13 C
Londres
Domingo, Maio 26, 2024

Guiné Equatorial assina parcerias no petróleo

Este novo contrato aumenta a contribuição para o crescimento do setor energético da Guiné Equatorial.

Guiné Equatorial assina parcerias no petróleo.

A Guiné Equatorial assinou contratos de partilha de exploração de petróleo com a Panoro Energy, que fica com 56 por cento e a gestão de um bloco ‘offshore’, e a Africa Oil Corporation, revelou hoje a Câmara Africana de Energia (AEC).

Os contratos, assinados pelo recém-nomeado Ministro das Minas e Hidrocarbonetos da Guiné Equatorial, Antonio Oburu Ondo, concedem à Panoro Energy, com sede em Londres, a gestão e a maioria na sociedade para explorar o Bloco EG-01 e à canadiana Africa Oil Corporation dois contratos de partilha de produção (PPC) para os blocos, também ‘offshore’ (perfurados abaixo do fundo do mar), EG-18 e EG-31.

A Panoro vai trabalhar em parceria com a norte-americana Kosmos Energy (24%) e a petrolífera estatal da Guiné Equatoril GEPetrol (20%) para realizar estudos e identificar e definir as reservas de hidrocarbonetos disponíveis durante um período de três anos, especifica o comunicado do grupo que atua em questões relacionadas a petróleo e gás em países africanos.

O presidente executivo da Panoro Energy, John Hamilton, afirmou que:

“A atribuição deste bloco é uma expansão natural e complementar da presença na Guiné Equatorial, consistente com a estratégia de exploração focada nas infraestruturas”.

“Aumenta o nosso acesso a um amplo potencial e faixas de petróleo à distância de ligação das instalações de produção existentes”, salientou.

Este novo contrato aumenta a contribuição para o crescimento do setor energético da Guiné Equatorial da Panoro Energy, que já tem um papel crucial enquanto parceiro e operador do campo de Ceiba e do complexo de Okune – que inclui seis poços de petróleo e gás já em operação.

Quanto à Africa Oil Corporation, os dois contratos de parceria público-privada permitem-lhe entrar no mercado da Guiné Equatorial, ficando com uma participação de 80% nos blocos EG-18 e EG-31, enquanto a GEPetrol deterá uma participação de 20% em cada um.

O bloco EG-31 está estrategicamente localizado perto de infraestruturas existentes, como o campo de gás Alba e o terminal de gás natural liquefeito (GNL) ‘onshore’ (GNL) em Punta Europa, o que pode “consolidar a posição da Guiné Equatorial no mercado” deste combustível, referiu o presidente e diretor-geral da empresa canadiana, Keith Hill, citado no comunicado.

 

O que achas desta situação? Esta exploração externa do petróleo da Guiné Equatorial, é benéfica para o país? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Imagem: © DR
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com