13 C
Londres
Domingo, Maio 26, 2024

ONU Não Tem Dinheiro Para Ajudar Moçambique

“É uma situação complicada, porque só temos 11% do valor necessário”.

ONU Não Tem Dinheiro Para Ajudar Moçambique


A ONU está a enfrentar graves dificuldades para conseguir fornecer ajuda humanitária devido a uma crise de financiamento, o que deixa Moçambique à beira de uma catástrofe, já que o país, enfrenta uma série de desafios devido aos conflitos em Cabo Delgado e uma série de desastres naturais.

A mobilização internacional é um factor crucial para enfrentar esta crise humanitária e garantir o apoio necessário às pessoas afectadas, mas devido a várias situações críticas em outras partes do mundo, a mesma está-se a demonstrar um desafio nunca antes visto.

 

Ajuda Humanitária em Risco


São precisos mais de 400 milhões de dólares (375,2 milhões de euros) para fornecer o apoio básico mínimo para a assistência humanitária a Moçambique, mas a ONU está a enfrentar um desafio insólito, pois só possui 11% desse valor disponível.

“É uma situação complicada, porque só temos 11% do valor necessário”.

Afirmou Paulo Serrão, chefe do Gabinete para a Coordenação da Assistência Humanitária das ONU em Moçambique, em declarações hoje reproduzidas pela emissora pública Rádio Moçambique.

Segundo Serrão, a mobilização internacional de ajuda humanitária para Moçambique está a ser difícil de obter, porque o mundo se debate presentemente com várias crises, o que torna a obtenção de recursos e apoios adicionais um desafio Hercúleo.

Por outro lado, a falta de financiamento, adequado impede que a ONU e outras organizações humanitárias consigam fornecer o suporte logístico necessário para aqueles que mais precisam.

 

A Situação em Cabo Delgado


A província de Cabo Delgado enfrenta desde outubro de 2017 uma insurgência armada com ataques efectuados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Depois de vários meses de relativa normalidade nos distritos afetados, a província registou, há alguns meses, novas movimentações e ataques de grupos rebeldes, que têm limitado a circulação para alguns pontos nas poucas estradas asfaltadas que dão acesso a vários distritos.

A insurgência levou a uma resposta militar iniciada em Julho de 2021, com apoio de mais de 2.000 militares do Rwanda, com o apoio da SADC (Comunidade de Desenvolvimento da África Austral). Essa ação resultou na libertação de distritos junto aos projetos de gás natural. No entanto, a situação humanitária é crítica, com uma grande quantidade de deslocados a necessitarem de assistência urgente.

 

As Calamidades Naturais


Moçambique tem sido vítima particular de variações climáticas bruscas, sofrendo regularmente o flagelo de secas, chuvas torrenciais, cheias e ventos ciclónicos.

Nos vinte e cinco anos de independência o país foi atingido por duas violentas secas com a duração de mais de dois anos cada uma, pelo menos dezasseis ciclones registados e várias cheias, duas das quais de grandes dimensões. Estes fenómenos são vulgarmente designados por “calamidades naturais”.

Moçambique é considerado um dos países mais severamente afetados pelas alterações climáticas no mundo, enfrentando ciclicamente o flagelo de secas, chuvas torrenciais com cheias e ciclones tropicais durante a época da chuva.

O período chuvoso de 2018/2019 foi dos mais severos de que há memória em Moçambique: 714 pessoas morreram, incluindo 648 vítimas dos ciclones Idai e Kenneth, dois dos maiores de sempre a atingir o país.

Já no primeiro trimestre de 2023, as chuvas intensas e a passagem do ciclone Freddy provocaram 306 mortos, afetaram no país mais de 1,3 milhões de pessoas, destruíram 236 mil casas e 3.200 salas de aula, segundo dados oficiais do Governo.

Mais recentemente, em Março deste ano, pelo menos quatro pessoas morreram, duas ficaram feridas e outras 12.740 foram afectadas pela chuva intensa registada no Sul de Moçambique nas províncias de Maputo, Gaza e Inhambane, causando ainda a destruição total ou parcial de 11 casas tendo outras 9.985 ficado inundadas, além de afetar também 19 escolas, 49 vias de acesso e 13 centros de saúde.

Nesta época da chuva que decorre entre Outubro e Abril, até ao momento já morreram um total de 135 pessoas, 195 ficaram feridas e foram afectadas 131.915 pessoas.

 

Conclusão


Diante desta crise humanitária em Moçambique, é imperativo que a comunidade internacional se una para responder ao apelo por ajuda. A solidariedade internacional é essencial para garantir que as necessidades urgentes das pessoas afectadas sejam atendidas.

Além de contribuições financeiras, a cooperação entre países e organizações internacionais, é fundamental para optimizar o impacto da assistência humanitária.

Enquanto a ONU e outras organizações humanitárias continuam incansavelmente a trabalhar para obter o apoio necessário, é preciso que a humanidade como um todo, se levante e enfrente os governos dos seus respectivos países, para exigirem um fim para esta crise global.

 

O que pensas desta situação gravosa que a ONU está a atravessar? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 


Imagem: © DR
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com