16.7 C
Londres
Domingo, Maio 26, 2024

Morreu Tina Turner a Rainha do Rock ‘n’ Roll

“Com ela (Tina Turner), o mundo perde uma lenda da música e um exemplo a seguir”.

Morreu Tina Turner a Rainha do Rock ‘n’ Roll.

A icónica cantora Tina Turner, a lendária Rainha do Rock ‘n’ Roll, faleceu pacificamente, aos 83 anos, após doença prolongada, esta quarta-feira, 24 de Maio de 2023 na sua casa em Küsnacht, perto de Zurique, Suíça.

“A poderosa cantora de voz rouca que superou o abuso doméstico e a indiferença da indústria para emergir como uma das intérpretes mais arrojadas, energéticas e inspiradoras do rock e soul, faleceu hoje”.

Afirmou a sua família em um comunicado, onde também se lê:

“Com ela, o mundo perde uma lenda da música e um exemplo a seguir”.

 

Tina Turner

Desde as suas performances com o seu ex-marido Ike, Tina Turner injetou uma presença de palco desinibida e explosiva no cenário pop. Mesmo com backing vocal coreografado – tanto com Ike como durante a sua carreira a solo – Tina Turner nunca pareceu contida.

A sua influência no rock, R&B e soul foi também imensurável. A sua forma de cantar influenciou desde Mick Jagger até Mary J. Blige, e a sua presença de palco de alta energia (com uma variedade de perucas que desafiavam a gravidade) foi transmitida a artistas como Janet Jackson e Beyoncé.

A mensagem de Tina Turner – uma mensagem que ressoou com gerações de mulheres – era de que ela podia se destacar no palco ao lado de qualquer homem.

Mas o legado de Tina Turner ia além, e envolvia um homem muito mais complexo. Durante seu tempo com Ike – um líder de banda e guitarrista exigente e frequentemente viciado em drogas – Tina Turner era frequentemente espancada e humilhada.

A sua subsequente renovação, iniciada com O seu grande sucesso de 1984, “Private Dancer” que lhe rendeu diversos prémios Grammy, tornou-a um símbolo de sobrevivência e renovação.

 

As Origens

Nascida Anna Mae Bullock a 26 de Novembro de 1939, Tina Turner cresceu em Nutbush, Tennessee, uma área rural não incorporada do Condado de Haywood, imortalizada na sua canção “Nutbush City Limits”.

De acordo com Tina Turner, a sua família eram “agricultores abastados” que viviam bem com o negócio de arrendamento de terras. Ainda assim, Tina Turner e a sua irmã mais velha, Ruby Aillene, lidavam com questões de abandono quando os seus pais saíram para trabalhar em outros lugares.

“Os meus pais não se amavam, então eles estavam sempre a discutir”.

Lembrou Tina Turner em uma entrevista para a Rolling Stone em 1986. A sua mãe foi embora quando Tina tinha 10 anos para viver em St. Louis; o seu pai foi embora três anos depois. Tina Turner mudou-se para Brownsville, Tennessee, para viver com a sua avó.

Após concluir o ensino secundário, Tina Turner deu início à a sua carreira como auxiliar de enfermagem, com a esperança de seguir essa profissão. Frequentemente, Tina Turner e a sua irmã frequentavam clubes noturnos em St. Louis e East St. Louis, onde tiveram a oportunidade de assistir às performances de Ike Turner, líder da banda Kings of Rhythm.

 

O Inicio

Imagem: © 1958 DR (20230525) Morreu Tina Turner a Rainha do Rock ‘n’ Roll
Anna Mae Bullock (Tina Turner): fotografia do anuário da Sumner High School, 1958 – Imagem: © 1958 DR

Aos 18 anos, ela encantou-se pelo guitarrista oito anos mais velho e pela música do grupo. Em uma noite, quando estava na plateia, o baterista passou o microfone para Tina Turner, convidando-a a ser a vocalista convidada do grupo. Assim, com “Little Ann”, ela cantou ao lado de Carlson Oliver na música “Box Top”, a sua primeira gravação em estúdio.

Em 1958, no mesmo ano em que “Box Top” foi lançada, Tina Turner deu à luz o seu primeiro filho, Raymond Craig, fruto de seu relacionamento com Raymond Hill, saxofonista dos Kings of Rhythm. Pouco depois, Tina foi morar com Ike para ajudar a criar os dois filhos do músico após a separação dele da sua mãe.

Surgiu então uma relação sexual entre eles, embora Tina Turner tenha afirmado em uma entrevista de 1984 que, inicialmente, não sentia atração por Ike:

“Eu gostava dele como um irmão”. “Eu não queria um relacionamento. Mas acabei por me apaixonar”.

Inspirada pelo filme “Sheena, a Rainha da Selva”, Tina Turner mudou seu nome artístico a pedido de Ike.

Em 1960, Ike e Tina Turner lançaram seu primeiro single, “A Fool in Love”. Foi um sucesso imediato, alcançando o Top 30 da Billboard Hot 100. No ano seguinte, eles lançaram outro single de sucesso, “It’s Gonna Work Out Fine” que lhes rendeu a primeira indicação ao Grammy de Melhor Performance de Rock and Roll.

Os “Ike and Tina Turner Revue” mantiveram uma agenda de espetáculos intensa como parte do circuito de clubes de música negra no início dos anos 60 e ganharam fama pela qualidade dlos seus espetáculos e pela diversidade de públicos que conseguiam atrair no sul dos Estados Unidos.

“O sucesso e o medo vieram quase de mãos dadas”.

Afirmou Tina Turner, mencionando especificamente o medo de Ike de perdê-la após o lançamento de “A Fool in Love”. Ike continuou a envolver-se com outras mulheres e Tina tinha consciência de que as suas músicas frequentemente falavam dos seus relacionamentos sexuais com outras pessoas.

Em um determinado momento, ela recusou-se a viajar e cantar as suas músicas. A primeira vez que o fez, ele começou a bater-lhe com um alargador de sapatos. No entanto, ela permaneceu ao seu lado:

“Eu sentia-me ligada a Ike e não queria magoá-lo”.

“Sabia que se fosse embora, não haveria ninguém para cantar”.

“Então, fiquei presa na culpa. Quer dizer, às vezes, depois que ele me batia, acabava por ficar com pena dele”.

“A verdade, é que na época, eu não conseguia ver uma saída”.

“No entanto, tudo mudou quando decidi ganhar coragem e dar um ‘basta’ naquela situação insuportável”.

Afirmou Tina Turner, numa entrevista dada à revista Rolling Stone.

 

Ike & Tina Turner

Imagem: © 1965 Chris Walter (20230525) Morreu Tina Turner a Rainha do Rock ‘n’ Roll
Ike e Tina Turner em Londres em 1965 – Imagem: © 1965 Chris Walter

Em 1962, em Tijuana, deu-se a oficialização da relação matrimonial entre Ike e Tina Turner, a sexta união para Ike. Nessa altura, a carreira de ambos, agora conhecidos como Ike & Tina Turner, mostrava um progresso notável. Contudo, oculto além dos palcos e das luzes do estrelato, habitava uma realidade violenta e abusiva.

Por volta de 1966, a dupla participou num reconhecido programa de televisão, “The TNT Show”, tendo como director musical Phil Spector. Este produtor notório assinou com Ike e Tina e produziu “River Deep – Mountain High”. Ainda que a música não tenha alcançado o sucesso esperado, abriu caminho para novas oportunidades.

Em 1969, o casal fez a primeira parte dos concertos dos Rolling Stones durante a sua digressão pelos Estados Unidos. Nesse mesmo ano, conseguiram um êxito crossover com uma versão da canção “Proud Mary”, dos Creedence Clearwater Revival, que ganhou um Grammy. Em 1975, Tina Turner teve a oportunidade de participar no filme de Ken Russell, “Tommy”, baseado na obra dos The Who.

 

O Fim de um Casamento Tóxico

Ao mesmo tempo que estes êxitos se acumulavam, o casamento entre Ike e Tina começou a desmoronar-se. Ike tornou-se cada vez mais abusivo e dependente de cocaína. Tina já tinha tentado por diversas vezes separar-se dele e, em 1968, chegou mesmo a tentar o suicídio, desesperada por se afastar daquela relação.

Finalmente, após um episódio de violência extrema, Tina fugiu para um hotel em Dallas, onde se encontravam para um espectáculo. Com a ajuda da sua amiga, a actriz Ann-Margret, conseguiu dinheiro para um bilhete de avião até Los Angeles. O divórcio foi finalizado em 1976.

 

Tina Turner: A Carreira a Solo

Imagem: © 1978 DR (20230525) Morreu Tina Turner a Rainha do Rock ‘n’ Roll
Tina Turner em 1978 – Imagem: © 1978 DR

Apesar da sua voz distinta e das suas conquistas musicais ao lado de Ike, Tina Turner teve dificuldades em estabelecer-se como artista a solo. Os seus primeiros álbuns a solo, começando com “Tina Turns the Country On!” em 1974, não conseguiram grandes sucessos.

Para manter a sua visibilidade numa indústria que parecia querer deixá-la de lado, participou em programas de televisão de baixa qualidade e em programas de jogos, como o Hollywood Squares.

O renascimento de Tina Turner começou em 1982, quando foi convidada pela banda britânica de synth-pop Heaven 17 para uma nova versão de “Ball of Confusion”. Esta música levou a um novo contrato com a Capitol Records, que, juntamente com o apoio do seu amigo David Bowie, permitiu a Tina gravar o seu álbum de estreia na Capitol, “Private Dancer”.

Refletindo a maneira como ela e Davies queriam integrar sintetizadores e toques de produção mais contemporâneos, gravaram músicas como “What’s Love Got to Do With It” do compositor britânico Terry Brittan. Embora Tina não tenha gostado da demo da música, acabou por ser convencida a deixá-la integrar o álbum, com uma versão “um pouco mais áspera, com arestas mais afiadas“.

O álbum esteve três semanas nas listas dos tops, tornou-se um sucesso na MTV algo que raramente acontecia com veteranos dos anos 60. Ao recusar um som retro e destacar a sua voz de uma maneira que não era feita há pelo menos uma década, “Private Dancer” apresentou Tina a uma nova audiência mais jovem.

Imagem: © 1985 DR (20230525) Morreu Tina Turner a Rainha do Rock ‘n’ Roll
Tina Turner nos Grammy Awards de 1985 – Imagem: © 1985 DR

“What’s Love Got to Do With It” ganhou três prémios Grammy (incluindo Gravação do Ano e Performance Vocal Pop Feminina). Em outro sinal de a sua determinação, ela cantou a música ao vivo durante a cerimónia da MTV, apesar de estar engripada.

O triunfo de “Private Dancer” foi apenas o começo do retorno de Tina Turner à cultura pop. No ano seguinte, estrelou no filme “Mad Max Além da Cúpula do Trovão” como a vilã Tia Entity, ao lado de Mel Gibson, e teve mais um sucesso com a música “We Don’t Need Another Hero (Thunderdome)”.

Além disso, ela participou na famosa sessão “We Are the World” e brilhou no palco do Live Aid ao lado de Mick Jagger.

 

A Autobiografia de Tina Turner

Em 1986, publicou a sua primeira autobiografia, “Eu, Tina”, escrita em colaboração com o jornalista Kurt Loder que se tornou imediatamente um best-seller. O livro não só revelou detalhes íntimos do seu casamento abusivo com Ike, mas também deu esperança a outras vítimas de violência doméstica.

“Não quero mais viver com medo”.

“Pensava que precisava do casamento para conseguir o que queria na vida, mas estava errada”.

“Percebi que poderia conquistar tudo o que quisesse sem depender de um homem”.

Pode-se ler na sua autobiografia.

 

O Fim da Jornada

Imagem: © 1997 Paul Natkin (20230525) Morreu Tina Turner a Rainha do Rock ‘n’ Roll
Tina Turner no World Music Theatre, em Tinley Park, Illinois, em 1997 – Imagem: © 1997 Paul Natkin

Em 1989, lançou outro álbum de grande sucesso, “Foreign Affair”, que incluía uma versão de “The Best” de Bonnie Tyler. Durante a década seguinte, a carreira de Tina Turner continuou a ser validada com prémios e reconhecimentos.

Em 1993, a autobiografia de Tina Turner, “Eu, Tina”, foi adaptada para o cinema no filme “What’s Love Got to Do with It”, protagonizado por Angela Bassett como Tina e Laurence Fishburne como Ike. A canção “I Don’t Wanna Fight”, gravada para a banda sonora do filme, tornou-se o último grande sucesso de Tina nas tabelas musicais.

Angela Bassett, nomeada para o Óscar de Melhor Atriz pela sua interpretação de Tina, afirmou num comunicado após o falecimento da cantora:

“Como nos despedimos de uma mulher que enfrentou a sua dor e trauma e os utilizou como uma forma de ajudar a mudar o mundo?”

“Através da sua coragem em contar a sua história e do seu compromisso em seguir em frente na vida, independentemente dos sacrifícios”.

“E também através da sua determinação em abrir espaço no rock ‘n’ roll para si mesma e para outros que se parecem com ela”.

“Tina Turner mostrou àqueles que viviam com medo, como é que um futuro belo, cheio de amor, compaixão e liberdade deveria ser”.

Tina Turner continuou a receber prémios Grammy ao longo dos anos, incluindo reconhecimentos por músicas como “Better Be Good to Me”, álbuns ao vivo como “Tina Live in Europe” e a sua participação no álbum tributo a Joni Mitchell de Herbie Hancock em 2007, intitulado “River: The Joni Letters”, no qual teve a oportunidade de interpretar a música “Edith and the Kingpin” de Mitchell.

Além disso, embarcou numa digressão mundial, a “Tina!: 50th Anniversary Tour”, em 2008, celebrando os seus 50 anos de carreira. Esta digressão marcou um momento importante na sua vida, onde teve a oportunidade de retribuir todo o amor e apoio que recebeu ao longo dos anos dos seus fãs.

 

Aposentação

Em 2013, decidiu-se pela aposentação dos palcos, concluindo a carreira musical com uma última digressão, a “Tina Turner: Live in Concert”. Foi uma despedida emocionante, onde teve a oportunidade de se ligar aos seus fãs pela última vez e expressar a sua gratidão por todo o apoio ao longo dos anos.

Desde então, desfrutou de uma vida mais tranquila e focada no seu bem-estar pessoal. Mudou-se para a Suíça, onde encontrou paz e tranquilidade em meio às belas paisagens naturais afirmando estar grata por ter tido a oportunidade de partilhar a sua jornada. A sua história de superação e resistência continua a inspirar muitas pessoas em todo o mundo.

 

Conclusão

Embora a sua carreira musical tenha sido marcada por altos e baixos, desafios e triunfos, a sua mensagem permanece a mesma: seja corajoso, siga os seus sonhos e nunca desista, mesmo diante das adversidades. A sua vida é prova de que é possível superar as dificuldades e alcançar a felicidade e a realização pessoal.

Tina Turner, a “Rainha do Rock and Roll”, deixou um legado duradouro na indústria da música. a sua voz poderosa, energia contagiante no palco e a sua história de coragem continuarão a inspirar gerações futuras. A música perdeu uma verdadeira lenda, mas o seu espírito e impacto viverão para sempre através das suas canções atemporais e da sua jornada inspiradora.

 

Conhecias a vida e a carreira de Tina Turner? A sua jornada prova que é sempre possível superar adversidades e alcançar o sucesso. Partilha a sua história com os teus amigos, para que mais pessoas possam ser inspiradas pela sua força. E não te esqueças, a tua opinião é extremamente valiosa para nós. Não hesites em deixar o teu comentário e partilhar as tuas reflexões. Se gostaste do artigo e o achaste informativo e relevante dá-lhe um “like/gosto”. Queremos continuar a fornecer conteúdos que te interessem e a tua participação ajuda-nos a fazê-lo.
Imagem: © 1969 Jack Robinson / Hulton Archive
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos

Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.

Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com