Ruanda Inaugura Fábrica de Vacinas de ARNm.

O Ruanda inaugurou hoje uma fábrica da empresa alemã BioNTech para produzir vacinas com tecnologia de ARN mensageiro (ARNm), a primeira do género em África e apoiada pela União Europeia (UE).

“Esta instalação foi concebida para estar entre as mais avançadas do mundo”.

Afirmou o Presidente do Ruanda, Paul Kagame, na cerimónia de inauguração da fábrica.

A instalação de 30.000 metros quadrados está localizada na Zona Económica Especial de Kigali, a capital do país.

 

A inauguração

Imagem © Getty Images (20231218) Rwanda Inaugura Fábrica de Vacinas de ARNmKagame referiu que a luta para encontrar vacinas durante a pandemia da covid-19 motivou esta iniciativa.

“O défice de vacinas atingiu duramente África durante a pandemia, demos por nós a bater a todas as portas à procura de doses”.

“A situação era intolerável e a União Africana (UA) juntou-se para assumir um compromisso firme de que não nos permitiríamos estar novamente nessa posição”, sublinhou o Presidente.

Kagame recordou que, no início, havia um consenso de que as vacinas de ARNm não podiam sequer ser administradas em África.

“Dizia-se que era demasiado complicado para os nossos sistemas de saúde (…)”.

“Quando embarcámos nesta viagem para fazer estas vacinas no nosso continente, disseram-nos que demoraria no mínimo 30 anos”.

“Mas é possível e, porque é possível, também é necessário”, afirmou.

O evento contou também com a presença, entre outros dignitários, da Presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen que sublinhou que a UE mobilizou 1,2 mil milhões de euros para apoiar este projeto.

Imagem © Getty Images (20231218) Rwanda Inaugura Fábrica de Vacinas de ARNm

Von der Leyen afirmou que, em dois anos;

“A fábrica produzirá até 50 milhões de doses de vacinas por ano”.

“E não estamos a falar apenas da luta contra o coronavírus”.

“Trata-se de abrir novos caminhos na luta contra (…) a tuberculose, a malária e, potencialmente, até o cancro”, acrescentou.

O cofundador e diretor executivo da BioNTech, Uğur Şahin, afirmou que a sua empresa pretende contribuir para a construção de um ecossistema de vacinas sustentável e resiliente no continente africano.

“A essência da nossa contribuição aqui em África é clara: as potenciais futuras vacinas devem ser produzidas em África, para África, com as mesmas necessidades regionais e padrões globais”, observou Şahin.

Paralelamente, o Ruanda e o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) assinaram hoje um acordo para que o país acolha a Fundação Africana de Tecnologia Farmacêutica (APTF), uma agência pan-africana que procura melhorar o acesso de África a tecnologias para o fabrico de medicamentos, vacinas e outros produtos farmacêuticos.

 

Conclusão

A inauguração da fábrica de vacinas com tecnologia de ARN mensageiro no Ruanda marca um marco significativo na luta global contra a pandemia e outras doenças. O compromisso do Presidente Kagame e o apoio da União Europeia evidenciam a importância de uma produção local de vacinas para garantir a segurança de abastecimento.

A parceria entre a BioNTech e o continente africano promete não apenas combater a COVID-19, mas também abrir caminhos para enfrentar outras doenças. A presença da Presidente da Comissão Europeia destaca a dimensão global deste esforço. Por outro lado, a assinatura do acordo com o BAD, solidifica o compromisso do Ruanda em impulsionar o acesso à tecnologia farmacêutica em toda a África.

 

Imagem: © Getty Images
Lusa - Agência de Notícias de Portugal
Agencia Lusa

É a maior agência noticiosa de língua portuguesa, faz parte da Aliança das Agências de Informação de Língua Portuguesa e tem mais de 280 jornalistas espalhados por todo o mundo. Para além das principais cidades de Portugal, a Lusa tem delegações ou correspondentes permanentes na Bélgica, Espanha, Alemanha, Reino Unido, França, Luxemburgo, Rússia, Estónia, Guiné-Bissau, Cabo Verde, Angola, Moçambique, Índia, São Tomé e Príncipe, África do Sul, Argélia, Timor-Leste, Macau, China, Brasil, Venezuela, Estados Unidos, Canadá e Austrália. Fornece um serviço noticioso a inúmeros jornais, rádios e canais de televisão portugueses, aos meios de comunicação social das comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo e a agências noticiosas dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Subscrevem também os serviços da Lusa diversas instituições públicas e privadas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!