19.6 C
Londres
Domingo, Maio 26, 2024

África não está imune à venda dos seus ativos

Os excessos de impressão de dinheiro fácil dos últimos anos estão a desenrolar-se à medida que os investidores estão agora mais uma vez sóbrios e rigorosos na avaliação do verdadeiro valor dos ativos.

África não está imune à venda dos seus ativos.

África não está imune à venda de todos os ativos que os mercados estão a experienciar, mas quando a poeira assentar os investidores poderão encontrar boas oportunidades no continente, afirmou, em Londres, Martin Richardson, CEO da RMB.

 

A procura do lucro fácil

Segundo Richardson:

“Atualmente estamos a assistir a uma rara e sincronizada venda de todos os bens em África”.

“Normalmente, durante períodos de extrema volatilidade, veríamos as ações cair, mas as obrigações recuperam à medida que os investidores procuram ativos de refúgio seguro”.

“Mas o problema, é que agora, estão a ser vendidos todos os ativos – desde ações a obrigações e até mesmo ativos materiais como propriedades e ouro”.

“Os excessos de impressão de dinheiro fácil dos últimos anos, estão a desenrolar-se à medida que os investidores estão agora mais uma vez sóbrios e rigorosos na avaliação do verdadeiro valor dos ativos”.

Richardson acrescentou ainda que, à medida que o mundo enfrenta uma recessão global, alguns países africanos poderão ter de reestruturar a sua dívida.

“Os mercados de obrigações em moeda forte de, África estão neste momento efetivamente fechados e estão a ser angariados fundos limitados a nível internacional”.

“Contudo, quando os mercados reabrirem, estarão a oferecer rendimentos materialmente mais elevados e potencialmente melhores para os investidores”.

 

A tempestade perfeita

O momento actual está a gerar uma tempestade perfeita de pressões inflacionistas e aperto monetário agressivo dos bancos centrais, em combinação com um aprofundamento da crise Rússia/Ucrânia.

Esta situação tornou a angariação de capital através dos mercados obrigacionistas tradicionais particularmente dispendiosa para os países africanos cujos governos foram forçados a encontrar formas inovadoras de angariar capital.

Acrescentou ainda que a única dinâmica atual feliz é que as maturidades das euro-obrigações africanas ao longo dos próximos anos são relativamente controláveis e são um sinal de maturidade do mercado, uma vez que os mutuários geriram ativamente os seus perfis de responsabilidade.

“À medida que os mercados de dívida em África reabrem, esperemos que em 2023 possamos assistir a uma mudança incremental para investimentos privados menos líquidos em empresas africanas”.

“Esta será uma oportunidade para alguns investidores, uma vez que existem empresas africanas que não serão relativamente afetadas por uma potencial recessão global”.

“É provável que uma recessão global provoque uma depreciação material da moeda local em países africanos específicos”.

“No entanto, isto também vale a pena ser monitorizado, uma vez que pode proporcionar oportunidades interessantes, já que os mercados cambiais muitas vezes ultrapassam os princípios de base”.

Richardson acrescentou que devemos esperar transações mais estruturadas que ajudem a reduzir certos riscos de crédito e de mercado.

“Quando os mercados acionistas estabilizarem a médio prazo, poderemos observar uma ressurreição global das obrigações convertíveis que ajude a manter a dívida mais acessível, mantendo a taxa de juro baixa”.

“Mas em África, infelizmente, existem apenas algumas grandes empresas com um mercado acionista suficientemente líquido para apoiar uma emissão de obrigações convertíveis, na sua maioria na África do Sul”.

 

Conclusão

As obrigações convertíveis, são um tipo de título de dívida que dá aos investidores o direito de trocar a obrigação por um número previamente determinado de ações da empresa emissora em determinados momentos da vida útil de uma obrigação.

A taxa de juro é tipicamente mais baixa devido ao potencial de conversão da dívida em capital a condições favoráveis.

Visto existirem várias agências governamentais internacionais dispostas a apoiar África durante os tempos difíceis que se avizinham, está a torna-se uma forma segura de investir.

 

Quem é a RMB?

O Rand Merchant Bank (RMB) é um dos principais Bancos Africanos de Empresas e Investimento e faz parte de um dos maiores grupos de serviços financeiros (por capitalização de mercado) em África – FirstRand Bank Limited.

Oferecem aos seus clientes, consultoria inovadora e de valor acrescentado, financiamento, negociação, banca empresarial e as principais soluções de investimento.

Enquanto ramo de Corporate e Investimento do FirstRand Bank Limited (totalmente propriedade do FirstRand Limited), tem acesso a uma rede de bancos de retalho em 25 países africanos, incluindo escritórios de representação e sucursais no Reino Unido, Índia e China.

 

O que achas desta suposição? África terá que ter cuidado com estes investimentos? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Imagem: © 2022 Francisco Lopes-Santos 
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com