9.6 C
Londres
Sábado, Maio 25, 2024

Sahel: França Vai Embora, Entra A Rússia

"África parece um corpo inerte onde cada abutre vem debicar o seu pedaço" – Dr. António Agostinho Neto, primeiro Presidente de Angola.

Sahel: França Vai Embora, Entra A Rússia.

A retirada das forças militares francesas do Sahel, em particular do Níger, foi um enorme revés para o presidente Macron que, claramente, ambicionava estabelecer uma nova relação com os países africanos e marca um ponto de viragem nas relações geopolíticas na região ao acender os holofotes sobre os esforços de expansão de influência de outras potências globais.

O presidente Emmanuel Macron enfrenta um dilema político à medida que a França abandona a sua presença militar em face da crescente instabilidade na África Ocidental. Esta retirada cria uma oportunidade significativa para a Rússia, que, por meio do grupo paramilitar Wagner, procura preencher o vácuo deixado pela França, sinalizando uma mudança nas dinâmicas de poder na região.

Em 1978, durante o Plenário da Cimeira da OUA, o saudoso Dr. António Agostinho Neto, disse no seu discurso:

“África parece um corpo inerte onde cada abutre vem debicar o seu pedaço”.

Até hoje ninguém foi tão profético.

 

A Nova Geopolítica Africana

O fim da operação Barkhane, em Novembro de 2022, e os golpes militares em vários países africanos aceleraram a retirada francesa, ao mesmo tempo que a presença jihadista persiste no Sahel e a Rússia, através do grupo paramilitar Wagner, estende os seus tentáculos – apesar da participação de outros actores como os Estados Unidos e a China.

“Não estamos aqui para ficar nas mãos dos golpistas. Os golpistas são aliados da desordem”.

Lamentou um desapontado Emmanuel Macron ao anunciar na televisão a retirada da representação diplomática da França do Níger, bem como das forças militares presentes em duas bases.

“Estou muito preocupado com esta região”.

Afirmou o presidente francês, indicando que os ataques dos grupos islamistas estavam a causar “dezenas de mortes todos os dias no Mali” após o golpe de Estado, e que agora esses ataques recomeçaram no Níger.

“A França, por vezes sozinha, assumiu todas as suas responsabilidades, e estou orgulhoso dos nossos militares. Mas não somos responsáveis pela vida política destes países, e assumimos todas as consequências”, disse ele.

Para Macron, isso representa uma derrota política evidente. No início deste ano, ele tinha anunciado uma nova política de cooperação militar em África, mas o projeto de reformular a presença francesa no Sahel parece comprometido depois de três países exigirem a retirada das tropas francesas.

 

Instabilidade Africana no Sahel

Imagem © DR (20230929) Sahel - França Vai Embora, Entra A RússiaO investigador Fahiraman Rodrigue Kone, do Instituto de Estudos de Segurança (ISS), afirmou que:

“A França não soube retirar-se no momento certo e quis continuar a desempenhar o papel de líder, num contexto em que mudou consideravelmente o ambiente sociológico”.

Uma fonte diplomática que pediu para não ser identificada também disse à agência francesa que Paris estava a colher as consequências de uma “hipermilitarizarão da relação com a África“, num momento em que as crises mais prementes no continente envolviam segurança, pobreza e meio ambiente.

“O Mali foi um grande golpe, sabíamos que estávamos diante de uma tendência importante. Há anos que vemos esta onda aumentar”.

“A França sentiu que estava a perder a sua posição, mas permaneceu em negação e atordoada”, disse.

A instabilidade política tem sido uma característica da vida de muitos países africanos nos últimos anos, em particular na região do Sahel, com uma série de golpes de Estado e tentativas de golpe em várias nações.

Os factores que levaram ao fim abrupto da ordem estabelecida são diversos, mas, de forma geral, a tendência é que o antigo colonizador está a retirar-se enquanto outros actores procuram preencher o vácuo.

A Rússia, por meio dos mercenários da empresa militar privada Wagner, apresenta-se como o país mais apto para preencher esse vazio. Já estão presentes em vários países africanos, incluindo a República Centro-Africana, Mali, Sudão, Líbia, Moçambique e Madagáscar, segundo o think tank GIS.

No entanto, até ao momento, especialistas não veem a mão russa no Burkina Fasso e no Níger. Além das táticas diretas, como o bloqueio das resoluções da ONU que condenam violações dos direitos humanos pelos regimes africanos e interferência em eleições, a Rússia também está envolvida em negócios de comércio de armas em troca de recursos naturais.

 

A Redefinir a Presença Francesa no Sahel

Com a retirada das forças francesas do Mali, da República Centro-Africana e do Burkina Fasso, restam ainda forças francesas no Chade, onde Paris mantém uma base aérea e um quartel-general de contraterrorismo em Jamena. No entanto, a presença dos mil militares franceses também foi alvo de protestos no Chade.

Fora do Sahel, as tropas francesas estão presentes no Djibuti, no Senegal, na Costa do Marfim e no Gabão, mas é provável que devido aos mais recentes acontecimentos, que a situação se altere.

“Por enquanto, não há nenhum lugar onde haja riscos específicos. Contudo, é certo que a legitimidade da presença militar francesa em África é atualmente quase nula”.

Comentou Thierry Vircoulon, investigador do Instituto Francês de Relações Internacionais (Ifri). Este especialista acredita que pode haver um anúncio de uma redução mais ampla, ou mesmo o encerramento, das bases militares francesas em África.

A Rússia, através das suas atividades na região, está a ganhar terreno e a aumentar a sua influência, aproveitando as oportunidades criadas pela retirada da França. Isso levanta questões sobre o futuro do Sahel e de África, à medida que novos actores entram em cena e os antigos deixam o palco.

“Tirem as mãos de África! Parem de sufocar África: não é uma mina a ser explorada, nem uma terra a ser saqueada” – Papa Francisco

 

A Cooperação Russa

Imagem © DR (20230929) Sahel - França Vai Embora, Entra A RússiaÉ preciso não esquecer que apesar das sanções internacionais impostas a Moscovo devido ao conflito na Ucrânia e do bloqueio económico, a Rússia continua a fornecer cereais e alimentos para muitos países africanos, especialmente para a região do Sahel.

O presidente russo, Vladimir Putin, enfatizou a importância de manter essa presença e continuar a fornecer suprimentos para o desenvolvimento socioeconómico e a estabilidade política dos Estados africanos.

Durante o Segundo Encontro Rússia-África, realizado este ano 2023, em São Petersburgo, ele prometeu aumentar a cooperação com os países africanos em sectores como a energia, medicina e educação, entre outros, demonstrando o desejo da Rússia de fortalecer os seus laços com o continente africano.

 

Conclusão

A retirada francesa do Níger e de outras áreas do Sahel sublinha as complexas transformações geopolíticas em curso no continente africano.

Enquanto Emmanuel Macron lamenta esta retirada como uma derrota política, a expansão das atividades russas na região, apesar dos desafios geopolíticos e das sanções internacionais, sugere que a Rússia está determinada a desempenhar um papel de destaque no panorama africano.

No entanto, a incerteza sobre o futuro do Sahel persiste, à medida que novos actores competem pela influência na região. O desfecho destes desenvolvimentos terá implicações significativas para a estabilidade e o equilíbrio de poder na África Ocidental.

 

O que achas desta situação? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Ver Também:

Ex-Colónias Francesas: Os Golpes De Estado

O Futuro da Paz e da Estabilidade no Sahel

Imagem: © DR 
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos

Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.

Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com