8.1 C
Londres
Segunda-feira, Abril 22, 2024

Visita do Papa a África pode ajudar a matar a fome

Apesar das suas vastas reservas minerais, a RDC é um dos países mais pobres do mundo, com quase dois terços de sua população, segundo o Banco Mundial, a viverem com menos de 2,15 dólares por dia.

Visita do Papa a África pode ajudar a matar a fome.

Please accept YouTube cookies to play this video. By accepting you will be accessing content from YouTube, a service provided by an external third party.

If you accept this notice, your choice will be saved and the page will refresh.

———————————————————————————————

Aceite os cookies do YouTube para reproduzir este vídeo. Ao aceitar, estará a aceder ao conteúdo do YouTube, um serviço fornecido por terceiros.

Se aceitar, a sua escolha será salva e a página será atualizada.

YouTube privacy policy

 

Segundo o Programa Mundial de Alimentos (PMA), a viagem do Papa a África é “significativa” para milhões de pessoas que passam fome. A visita desta semana à República Democrática do Congo (RDC) e ao Sudão do Sul faz sobressair a emergência alimentar dos congoleses que requer US$ 627,3 milhões de ajuda este ano. No entanto, a ONU cortou os apoios devido à falta de fundos.

 

Grande potencial

Kinshasa, a capital da RDC, foi a primeira paragem, onde na primeira missa realizada pelo Papa Francisco, estiveram presentes, segundo as autoridades, mais de 1 milhão de pessoas. Para o diretor do PMA no país, Peter Musoko, essa é a prova de que o Papa chamará a atenção para a situação de milhões de vítimas da fome.

A nação africana tem um grande potencial para produzir alimentos e empregar os jovens. Mesmo assim, mais de 26 milhões de pessoas enfrentam fome severa no país.  A agência da ONU lançou um apelo de US$ 627,3 milhões para uma resposta imediata.

Segundo o PMA, a RDC e o Sudão do Sul estão entre os países mais frágeis do mundo. Ambos enfrentam efeitos arrasadores dos confrontos e a construção da paz. O ambiente de agitação projetou a fome “a níveis alarmantes e às vezes catastróficos”.

 

Quatro anos de inundações

O Papa Francisco deve reunir-se com pessoas deslocadas por conflitos e desastres naturais. No Sudão do Sul, centenas de milhares de famílias sofrem com os efeitos de quatro anos consecutivos de cheias. O Sudão do Sul é um dos países que estão na linha de frente da crise climática.

Ali, dois terços dos 12 milhões de sul-sudaneses passam fome. Mas por causa da falta de fundos e da crise global, o PMA teve de reduzir o número de rações alimentares até mesmo entre os que mais sofrem com a fome.

De acordo com a diretora do PMA no Sudão do Sul, Mary-Ellen McGroarty, o conflito e a insegurança alimentar estão intimamente ligados. A sua esperança é que a visita do Papa Francisco dê um impulso “bastante necessário” ao processo de paz.

 

Potencial

A chefe da agência da ONU no país, destacou que as necessidades continuam a superar os recursos e a paz é um pré-requisito crítico para prevenir a fome, construir a segurança alimentar futura e liberar todo o potencial nacional.

Para o PMA, a visita do papa é extremamente significativa para muitos na nação de maioria católica, onde a igreja tem participação ativa na construção da paz e da reconciliação em regiões onde ocorrem confrontos.

 

Conclusão

Apesar das suas vastas reservas minerais, a RDC é um dos países mais pobres do mundo, com quase dois terços de sua população, segundo o Banco Mundial, a viverem com menos de 2,15 dólares por dia.

Nos últimos meses, o leste da RDC tem sido palco de um recrudescimento da violência, sobretudo na fronteira com o Ruanda, uma zona com subsolo rico em coltan, fundamental para a indústria de equipamentos eletrónicos, onde existem mais de 100 grupos armados ativos, nomeadamente o Movimento 23 de Março (M23) que ocuparam partes do território oriental da província de Kivu do Norte.

Espera-se que no seu último discurso, na presença de representantes de instituições beneficentes, o Papa apele à ajuda internacional, antes de, na sexta-feira, viajar para Juba, capital do Sudão do Sul, onde fará um apelo pela paz nesse país em conflito.

São votos de Mais Afrika que a sua voz seja ouvida e que assim se dê o início do fim desta fome e miséria, não só nestes dois países, como também no resto de África.

 

O que achas desta situação? A visita do Papa Francisco poderá fazer a diferença? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Imagem: © 2023 Vatican Media
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!