4.8 C
Londres
Segunda-feira, Abril 22, 2024

Etiópia: 10,000 Vítimas de Violência Sexual

"Há relatos alarmantes de violações dos direitos de civis, na região de Amhara e de atrocidades contínuas, no Tigray” - Mohamed Chande Othman, presidente da comissão internacional de especialistas em direitos humanos sobre a Etiópia.

Etiópia: 10,000 Vítimas de Violência Sexual.

Especialistas em direitos humanos apoiados pelas Nações Unidas afirmam que os crimes de guerra, continuam na Etiópia, apesar de um acordo de paz assinado há quase um ano, para encerrar um conflito que envolveu a região norte da Tigray no país. A violência afetou pelo menos 10.000 pessoas com casos de violência sexual, na maioria mulheres e raparigas que continuam a ser perseguidas e abusadas.

Eles alertaram para os “riscos característicos” de que a violência possa se espalhar ainda mais, resultando em mais “crimes atrozes” e ameaçando a segurança de forma mais ampla na África Oriental. Com uma população multiétnica de cerca de 120 milhões de pessoas, a Etiópia, é de longe o país com a maior população da região.

 

Continua a Violência na Etiópia

O relatório foi apresentado, numa altura em que o futuro é incerto para a equipe de investigadores que o escreveu: o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas deve decidir no início do próximo mês se estenderá o mandato da equipe diante dos esforços do governo etíope do primeiro-ministro Abiy Ahmed para encerrá-lo.

A violência eclodiu em Novembro de 2020, centrando-se em grande parte – embora não exclusivamente – na região norte da Tigray que, por meses, foi isolada do mundo exterior. O relatório cita atrocidades de todos os lados na guerra, incluindo assassinatos em massa, violações, fome e destruição de escolas e instalações médicas.

Mohamed Chande Othman, presidente da comissão internacional de especialistas em direitos humanos sobre a Etiópia, afirmou que a situação permanece “extremamente grave” apesar do acordo de paz assinado em Novembro.

“Embora a assinatura do acordo tenha em grande parte silenciado as armas, não resolveu o conflito no norte do país, em particular no Tigray, nem trouxe qualquer paz abrangente”.

“Os confrontos violentos continuam e estão agora em uma escala, quase nacional”.

“Há relatos alarmantes de violações dos direitos de civis, na região de Amhara e de atrocidades contínuas, no Tigray”, afirmou Othman.

Falando com repórteres em Genebra, ele disse que os padrões de graves violações dos direitos humanos e o crescente “processo de segurança” na Etiópia “apresentam riscos característicos de mais crimes atrozes“.

 

Milícia Amhara São os Piores

O relatório afirmou que tropas da vizinha Eritreia – que a comissão disse serem os piores infratores – e membros da milícia Amhara da Etiópia continuam a cometer graves violações no Tigray, incluindo “violações sistemáticas e violência sexual contra mulheres e raparigas“.

A Comissário Radhika Coomaraswamy disse que a presença de tropas eritreias na Etiópia mostrou não apenas “uma política arraigada de impunidade, mas também apoio contínuo e tolerância a tais violações pelo governo federal“.

“Famílias inteiras foram mortas, parentes forçados a assistir a crimes horríveis contra os seus entes queridos, enquanto comunidades inteiras foram deslocadas ou expulsas de suas casas”, disse ela.

A equipe criticou a “falta de cooperação” do governo etíope e disse que o governo eritreu não respondeu às perguntas sobre seu suposto papel nos crimes na Etiópia. O governo de Adis Abeba procurou estabelecer o seu próprio sistema de justiça de transição, a que a comissão afirmou, ser uma tentativa de escaparem ao escrutínio internacional.

Citando estimativas consolidadas de sete centros de saúde apenas no Tigray, a comissão disse que mais de 10.000 sobreviventes de violência sexual procuraram assistência entre o início do conflito e Julho de 2023.

Mas a responsabilização e a confiança no sistema de justiça na Etiópia têm sido deficientes. A comissão disse que apenas tem conhecimento de 13 casos concluídos e 16 pendentes, envolvendo militares que tratam de violência sexual cometida durante o conflito.

Os números no relatório oferecem uma visão abrangente de um conflito que era conhecido por ser repleto de casos de violência sexual, mesmo após a assinatura do acordo de paz.

A Etiópia anunciou o estado de emergência na região de Amhara no mês passado, e os especialistas citaram relatos de “detenções arbitrárias em massa de civis amharas“, incluindo pelo menos um ataque de drone realizado por forças governamentais.

Amhara, é a segunda região da Etiópia, com maior número de população e tem enfrentado instabilidades sucessivas desde Abril, altura em que as autoridades federais começaram a desarmar as suas forças de segurança após o fim da guerra no vizinho Tigray.

 

Conclusão

O relatório dos especialistas da ONU, em direitos humanos, sublinha a urgência de resolver a situação na Etiópia e de responsabilizar aqueles que cometeram crimes de guerra.

A persistência da violência e das atrocidades é uma preocupação global, e a comunidade internacional deve tomar medidas decisivas para garantir a paz e a justiça na região. É fundamental que os esforços para acabar com a impunidade e promover a reconciliação sejam intensificados, a fim de evitar mais sofrimento e instabilidade na África Oriental.

 

O que achas desta situação na Etiópia? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Imagem: © 2021 Nariman El-Mofty
Associated Press Logo
Associated Press

A Associated Press é uma agência de notícias americana sem fins lucrativos com sede na cidade de Nova York. Fundada em 1846, opera como uma associação cooperativa e sem personalidade jurídica e produz reportagens que são distribuídas aos seus membros, jornais e emissoras.

Associated Presshttps://apnews.com/
A Associated Press é uma agência de notícias americana sem fins lucrativos com sede na cidade de Nova York. Fundada em 1846, opera como uma associação cooperativa e sem personalidade jurídica e produz reportagens que são distribuídas aos seus membros, jornais e emissoras.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!