a dinâmica geopolítica global, estabelecendo as bases para uma nova ordem mundial. Esta expansão está a redefinir o equilíbrio de poder global e os desafios e oportunidades que surgem desse novo panorama são vantajosos para o grupo.

 

Origem do BRICS e a Sua Evolução

Imagem © 2013 BRICS (20230824) BRICS Vai Ser Uma Nova Força GeopolíticaO BRICS, inicialmente composto pelo Brasil, Rússia, Índia e China (a África do Sul juntou-se posteriormente, acrescentando o S), não é apenas um acrónimo cativante. Originou-se em 2009, quando os líderes dessas nações reconheceram a necessidade de contrabalançar o domínio ocidental.

Ao longo dos anos, este grupo, transformou-se numa aliança colaborativa com o poder de influenciar os rumos da política internacional e transcendeu as iniciais que o definem.

Enquanto potências emergentes, estas nações partilham a aspiração de construir um mundo multipolar, onde a voz das economias em desenvolvimento é amplificada. O BRICS surge como uma alternativa à predominância das nações ocidentais, redefinindo o equilíbrio de poder.

Desta forma, o BRICS transcende as suas diferenças culturais e políticas, convergindo em torno do objetivo de remodelar a geopolítica global. Através de cimeiras anuais, acordos comerciais e projetos conjuntos, o grupo cria uma sinergia que fortalece a sua influência nas decisões globais.

 

Motores da Expansão do BRICS

A expansão do BRICS é impulsionada por duas potências: a China e a Rússia. Estes dois actores desempenham papéis cruciais na transformação do BRICS de um grupo promissor para uma força geopolítica efetiva.

A China emergiu como um pilar do BRICS devido à sua economia robusta e estratégia geopolítica ambiciosa. Investindo em infraestruturas globais e promovendo a cooperação comercial, a China fortalece a influência coletiva do BRICS nos mercados internacionais.

Para a Rússia, o BRICS oferece uma oportunidade de diversificar alianças e minimizar o isolamento geopolítico. Através do BRICS, a Rússia solidifica laços com parceiros-chave, como a China, enquanto amplifica a sua voz nas discussões globais.

 

Desafios e Estratégias

A 15ª Cúpula dos BRICS marcou um momento crucial para o grupo. Com a expansão em pauta, os líderes destas nações discutiram a possibilidade de adicionar novos membros ao bloco. Esta decisão representa uma resposta assertiva às mudanças na ordem mundial, onde as nações dos BRICS estão à procura de uma plataforma mais ampla para expressar suas perspetivas e interesses.

A expansão do BRICS não é isenta de desafios. A diversidade de contextos políticos, económicos e culturais dos novos membros exige uma estratégia diplomática hábil para manter a coesão e a eficácia do grupo.

A inclusão de nações com históricos e interesses distintos introduz desafios na tomada de decisões conjuntas. Gerir diferenças ideológicas e agendas nacionais requer uma abordagem diplomática sensível para garantir que o BRICS permaneça coeso.

A diplomacia é por isso, o alicerce do BRICS. Através de negociações minuciosas, os membros do grupo trabalham para alcançar consensos em questões complexas. Esta abordagem reforça a legitimidade das decisões tomadas e fortalece a unidade do BRICS.

 

BRICS vs. G7

A cimeira dos BRICS na África do Sul reflete a determinação do grupo em desafiar o domínio ocidental nas questões globais.

A comparação entre o grupo G7, composto por sete países industrializados e o BRICS destaca a crescente importância do grupo. Com mais de 42% da população mundial, 30% do território do planeta, 23% do PIB global e 18% do comércio global, o BRICS está-se a consolidar como um rival em grande escala para o G7.

Um tema de destaque na cimeira foi a discussão sobre a “desdolarização“, onde os países membros optariam por utilizar as suas moedas nacionais nas suas transações, reduzindo a dependência do dólar americano.

A Índia expressou a sua intenção de promover a rupia indiana nesse sentido, enquanto a possibilidade de uma “moeda única” também foi debatida. Essas medidas visam fortalecer a autonomia financeira dos países do BRICS e promover uma ordem multipolar.

Imagem © 2013 BRICS (20230824) BRICS Vai Ser Uma Nova Força GeopolíticaCom a adição de seis novos países – Argentina, Egito, Irão, Etiópia, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos – o BRICS amplia a sua influência e alcance. Esta expansão não apenas fortalece a coligação, mas também evidencia a procura por uma nova ordem mundial mais inclusiva.

Mais de 60 líderes globais foram convidados para a cimeira, incluindo os presidentes de Cuba e da Bolívia, além de dignitários de organizações internacionais como a ONU e a União Africana.

Isto ressalta a relevância internacional do BRICS e a diversidade de vozes que contribuem para a discussão de temas globais. A participação de líderes de diferentes continentes também fortalece a posição do BRICS como uma força geopolítica global.

 

Impacto Geopolítico do BRICS

A entrada de novos membros no BRICS almeja transformar a geopolítica global e abalar as estruturas de poder estabelecidas. O BRICS não é apenas uma aliança económica, mas também um agente de mudança no cenário internacional.

A inclusão de nações do Médio Oriente, da América do Sul e de África expande a influência geográfica do BRICS. Estes novos membros não apenas trazem mercados emergentes para a mesa, mas também contribuem para uma distribuição mais equilibrada de poder nas relações internacionais.

A ascensão do BRICS desafia a hegemonia tradicional das nações ocidentais, criando um ambiente onde a voz das economias em desenvolvimento é cada vez mais relevante. Isto sinaliza um deslocamento gradual das dinâmicas globais de poder.

 

Perspectivas do Brasil e a Vanguarda Sul-Americana

O Brasil, como membro fundador do BRICS, desempenha um papel central na sua evolução. A posição do Brasil em relação à expansão do grupo reflete a sua própria transformação política e económica.

A abordagem inicialmente cautelosa do Brasil em relação à expansão do BRICS evoluiu para uma posição de apoio activo. Esta mudança reflete não apenas a mudança de liderança política, mas também a compreensão das oportunidades que uma aliança global diversificada oferece.

O BRICS proporciona ao Brasil e à América do Sul como um todo, a oportunidade de se posicionar como protagonistas nas discussões globais. A inclusão da Argentina e outros países da região amplia a representação sul-americana, fortalecendo a influência regional e global do BRICS.

 

Conclusão

À medida que o BRICS alarga as suas fronteiras e estende a sua influência, está a pavimentar o caminho para uma nova ordem mundial. Através da sua coesão, a diversidade dos seus membros e o compromisso de moldar a geopolítica global de forma mais justa e equitativa, o BRICS emerge como um ator geopolítico transformador.

A ascensão do BRICS transcende as barreiras geográficas e culturais, impulsionando a cooperação entre economias em desenvolvimento para além do campo económico.

O BRICS não é apenas uma sigla; é uma força dinâmica que desafia as normas estabelecidas e cria um novo capítulo na história geopolítica. À medida que o grupo continua a moldar as relações internacionais, a sua influência só se intensificará, redefinindo o cenário global de maneira palpável.

 

O que achaste desta cimeira do BRICS? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Imagem: © 2023 BRICS
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos

Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.

Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com