18.8 C
Londres
Domingo, Maio 26, 2024

Guiné-Bissau: Resolver Os Problemas Até 2025

"Já gastámos qualquer coisa como quatro mil milhões de francos CFA [seis milhões de euros] só em termos da subvenção".

Guiné-Bissau: Resolver Os Problemas Até 2025


O ministro das Finanças da Guiné-Bissau indicou à Lusa que espera ver resolvidos os problemas das empresas estatais falidas “até 2025“, admitindo ver já “uma luz verde no túnel” após o trabalho conjunto com o Banco Mundial.

“Temos estado a trabalhar com o Banco Mundial, sobretudo nas empresas de telecomunicações”.

“Já há uma luz verde no túnel que estamos a ver. Acho que, se calhar, daqui até 2025 vamos ter os problemas resolvidos”.

“Estamos a trabalhar também com a EAGB (Eletricidade e Águas da Guiné-Bissau), que é um problema crónico que temos”.

Disse à Lusa Ilídio Vieira Té, numa entrevista em Washington.

Apesar de a energia elétrica do país ser fornecida desde 2018 pela empresa turca Karpower, o Governo quer acabar com a dependência de uma única fonte de energia, salientando que já está em curso uma negociação com a companhia para reduzir para 17 megawatts a quantidade de energia fornecida.

No ano passado, a empresa turca chegou a cortar fornecimento da energia durante dois dias devido a uma dívida de 15 milhões de dólares (14 milhões de euros).

“Portanto, estamos a trabalhar com esta empresa e a ter mais atenção, sobretudo a nível de gastos, sobre como gerem os seus recursos humanos, salários e pagamentos (…) de Segurança Social”.

“Temos estado a prestar atenção a este aspeto, porque quem acaba por pagar é o Tesouro Público e eu, como ministro das Finanças, tenho que estar sempre vigilante para que isso não aconteça”.

Frisou, numa entrevista à margem das Reuniões de Primavera 2024 do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial.

Em relação ao controlo da despesa – incluindo com a função pública – defendido pelo FMI, o ministro reforçou que o foco está na massa salarial, advogando estar a ser empreendido um esforço “em ter mais receita e menos despesa“.

“Quando partirmos para a despesa, que seja despesa de qualidade: a nível de infraestrutura, educação, saúde… o que melhora a vida dos cidadãos”.

“Felizmente, estamos a ter um apoio muito importante do FMI, como a implementação do sistema de ‘blockchain’, que controla a entrada e a progressão da carreira das pessoas na administração pública”, observou Ilídio Vieira Té.

O responsável pela pasta das Finanças salientou que será feito um “recenseamento de raiz” visando baixar a massa salarial, “que, em termos de rácio, está muito elevada“.

Sobre a sua deslocação às Reuniões de Primavera 2024 do FMI e do Banco Mundial em Washington, o governante admitiu que parte da missão consistiu em “andar atrás de alguns países” com quem a Guiné-Bissau tem uma dívida externa, entre eles o Brasil e a Rússia, este último com quem está a tratar “o perdão total”.

Também a reestruturação com o Banco da África Ocidental para o Desenvolvimento (BOAD) que “representa cerca de 65% da dívida externa” da Guiné-Bissau, foi uma das prioridades.

“Felizmente, conseguimos a reestruturação dessa dívida com o BOAD, o significa que o país pode respirar até 2030. Vamos pagando juros num valor muito aceitável”, celebrou o ministro das Finanças.

Ainda segundo Vieira Té, a perspectiva é que a Guiné-Bissau consiga “ainda mais apoio de outros países”, destacando que o dossiê do país no FMI vai para o Conselho de Administração em maio próximo.

“Pela primeira vez, estivemos aqui reunidos com o Fundo [e] praticamente todos os pontos que tínhamos acordado foram cumpridos. Portanto, saio daqui com a missão cumprida”.

“Felizmente, nas perspectivas do crescimento económico de 2023, 2024 e 2025, a Guiné-Bissau e Moçambique situam-se no ranking com mais pontos”.

Disse, assinalando que, para 2024 e 2025, a previsão de crescimento guineense situa-se em 5,0%.

“Acho que é um crescimento fabuloso (…). Quando se faz o destaque de Moçambique e Guiné-Bissau nos países lusófonos, isso dá-nos mais coragem e força para que possamos continuar o nosso trabalho”, admitiu.

Porém, apesar do optimismo de Vieira Té, o Banco Mundial estima que a pobreza no país tenha aumentado para 26,7% em 2023, de 26% em 2022, o que equivale a mais de 27.000 pessoas adicionais no limiar de pobreza internacional.

Questionado pela Lusa sobre como é que o Governo explica este agravamento, o ministro atribui esse cenário ao contexto global económico, dominado por guerras como a da Rússia na Ucrânia, com impacto direto no poder de compra da população.

Vieira Té assegurou que o executivo está a fazer “todo o esforço possível” para ajudar a população, com medidas como a subvenção de produtos de primeira necessidade, como o arroz ou o açúcar, apesar de o “Estado estar a perder muito dinheiro“.

“Como bem sabem, nós não podemos passar toda a vida a subvencionar o arroz. Nenhum país da região está a fazer isso. Aliás, o que está a acontecer é que estamos a vender arroz mais barato em relação ao Senegal e à Guiné Conacri”.

Observou Vieira Té, indicando que esses países estão a comprar o arroz subvencionado na Guiné-Bissau e a vendê-lo posteriormente a preços mais elevados.

“Já gastámos qualquer coisa como quatro mil milhões de francos cfa [seis milhões de euros] só em termos da subvenção”.

“Coisa que o próprio Fundo acha que é insustentável, (…) mas fizemos isso para que a população possa ter poder de compra”.

“Existe uma dificuldade em toda parte e uma economia débil e frágil como a nossa é a que mais sente”, lamentou.

Contudo, o preço do arroz vai mesmo disparar na Guiné-Bissau após o Governo ter acabado com a subvenção estatal para moderar o custo ao consumidor e de acordo com os novos valores aprovados na sexta-feira em Conselho de Ministros.


Imagem: © 2024 Francisco Lopes-Santos
Lusa - Agência de Notícias de Portugal
Agencia Lusa

É a maior agência noticiosa de língua portuguesa, faz parte da Aliança das Agências de Informação de Língua Portuguesa e tem mais de 280 jornalistas espalhados por todo o mundo. Para além das principais cidades de Portugal, a Lusa tem delegações ou correspondentes permanentes na Bélgica, Espanha, Alemanha, Reino Unido, França, Luxemburgo, Rússia, Estónia, Guiné-Bissau, Cabo Verde, Angola, Moçambique, Índia, São Tomé e Príncipe, África do Sul, Argélia, Timor-Leste, Macau, China, Brasil, Venezuela, Estados Unidos, Canadá e Austrália. Fornece um serviço noticioso a inúmeros jornais, rádios e canais de televisão portugueses, aos meios de comunicação social das comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo e a agências noticiosas dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Subscrevem também os serviços da Lusa diversas instituições públicas e privadas.

Agencia Lusahttps://www.lusa.pt/
É a maior agência noticiosa de língua portuguesa, faz parte da Aliança das Agências de Informação de Língua Portuguesa e tem mais de 280 jornalistas espalhados por todo o mundo. Para além das principais cidades de Portugal, a Lusa tem delegações ou correspondentes permanentes na Bélgica, Espanha, Alemanha, Reino Unido, França, Luxemburgo, Rússia, Estónia, Guiné-Bissau, Cabo Verde, Angola, Moçambique, Índia, São Tomé e Príncipe, África do Sul, Argélia, Timor-Leste, Macau, China, Brasil, Venezuela, Estados Unidos, Canadá e Austrália. Fornece um serviço noticioso a inúmeros jornais, rádios e canais de televisão portugueses, aos meios de comunicação social das comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo e a agências noticiosas dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Subscrevem também os serviços da Lusa diversas instituições públicas e privadas.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com