4.6 C
Londres
Segunda-feira, Abril 22, 2024

ONU: CS Aprova Cessar-Fogo Imediato em Gaza

“Não concordamos com tudo o que está escrito na resolução” – Thomas-Greenfield, Embaixadora dos EUA na ONU.

ONU: CS Aprova Cessar-Fogo Imediato em Gaza


O Conselho de Segurança da ONU das Nações Unidas (ONU) deu um importante passo em direção à paz na região ao aprovar uma resolução que exige um cessar-fogo imediato na Faixa de Gaza durante o Ramadão. A decisão, tomada nesta segunda-feira, 25 de Março de 2024, vem num momento crucial, durante o período sagrado para os muçulmanos que decorre de 10 de Março a 9 de Abril.

No entanto, Israel pode descumprir a decisão. A proposta foi apresentada pelos actuais 10 integrantes não permanentes do conselho (Argélia, Equador, Guiana, Japão, Malta, Moçambique, Coreia do Sul, Serra Leoa, Eslovénia e Suíça). Recebeu 14 votos a favor, nenhum contrário e uma abstenção dos EUA.

 

A Votação


O texto determina um cessar-fogo humanitário imediato que leve a uma interrupção permanente e sustentável do conflito. Também pede a libertação imediata e incondicional de todos os reféns mantidos pelo Hamas e a garantia de acessoà ajuda humanitária na Faixa de Gaza.

  • A favor (14): Argélia, Equador, Guiana, Japão, Malta, Moçambique, Coreia do Sul, Serra Leoa, Eslovênia, Suíça, França, Rússia, China e Reino Unido;
  • Abstenção (1):

A proposta, apresentada pelos 10 membros não permanentes do Conselho de Segurança da ONU, recebeu amplo apoio, com 14 votos a favor e apenas uma abstenção, dos Estados Unidos. A resolução procura não apenas interromper temporariamente o conflito, mas também estabelecer bases para uma paz duradoura na região.

Um dos pontos centrais da resolução é a exigência de um cessar-fogo humanitário que leve a uma interrupção permanente e sustentável das hostilidades. Além disso, destaca-se o apelo pela libertação imediata e incondicional de todos os reféns mantidos pelo Hamas, bem como a garantia de acesso à ajuda humanitária na Faixa de Gaza.

No entanto, as exigências apresentadas não estão interligadas, o que significa que um cessar-fogo pode ser alcançado mesmo sem a libertação dos reféns. Isso representa um desafio, especialmente considerando a posição do governo de Israel, que condiciona a interrupção dos ataques à libertação dos israelitas sequestrados pelo grupo extremista.

 

A Resolução


Discutida em uma reunião de emergência após o veto dos Estados Unidos a uma proposta anterior, foi acompanhada de momentos de reflexão e solidariedade, com os membros do conselho a levantarem-se e a fizer 1 minuto de silêncio em homenagem às vítimas do ataque que matou 137 pessoas este fim de semana na Rússia.

Em declarações depois do resultado final, a Embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield, prestou condolências aos familiares das vítimas do ataque em Moscovo, chamando o episódio de “ataque terrorista”.

“Ainda assim, algumas edições importantes foram ignoradas, inclusive a nossa solicitação para acrescentar uma condenação ao Hamas”.

“Não concordamos com tudo o que está escrito na resolução”.

“Por esse motivo, infelizmente, não pudemos votar a favor”, disse Thomas-Greenfield.

 

A Efectividade da Resolução


Embora a aprovação da resolução seja um passo positivo, persistem desafios significativos para a sua implementação efetiva. As resoluções do Conselho de Segurança da ONU têm caráter vinculativo, mas a sua eficácia muitas vezes depende da vontade política dos Estados-membros em cumpri-las.

A ONU é uma instituição baseada em compromissos mútuos, mas enfrenta desafios na manutenção da paz. Apesar do caráter vinculativo das resoluções, a aplicação de medidas punitivas contra nações que as desrespeitam muitas vezes é dificultada por questões políticas e vetos dos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU.

 

Conclusão


Embora a aprovação desta resolução represente um avanço significativo no caminho rumo à paz, é crucial compreender que a simples decisão do Conselho de Segurança da ONU da ONU não garante automaticamente o fim das hostilidades em Gaza.

Para que a resolução seja efetiva, é fundamental que os esforços diplomáticos sejam acompanhados por ações concretas por parte de todas as partes envolvidas no conflito. Isso implica não apenas na adesão ao cessar-fogo proposto, mas também na disposição de dialogar e negociar de boa-fé para resolver as questões subjacentes que alimentam o conflito.

Além disso, é necessário um compromisso genuíno com a implementação das medidas humanitárias estabelecidas na resolução, como a libertação de reféns e o acesso à ajuda humanitária.

 

O que achas desta Resolução do Conselho de Segurança da ONU? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 


Imagem: © 2023 UN News
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!