Ucrânia Quer Forçar o Apoio Africano.

No panorama internacional, o Ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, instou os países africanos a reconsiderar a sua posição neutral na guerra que o seu país trava com a Rússia.

Vários Estados africanos têm optado pela neutralidade no conflito que ocorre na Europa há já 15 meses. Estes abstiveram-se em votações na Assembleia-Geral da ONU que condenavam a suposta invasão russa à Ucrânia, a 24 de Fevereiro do ano passado.

 

Apelo à Não Neutralidade pela Ucrânia

Durante a sua visita à capital etíope, Adis Abeba, Kuleba expressou a sua preocupação com a posição de neutralidade da Etiópia. Segundo ele, ao serem neutros na agressão russa contra a Ucrânia, estão a projetar essa neutralidade sobre violações de fronteiras e crimes em massa que podem ocorrer muito perto deles.

“A neutralidade não é a resposta”.

“Ao serdes neutros em relação à agressão russa contra a Ucrânia, estais a projetar essa neutralidade sobre violações de fronteiras e crimes em massa que possam acontecer muito perto de vós”.

Kuleba também apelou aos países africanos para apoiarem o “Plano de Paz de Dez Pontos” proposto pelo Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky. Além disso, sublinhou o desejo da Ucrânia de construir relações “mutuamente vantajosas” com África, baseadas no comércio de energia, tecnologia e fármacos.

 

A Visita de Kuleba

Dmytro Kuleba está a fazer um périplo africano que também incluirá visitas a Marrocos e ao Ruanda.

Na Etiópia, reuniu-se com o primeiro-ministro, Abiy Ahmed, o presidente da Comissão da União Africana, Mussa Faki Mahamat, e o Presidente da República das Comores, Azali Assumani que atualmente preside àquela organização continental.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia realizou a sua primeira viagem a África em Outubro do ano passado, quando visitou o Senegal, a Costa do Marfim, o Gana e o Quénia. Essa digressão foi encurtada devido a ataques russos a infraestruturas do seu país.

 

Influência Russa em África

É preciso não esquecer que a influência russa em África é diversificada e abrangente, englobando as esferas militar, política e económica. Esta presença russa pode ter implicações significativas nas dinâmicas de poder global.

A Rússia mantém uma presença substancial em diversas zonas de África. O grupo russo Wagner é ativo e efetuou recentemente manobras militares conjuntas com a África do Sul.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, também tem trabalhado ativamente para fortalecer as relações com os países africanos desde a eclosão da guerra na Ucrânia, tendo viajado pelo continente uma vez em 2022 e realizado pelo menos duas visitas este ano, até agora.

A suposta invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, como necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia – foi condenada pela maioria da comunidade internacional. Esta tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição de sanções políticas e económicas à Rússia.

A Rússia, na qualidade de uma potência global, mantém uma presença considerável em diversas zonas do continente africano. Tal presença assume diversas formas e é impulsionada por vários interesses estratégicos, económicos e políticos.

No âmbito militar, destaca-se a atuação do grupo russo Wagner. Este grupo tem desempenhado um papel ativo na região, realizando operações de natureza variada. Recentemente, em parceria com a África do Sul, efetuou manobras militares conjuntas, demonstrando o envolvimento da Rússia na estrutura militar do continente.

Além disso, a Rússia tem-se empenhado em fortalecer os laços diplomáticos com os países africanos. Exemplo disso é a planificação de uma cimeira África-Rússia a decorrer em Julho. Neste encontro, é expectável que se discutam questões relativas à cooperação bilateral, investimentos e desenvolvimento de infraestruturas, bem como assuntos de segurança e paz regional.

A influência russa em África não se esgota, contudo, na dimensão militar e diplomática. Há também uma forte componente económica. A Rússia é um dos principais fornecedores de cereais para o continente africano, contribuindo para a segurança alimentar de muitos países.

 

Conclusão

O apelo da Ucrânia aos países africanos põe em evidência o desespero deste país em relação à guerra e põe a nu a complexidade do conflito ucraniano-russo. Cada vez mias fica claro a necessidade de um compromisso global para solucionar este problema que há muito deixou de ser regional e se tornou um problema global.

Resta aguardar para ver qual será a posição adotada pelos países africanos perante este “ultimato” e perceber qual será o impacto nas suas relações internacionais.

 

O que pensas sobre esta situação complexa? Consideras que este pedido da Ucrânia é desesperado ou é realista? A tua opinião é extremamente valiosa para nós. Não hesites em deixar o teu comentário e partilhar as tuas reflexões. Se gostaste do artigo e o achaste informativo e relevante partilha-o e dá-lhe um “like/gosto”. Queremos continuar a fornecer conteúdos que te interessem e a tua participação ajuda-nos a fazê-lo.

 

Ver Também:

África: Impacto da guerra da Ucrânia aumenta

Rússia dá 20 mil toneladas de fertilizante ao Malawi

Imagem: © 2023 DR
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!