África Do Sul Acusa Israel De Genocídio.

A África do Sul acusou formalmente Israel de crimes de genocídio no enclave palestiniano de gaza, apresentando um processo no Tribunal Internacional de Justiça (TIJ), o principal órgão judicial da ONU, em Haia.

O governo de Pretória divulgou um comunicado onde afirma que o pedido foi feito com base em alegadas violações por parte de Israel das suas obrigações sob a convenção sobre a prevenção e punição do crime de genocídio em relação aos palestinianos em gaza.

 

O Comunicado

Imagem © 2023 gettyimages (20231230) África Do Sul Acusa Israel De GenocídioO ministério dos negócios estrangeiros da África do Sul (DIRCO) salientou que o tribunal foi abordado para obter uma ordem exigindo que Israel, enquanto estado membro, se abstenha de quaisquer actos que possam constituir genocídio ou crimes relacionados, de acordo com a convenção do genocídio.

“O executivo ordenou que o TIJ em Haia fosse abordado para obter uma ordem ordenando a Israel, que também é um estado-membro, que se abstenha de quaisquer actos que possam constituir genocídio ou crimes relacionados sob a convenção”.

Salientou o Ministério dos Negócios Estrangeiros da África do Sul (DIRCO) no comunicado.

A África do Sul, como signatária da convenção, afirmou estar obrigada a prevenir o genocídio e expressou séria preocupação com a situação dos civis em gaza devido ao uso indiscriminado da força e à remoção forçada de habitantes. O governo sul-africano declarou condenar toda a violência e ataques contra civis, incluindo Israelitas.

O comunicado esclarece que um pedido neste sentido foi apresentado ao tribunal a 29 de Dezembro de 2023, solicitando uma declaração urgente de que Israel está a violar as suas obrigações nos termos da convenção do genocídio. A África do Sul exige que Israel cesse imediatamente todas as ações em violação dessas obrigações e tome medidas relacionadas.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da África do Sul expressou em comunicado, estar;

“extremamente preocupado com a situação dos civis envolvidos nos ataques israelitas à Faixa de Gaza devido ao uso indiscriminado da força e à remoção forçada de habitantes”.

O TIJ em Haia aceitou a acusação, considerando que implicaria violações diretas das obrigações estabelecidas pela convenção do genocídio de 1948, da qual ambas as nações são signatárias. A convenção prevê punições para actos e incitação ao assassinato em massa.

 

Crimes de Guerra

Imagem © 2023 gettyimages (20231230) África Do Sul Acusa Israel De GenocídioRelatórios apontam para crimes de guerra e contra a humanidade, além de violações diretas à convenção assinada por ambas as nações em 1948.

Segundo o diretor associado de justiça internacional do Observatório dos Direitos Humanos (Human Rights Watch), Balkees Jarrah, esta pode ser a oportunidade para que o TIJ observe as acções de Israel em Gaza à luz da Convenção de Genocídio de 1948.

Convém salientar que o tribunal penal internacional (TPI) é responsável por processar indivíduos por crimes de guerra, contra a humanidade e genocídio, enquanto o TIJ medeia disputas entre nações.

Em comunicado, o TIJ explicou que o requerente [República da África do Sul], afirma ainda que “Israel, desde 7 de Outubro de 2023 em particular, não conseguiu prevenir o genocídio e não conseguiu processar o incitamento direto e público ao genocídio” e que “Israel se envolveu, está envolvido e corre o risco de se envolver ainda mais em actos genocidas” contra o povo palestiniano em Gaza.

 

A Contestação de Israel

Israel contesta a alegação, classificando-a como difamação. O Ministério dos Negócios Estrangeiros israelita, acusou a África do Sul de explorar e desvalorizar o TIJ, além de afirmar que o país africano apoia o grupo Hamas, uma figura central no conflito em curso e nega que o seu Exército esteja a fazer uso desproporcional da força na sua guerra contra o movimento islamista Hamas em Gaza.

“Israel repudia com desgosto a difamação (…) da África do Sul e o seu recurso junto ao Tribunal Internacional de Justiça”.

Escreveu o porta-voz do ministério, Lior Haiat, na rede social X (antigo Twitter).

O conflito iniciou-se a 7 de Outubro, após a retaliação do Hamas em Israel, que causou cerca de 1.140 mortos, principalmente civis, segundo Israel. Os combatentes islamistas também capturaram cerca de 250 pessoas, e metade delas ainda está retida no pequeno território palestino, de acordo com as autoridades israelitas.

Em resposta ao ataque, Israel prometeu “aniquilar” o Hamas e lançou uma intensa ofensiva aérea e terrestre que deixou pelo menos 21.507 mortos, na sua maioria mulheres e crianças, de acordo com o último balanço do Ministério da Saúde do Hamas, que governa Gaza desde 2007.

 

Medidas de Urgência

Imagem © 2023 Sipa USA / Alamy Stock (20231230) África Do Sul Acusa Israel De GenocídioOs cerca de 2,4 milhões de habitantes da Faixa de Gaza, dos quais 85% foram forçados a deixar as suas casas, enfrentam uma situação humanitária desastrosa, conforme relatado pela ONU.

Na sua queixa ao TIJ, a África do Sul alega que Israel, especialmente desde 7 de Outubro de 2023, está a participar e corre o risco de continuar a participar de actos de genocídio contra o povo palestiniano em Gaza.

O TIJ é responsável por julgar disputas entre Estados, e as suas decisões são definitivas, mas não possui meios para garantir a sua execução imediata. Pode, no entanto, ordenar medidas de urgência enquanto aguarda a resolução completa dos casos, um processo que por vezes pode levar anos.

No mês passado, o Tribunal Penal Internacional (TPI), também sediado em Haia, recebeu uma solicitação de investigação sobre a situação no “Estado da Palestina” efectuado pela África do Sul, Bangladesh, Bolívia, Comores e Djibuti.

Em 2021, o TPI já havia iniciado uma investigação sobre alegados crimes de guerra nos Territórios Palestinos, envolvendo as forças israelitas, o Hamas e outros grupos armados palestinos.

O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, comparou as ações israelitas em relação aos palestinos com a segregação durante o apartheid na África do Sul, destacando a gravidade do conflito. O observatório dos direitos humanos sugere que o TIJ poderia analisar as ações de Israel à luz da convenção de genocídio de 1948.

A África do Sul especificou na sua solicitação que procura que o TIJ estabeleça a responsabilidade de Israel por violações da convenção sobre o genocídio e tome medidas urgentes para proteger o povo palestino em gaza, incluindo o fim imediato de todos os ataques militares.Parte superior do formulário

 

Conclusão

Este conflito tem sido extremado por ambas as partes, em que por um lado o Hamas é acusado de grupo terrorista, mas por outro, Israel comporta-se pior do que terroristas, mesmo pior do que Nazis mas é legitimado com a treta do “Têm direito a defender-se”. No entanto, a designação de organização terrorista é uma questão complexa e muitas vezes depende da perspectiva do país ou da entidade que a faz.

No caso do conflito israelo-palestiniano, organizações como o Hamas são rotuladas como terroristas por alguns países, incluindo os Estados Unidos e Israel, enquanto outros, como o Catar, a África do Sul e a Turquia, podem ter uma abordagem diferente, muitas vezes considerando-as como grupos legítimos de resistência.

Depende de cada um de nós, mediante a analise do conflito, decidir quem é ou não é o verdadeiro terrorista e depois dessa decisão feita, ficar em paz com a sua alma, se for capaz disso.

 

Concordas com a África do Sul nesta acusação de Genocídio a Israel? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Ver Também:

África do Sul Pede Força Da ONU Para Gaza

África Está Dividida Com a Guerra Israel-Gaza

Israel e o novo apartheid (agora palestiniano)

 

Imagem: © 2023 Mohammed Abed / gettyimages
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!