13 C
Londres
Domingo, Maio 26, 2024

África Tem Tecnologia Para Atingir Fome Zero

As alterações climáticas e o seu efeito no continente exigem novas formas de fazer as coisas em quase todas as facetas da nossa sociedade.

África Tem Tecnologia Para Atingir Fome Zero.

África dispõe de tecnologia e inovação para atingir a fome zero, disse o Presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), Dr. Akinwumi A. Adesina, na Semana Africana do Agronegócio e da Ciência. Adesina afirmou que os sistemas alimentares africanos têm o potencial de libertar 1 bilião de dólares em valor nos próximos sete anos

 

O Discurso de Asdesina

África tem as parcerias e tecnologias necessárias para erradicar a fome, disse o Presidente do BAD, Dr. Akinwumi A. Adesina, o que é necessário é ação, incluindo um financiamento robusto, afirmou na passada segunda-feira 5 de Junho de 2023, durante a sessão de abertura da 8ª Semana Africana do Agronegócio e da Ciência (AASW) em Durban, África do Sul.

“Temos de reunir o melhor da ciência, da tecnologia e das inovações para impulsionar um sistema agrícola mais produtivo, mais eficiente e mais competitivo”.

Afirmou Adesina a uma plateia de intervenientes na investigação e inovação na agricultura e no agronegócio em África.

O Fórum para a Investigação Agrícola em África (FARA) organizou o evento com o governo da África do Sul, a Comissão da União Africana (CUA), o Banco Africano de Desenvolvimento e o Grupo Consultivo para a Investigação Agrícola Internacional (CGIAR). Outros parceiros incluem o FIDA e a ONUDI, bem como a Comissão Europeia.

Leia AQUI o discurso do Dr. Adesina na integra.

 

Enfrentar os Desafios

A Comissária da CUA para a Economia Rural e Agricultura, Embaixadora Josefa Leonel Correia Sacko, afirmou que o evento não poderia ter ocorrido em melhor altura, uma vez que o mundo atravessa uma pandemia de fome causada por fatores em cascata, incluindo a Covid-19 e as alterações climáticas.

África precisa de alavancar o seu potencial, incluindo a ciência, e ser proativa em vez de reativa aos choques, disse ela. A Comissária instou o continente a tirar partido da sua população jovem e do seu imenso capital natural.

“Devemos alimentar os africanos e devemos alimentar o mundo”, disse Sacko.

O Presidente do FARA, Alioune Fall, falou sobre a relação de interação entre as alterações climáticas e a produção agrícola e disse:

“As alterações climáticas e o seu efeito no continente exigem novas formas de fazer as coisas em quase todas as facetas da nossa sociedade”.

“Os jovens agricultores africanos não adotarão abordagens baseadas na natureza se não forem bem embaladas, acessíveis e com serviços tecnológicos”.

As alterações climáticas e o seu efeito no continente exigem novas formas de fazer as coisas em quase todas as facetas da nossa sociedade. Adesina afirmou que os sistemas alimentares africanos têm o potencial de libertar 1 bilião de dólares em valor nos próximos sete anos.

“Para que isso seja alcançado, devemos fortalecer e apoiar o CGIAR com muito mais recursos, garantir que funcione e resulte para África”.

“Com base nas nossas prioridades é preciso apoiar instituições regionais de pesquisa e desenvolvimento, como o FARA e as organizações sub-regionais de pesquisa agrícola”.

 

Rumo à Segurança

As iniciativas do Banco Africano de Desenvolvimento para aumentar a segurança alimentar africana incluem a Cimeira Alimentar África, realizada em janeiro na capital senegalesa, Dacar. A cimeira reuniu 34 chefes de Estado e de governo.

“Trabalhamos com parceiros de desenvolvimento de todo o mundo e com a Comissão da União Africana, com empresas do setor privado e com centros de investigação agrícola mundiais e nacionais”.

“Com essa colaboração, desenvolvemos Compactos de Garantia de Alimentos e Agricultura para 41 países”.

Disse Adesina, acrescentando que os parceiros da cimeira aproveitaram o seu sucesso, mobilizando 72 mil milhões de dólares até agora, para apoiar os compactos nacionais.

Adesina entregou os Prémios de Liderança FARA 2023 para o Avanço da Ciência, Tecnologia e Inovação Agrícola em África a Ngozi Okonjo-Iweala, Diretora-Geral da Organização Mundial do Comércio; Embaixadora Sacko; Diretor Executivo do FARA, Dr. Yemi Akinbamijo; Ex-Ministro da Agricultura e Infraestruturas Rurais do Senegal, Papa Abdoulaye Seck, e o Presidente do Afreximbank, Prof. Benedict Oramah.

Adesina ganhou o prémio em 2016.

A 8.ª Semana Africana do Agronegócio e da Ciência, a principal plataforma continental para as partes interessadas na investigação e inovação no domínio da agricultura e do agronegócio em África, reúne 1.500 intervenientes.

De três em três anos para fazer o balanço dos progressos em matéria de investigação e inovação, partilhar informações, criar alianças empresariais e definir prioridades para uma ação conjunta. A sétima edição da AASW teve lugar em Kigali, no Ruanda, em junho de 2016.

 

Conclusão

O futuro da segurança alimentar em África reside numa combinação equilibrada de ciência, tecnologia e inovação. Os intervenientes neste processo têm a tarefa fundamental de alavancar o imenso potencial que o continente oferece, no âmbito de uma ação pró-ativa face aos desafios.

É vital que os esforços se concentrem em fortalecer parcerias, melhorar o financiamento e utilizar de maneira eficaz os recursos existentes para desbloquear a riqueza do sector agrícola africano. Este movimento colectivo não só ajudará a atingir a fome zero em África, como também impulsionará o continente para uma era de prosperidade e autossuficiência.

 

O que achas desta situação? Acreditas que África pode mesmo eliminar a fome? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Imagem: © 2023 African Development Bank Group (AfDB)
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com