Arte Africana na Bienal de Arquitetura de Veneza.

A primeira curadora africana a liderar a Bienal de Arquitetura de Veneza, Lesley Lokko, tornou-se uma figura emblemática do evento, cuja abertura decorrerá a 20 de Maio na sua sede em Veneza. Lokko, a arquitecta visionária por detrás da criação do African Futures Institute em Accra, Gana, torna patente a interligação entre a África e a arquitectura global.

 

Uma Africana Entre Dois Mundos

A história de vida de Lokko destaca-se pela sua habilidade de navegar por diferentes realidades. Nascida em Acra, Gana, e mudando-se para Dundee, na Escócia, aos 17 anos, conseguiu estabelecer uma ligação entre duas culturas distintas.

“A Escócia tremia e Gana era o suor”, recorda.

A reinvenção é uma marca distintiva de Lokko. Nos anos 90, viveu nos EUA e dedicou-se à escrita de ficção, demonstrando a sua capacidade de se adaptar e de se reinventar. As suas obras, que já somam 12, abordam questões de identidade racial e cultural.

Lokko demonstra a sua capacidade de interpretar múltiplos mundos no seu projecto “O Laboratório do Futuro“. Esta ambiciosa exploração do impacto da África no mundo – e vice-versa – inclui mais de metade dos 89 participantes da Bienal oriundos de África ou da diáspora africana.

 

África Subsariana

A África Subsariana, salienta Lokko, é frequentemente considerada a população mais urbanizada e jovem do mundo. Este dinamismo cultural tem o potencial de redefinir a arquitectura global.

Apesar do seu progresso, Lokko teve de enfrentar alguns obstáculos. Recentemente, ela criticou a Itália por negar vistos de entrada a três membros da sua equipa curatorial do Gana.

Lokko tem um longo historial de envolvimento em questões de raça, espaço e arquitectura, tendo inclusivamente escrito e editado um livro pioneiro sobre o tema. Ela sublinha que aqueles considerados “minorias” no Ocidente são, na realidade, a maioria global.

 

A Arquitectura Global Africana

Com a Bienal de Veneza, Lokko coloca a África e a diáspora africana no centro do palco, abordando questões prementes como as alterações climáticas, a rápida urbanização e a necessidade de descolonizar instituições e espaços. A sua abordagem única e inovadora combina várias disciplinas e apresenta um modelo de prática sustentável.

Akosua Obeng Mensah, arquitecto em Acra, destaca que cerca de 80% do desenvolvimento na África subsaariana ainda precisa ser construído. Esta realidade destaca o imenso potencial da África para reinventar a arquitectura global e urbana.

Ao falar sobre a África e o seu lugar no mundo, Lokko realça a dificuldade de superar preconceitos existentes. “Quando és africano, falas com um mundo que já tem uma visão preconcebida de quem e o que és”, diz ela. A Bienal é, assim, uma oportunidade de confrontar e ultrapassar essas ideias pré-concebidas.

 

Os Destaques da Bienal

Entre os contribuintes notáveis para a Bienal contam-se o laureado com o Prémio Pritzker, Diébédo Francis Kéré (Burkina Fasso e Berlim); Cave_Buu (Nairóbi), uma empresa que mapeou as cavernas de escravos no Quénia; Olalekan Jeyifous, da Nigéria; e o conceituado arquiteto britânico David Adjaye, conhecido nos EUA pelo trabalho no Smithsonian Museum, em Washington.

Este evento proporciona um fórum para discutir África com o resto do mundo e vice-versa.

 

Conclusão

Com a Bienal de Arquitetura de Veneza como palco, Lokko destaca o papel de África na arquitectura global. As suas contribuições inovadoras para o evento e a sua paixão pela arquitectura africana têm um potencial imenso para redefinir a nossa compreensão do impacto do continente na arquitectura mundial.

Através da Bienal, o mundo testemunha uma África determinada em se reinventar, uma África que se encontra na vanguarda da arquitectura mundial, com capacidade para influenciar, inovar e moldar o futuro. A reinvenção da África na Bienal de Arquitetura de Veneza é mais do que um marco para a arquitectura africana; é um momento definidor para a arquitectura mundial.

 

O que achas desta representação africana? Já conhecias a Bienal de Arquitetura de Veneza? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Imagem: © 2023 Kéré Architecture
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!