18.3 C
Londres
Domingo, Julho 21, 2024

Vai demorar, mas África vai ser um continente rico

África é um continente rico, com recursos ilimitados, desde minerais a energéticos, mas falta uma estrutura e um bom governo, bem como a capacidade de desenvolver infraestruturas.

Vai demorar, mas África vai ser um continente rico.

Segundo Helmut Gauges, Gestor do KfW, o Banco de Crédito para a Reconstrução, vai demorar tempo, mas África vai ser um continente rico. Esta afirmação, surge numa entrevista ao jornal português “Diário de Notícias”, durante a sua estadia em Portugal para participar em um seminário coorganizado pela Embaixada da Alemanha em Portugal e a Academia Europeia de Berlim.

No seminário, sob o mote “A política europeia alemã no dealbar histórico de uma nova era“, falou-se sobre a nova política de cooperação com África elaborada pelo governo alemão liderado por Olaf Scholz, que reúne sociais-democratas, ecologistas e liberais.

 

A entrevista

Na entrevista, Gauges explicou que a Alemanha tem uma história breve de colonização em África e, por isso, a imagem do país é positiva na maioria dos seus congéneres africanos. Destacou que a Alemanha tem mais interesse no desenvolvimento de África do que em cooperação financeira.

Além disso, quando a Alemanha faz cooperação com a África, ela estabelece critérios éticos, de direitos humanos e ambientais muito exigentes, que devem ser aceites pelos governos locais.

O gestor do KfW afirmou que a diferença de desenvolvimento entre países de colonização portuguesa, inglesa ou francesa não se deve ao colonizador, mas sim à população, educação, liberdade de imprensa, estruturas democráticas e consciência de construir um país.

Afirmou ainda que é difícil generalizar sobre África e que cada país é diferente. Por exemplo, ele citou o Níger e o Malawi, que têm sistemas democráticos que funcionam.

“Acho África um continente muito grande e cada país é diferente, assim como na Europa. É difícil dizer que uma parte de África é uma coisa e a outra parte é outra coisa”. Afirmou Gauges.

Em relação à cooperação com países lusófonos, o KfW só tem projetos com Moçambique, mas Gauges destacou que Cabo Verde é um bom exemplo de desenvolvimento em África. Ele também destacou Angola como um país que está em processo de construção do Estado e da Nação.

Ele acredita que África é um continente rico, com recursos ilimitados, desde minerais a energéticos, mas falta uma estrutura e um bom governo, bem como a capacidade de desenvolver infraestruturas.

 

O interesse da Alemanha

Gauges afirmou que a Alemanha está mais interessada em África nos últimos dez anos, pois há problemas no continente que impactam a Europa, como a pressão migratória. Ele também afirmou que o interesse económico da Europa em África aumentou.

Além disso, o gestor destacou a importância do papel da mulher na sociedade desses países e que as empresas alemãs vão para o terreno investir em países com reformas que ajudam a economia, ajudam a exportação e a importação, e com infraestrutura sustentada e fomentada pelo KfW.

Por fim, Gauges afirmou que o KfW funciona sobretudo com fundos governamentais, mas quando um país tem um rating favorável, o banco utiliza recursos financeiros para ampliar o financiamento como crédito.

Ele acredita que o próximo plano de política alemã para a África é ambicioso porque os problemas são grandes no continente e a Alemanha e a Europa precisam ter planos ambiciosos para ajudar e cooperar.

 

O que achas desta entrevista? Concordas com o que Helmut Gauges disse sobre África? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Imagem: © 2022 Francisco Lopes-Santos 
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com