14.2 C
Londres
Domingo, Maio 26, 2024

Presidente do Quénia Defende Moeda Única

“Vamos pagar em dólares o que comprarmos aos EUA. Mas o que comprarmos ao Djibuti, vamos usar a moeda local”, disse Ruto.

Presidente do Quénia Defende Moeda Única.

Em uma declaração surpreendente, William Ruto, o Presidente do Quénia, defendeu a implementação de uma moeda única africana, uma ideia destinada a fortalecer o comércio no continente e a promover a integração regional. Ruto, apresentou assim, um apelo revolucionário que poderá remodelar o cenário económico africano.

 

Integração Económica

Na 22ª Cimeira de Chefes de Estado e de Governo do Mercado Comum para a África Oriental e Austral (COMESA), realizada em Lusaka, Zâmbia, Ruto proferiu um discurso inaugural poderoso. O foco da sua argumentação centrava-se na criação de uma moeda única africana, o que, acredita, facilitará o comércio no continente.

“Do Djibuti, a vender para o Quénia, ou comerciantes do Quénia a vender para o Djibuti, temos que usar dólares americanos”.

“Porque é que os dólares americanos fazem parte do comércio entre o Djibuti e o Quénia? Porquê?” Perguntou Ruto.

Segundo ele, a integração regional significaria que os cidadãos não teriam de se preocupar com que moeda negociar. Ruto instou ainda os países africanos a utilizarem moedas nacionais, usando uma moeda única africana, em vez do dólar, argumentando que tal abordagem fortaleceria a economia e o comércio do continente.

É preciso lembrar que o Banco Africano de Exportação e Importação (Afreximbank) já dispõe de um mecanismo que permite aos países em África comercializar produtos e serviços utilizando a moeda local.

 

Adopção do Sistema Pan-Africano

Ruto incitou os países africanos a abandonar o dólar e a aderir ao Sistema Pan-Africano de Pagamentos e Liquidações. Através desta proposta, o chefe de estado visa reduzir a dependência de moedas externas ao continente, particularmente o dólar, que tem predominância não só em África, mas em todo o mundo.

Ele sugeriu que as compras feitas nos Estados Unidos da América devem ser liquidadas em dólares americanos, enquanto as transações com o Djibuti e outros países africanos devem ser feitas em moedas locais ou recorrendo a uma moeda única africana.

“É por isso que o Quénia defende o Sistema Pan-Africano de Pagamento e Liquidação”.

“Por que precisamos de comprar coisas do Djibuti e pagar em dólares? Não há razão”.

“Não somos contra o dólar americano. Nós apenas queremos negociar mais livremente”.

“Vamos pagar em dólares o que comprarmos aos EUA”.

“Mas o que comprarmos ao Djibuti, vamos usar a moeda local”, disse.

Para Ruto, essa mudança dinamizaria as transações e simultaneamente impulsionaria o crescimento económico entre as nações africanas. Essa postura é um reflexo da posição do Quénia, que procura uma maior integração económica dentro de África.

 

Paralelos com o BRICs e o Mercosul

A proposta de Ruto para a introdução de uma moeda única africana não é isolada no cenário internacional. Ela ressoa fortemente com as visões do presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva que tem defendido posturas semelhantes para a América Latina.

Na sua viagem à China para a posse da presidente do banco dos Brics, Dilma Rousseff, Lula abordou a mesma questão. Ele questionou por que é que o comércio não pode ser ancorado nas moedas locais e expressou o desejo de inovação neste domínio. Durante uma reunião com líderes da América Latina em Brasília, Lula voltou a abordar o assunto, desta vez no âmbito do Mercosul.

Ele argumentou que a identidade sul-americana também deveria ser expressa na esfera monetária, através da criação de um mecanismo de compensação mais eficiente e a criação de uma unidade de referência comum para o comércio. Desta forma, seria possível reduzir a dependência de moedas extrarregionais.

“Eu sonho com a construção de várias moedas entre países que fazem comércio”.

“Sonho que os BRICs tenham uma moeda única. Como o euro”, afirmou Lula da Silva.

Portanto, a visão de Ruto alinha-se a um movimento mais amplo para reconsiderar a supremacia do dólar em negociações internacionais e para fomentar a independência e o reforço das económicas regionais, recorrendo a uma formula de moeda única local.

 

Conclusão

Com este pedido de unificação monetária, William Ruto elevou a fasquia para o futuro do comércio e da economia em África. Embora a implementação de uma moeda única africana represente um desafio imenso, se bem-sucedida, a iniciativa poderia servir de catalisador para uma maior integração regional e um fortalecimento económico de todo o continente africano.

 

O que achas desta proposta? Acreditas que uma moeda única africana, trará benefícios para o continente? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Ver Também:

África Tem Tecnologia Para Atingir Fome Zero

A Ascensão da Inteligência Artificial (IA) em África

Imagem: © 2023 PCS
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com