A invenção do século, transformar terra em Betão

Gnanli Landrou inventou um pó especial que pode transformar terra e água em um sólido material de construção similar ao Betão.

Imagem © 2020 Gabi Vogt Photography (20220528) A invenção do século, transformar terra em Betão

A invenção do século, transformar terra em Betão.

Gnanli Landrou inventou um pó especial que pode transformar terra e água em um sólido material de construção similar ao Betão. A sua fonte de inspiração foi a casa de barro onde cresceu no Togo na África Ocidental.

Este novo Betão, tem uma pegada de carbono muito baixa e já foi usado em um blocos de apartamentos.

Segundo a Forbes, é um dos 30 empresários mais influentes da Europa.

 

Quem é Gnanli Landrou

Gnanli Landrou cresceu numa casa de barro no Togo na África Ocidental e só foi para a escola aos 16 anos quando se mudou para França. Hoje com 31 anos, fundou uma start-up de Betão ecológico.

Nascido no povo Kabiyé do norte do Togo, Landrou cresceu em uma grande família. Mas em tenra idade foi enviado para o seu tio, um trabalhador migrante, que oferecia os seus serviços junto à população local.

Enquanto os adultos do grupo ajudavam no campo ou na construção de casas de barro, Landrou trazia água, comida ou carregava tijolos para os idosos. Não havia escola e Landrou aprendeu a arte da vida com os mais velhos. A sua experiência em construções de barro tornou-se fundamental na sua nova vida de jovem empreendedor.

 

A mudança para a Europa

Aos 16 anos, a sua família permitiu que Landrou viajasse para França. Foi a sua família anfitriã que o enviou para a escola pela primeira vez, onde o seu talento científico não passou despercebido por um professor local.

Com a ajuda deste professor, Landrou recuperou dois anos de trabalho perdido no ensino primário. Essa ajuda foi fundamental e, em apenas dois anos conseguiu dominar o conhecimento escolar para fazer o bacharelato

Após completar o bacharelado, ele tirou uma licenciatura em ciência dos materiais na Universidade de Limoges. Landrou mudou-se posteriormente para a Suíça onde efectuou o doutoramento. Em 2018 recebeu a Medalha ETH pela sua dissertação na Chair for Sustainable Building na ETH Zurich sob a supervisão de Guillaume Habert.

 

Oxara, o Betão sustentável

Com o seu sócio Thibault Demoulin, Gnanli Landrou fundou a startup Oxara, uma start-up ambiental que produz um material de construção isento de cimento para a construção de casas, mais amigo do ambiente e mais barato que o Betão.

O Betão convencional é feito de cimento, que consome muita energia para produzir, e as matérias-primas são limitadas, cascalho e areia. O Betão de terra da Oxara, por outro lado, usa material escavado que, de outra forma, acabaria desperdiçado no lixo.

Este Betão especial, endurece ao fim de 24 a 48 horas e é adequado para elementos não estruturais em casas com até três andares. O Betão de terra Oxara está a ser testado em vários projetos piloto. O potencial de aplicação do ecobetão é enorme tanto em países desenvolvidos quanto em países em desenvolvimento.

“A Nossa tecnologia oferece à construção em argila quase todos os benefícios de processamento do cimento, sendo cerca de 2,5 vezes mais barata e 20 vezes mais ecológica”, explica Landrou

O potencial de mercado para elementos de construção não estruturais é considerável: o volume só na Suíça é estimado em cerca de 700 milhões de francos suíços.

 

Conclusão

Esta é uma vida inspiradora em que um africano nascido nos meios mais pobres de África, estuda para ser mais do que o que o seu aparente destino lhe oferecia e se transcende provando que o mundo pode ser muito mais.

Aproveitando todo o seu conhecimento ancestral de construção em casas de barro, associa essa forma de construção com a cultura de construção ocidental em cimento e Betão e cria um Betão ecológico à base de terra.

Gnanli Landrou, não só provou que não importam as origens de uma pessoa para se mudar o mundo, como provou que ele pode ser mudado para um futuro mais ecológico e sustentável para todos nós.

 

O que achas deste Betão ecológico? É importante para África e para o mundo surgirem outros projectos similares? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Imagem: © 2020 Gabi Vogt Photography
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!