4.9 C
Londres
Segunda-feira, Abril 22, 2024

Relatório EUA: Tráfico Humano na Guiné-Bissau

O Relatório de Tráfico de Pessoas 2023 divide os países em três categorias e uma subcategoria.

Relatório EUA: Tráfico Humano na Guiné-Bissau.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos da América (EUA), divulgou um Relatório sobre o Tráfico Humano de 2023, destacando vários países pela falta de esforços efetivos para combater esta prática abominável. No foco destas críticas estão dois países africanos de língua portuguesa: a Guiné-Bissau e Moçambique.

 

A Inação da Guiné-Bissau

O relatório destacou a Guiné-Bissau como um dos países que não tomaram medidas suficientes para combater o tráfico de pessoas. Classificado no nível três, este grupo inclui países como Guiné Equatorial, Cuba, Venezuela, Nicarágua, Rússia, China, Irão e Coreia do Norte, todos censurados pela sua resposta insuficiente a este problema global.

O tráfico de seres humanos é uma grave violação dos direitos humanos e um problema significativo que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Apesar da magnitude do problema, a Guiné-Bissau juntamente com outros países do nível três, não tomou medidas suficientes para mitigar ou erradicar esta questão no seu território. Essa inação notória levou à sua posição desfavorável no relatório.

 

A Queda de Moçambique

Outro país africano de língua portuguesa mencionado no relatório é Moçambique que, embora esteja no grupo dois, foi rebaixado para a “lista de observação de nível dois“.

Esta subcategoria é destinada a Estados que estão fazendo esforços para combater o tráfico humano, mas que ainda apresentam um número “muito significativo” de vítimas de formas graves de tráfico ou que falham em fornecer evidências de seus esforços crescentes.

Segundo a embaixadora Cindy Dyer, do Escritório de Monitoria e Combate ao Tráfico de Pessoas, Moçambique foi rebaixado por;

“Não ter cumprido os padrões mínimos estabelecidos na Lei de Protecção às Vítimas do Tráfico Humano (TVPA)”.

“Fizeram alguns esforços significativos, mas não demonstraram esforços globais crescentes”.

Esta situação enfatiza a necessidade de maior vigilância e ação, especialmente no que diz respeito ao rastreamento e identificação de vítimas de tráfico.

 

Angola, Cabo Verde, Brasil e Portugal

Os países de língua portuguesa, Angola e Cabo-Verde, foram classificados no nível dois, o que indica que, embora não cumpram totalmente os padrões da Lei de Protecção às Vítimas do Tráfico Humano, estão a fazer esforços significativos para se adaptarem a essas normas. Da mesma forma, o Brasil e Portugal também se encontram nesta categoria.

O Relatório de Tráfico de Pessoas 2023 divide os países em três categorias e uma subcategoria, baseando-se na Lei de Protecção às Vítimas do Tráfico dos Estados Unidos.

O documento destaca a determinação dos Estados Unidos em combater o tráfico de pessoas, que é visto como um ataque aos direitos humanos e liberdades. Estima-se que cerca de 27 milhões de pessoas em todo o mundo são vítimas de tráfico humano e trabalho forçado, afetando desproporcionalmente mulheres e pessoas da comunidade LGBTQ+.

 

Conclusão

O relatório sublinha a necessidade urgente de ação global para combater o tráfico de pessoas e apela a todos os Estados para aumentar os seus esforços nesta área crítica. Para os países citados, especialmente a Guiné-Bissau e Moçambique, é um chamado à ação que não pode ser ignorado.

 

O que achas deste relatório? E do facto de Moçambique e da Guiné-Bissau estarem tão mal classificados? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Imagem: © DR 
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!