4.9 C
Londres
Segunda-feira, Abril 22, 2024

Moçambique: Travado Contrabando de Marfim

As autoridades estimam que, graças à fiscalização, o abate de elefantes tenha diminuído nos últimos anos.

Moçambique: Travado Contrabando de Marfim


As autoridades moçambicanas travaram uma rede de contrabandistas e impediram a exportação ilegal de 4,8 toneladas de marfim. A mercadoria, apreendida por volta das 11h00 horas, em resultado de uma denúncia anónima, tinha como destino o Dubai e estava escondida em sacos de milho, num contentor que se encontrava pronto para sair de Maputo por via marítima.

Esta apreensão, é mais um exemplo alarmante do comércio ilegal de produtos da vida selvagem que assola o continente africano. O marfim, obtido através da caça ilegal de elefantes, é altamente valorizado no mercado negro devido à sua raridade e beleza. Esta procura por marfim tem causado um grave declínio na população de elefantes em África, ameaçando a sobrevivência desta espécie majestosa.

 

Contrabando de Marfim


A apreensão destas 4,8 toneladas de marfim em Moçambique é apenas um pequeno passo na luta contra o comércio ilegal de vida selvagem, mas é a prova de que a ação rápida e a cooperação entre as autoridades podem fazer a diferença.

“Temos 651 pedaços de pontas de marfim que correspondem a 4,8 toneladas”.

“O exportador escondeu os pedaços de marfim dentro de sacos de milho, mas porque as nossas unidades funcionam foi frustrada esta tentativa”.

Declarou à comunicação social em Maputo Leviana Macul, delegada da Autoridade Tributária (AT), momentos após a apresentação do produto apreendido em Maputo.

“Desconfiou-se naturalmente que neste contentor haveria uma mercadoria não comum para exportação”.

“De imediato, associamos diferentes forças e solicitou-se que se efetuasse uma revista neste contentor, em que o marfim estava disfarçado em sacos de milho”.

Declarou Leonel Muchina, porta-voz da Polícia da República de Moçambique (PRM), indicando que decorrem esforços para a detenção do exportador.

A caça furtiva em Moçambique tem sido uma grave ameaça à vida selvagem, mas as autoridades estimam que o abate de elefantes tenha diminuído nos últimos anos, fruto dos esforços de fiscalização e conservação apoiadas também por parceiros internacionais.

Segundo dados da Administração Nacional das Áreas de Conservação (ANAC), Moçambique tem cerca de 10 mil elefantes. Relatórios mais recentes indicam que o país perdeu, entre 2011 e 2016, 48% da população de elefantes.

Para acabar com esta praga, temos de continuar a pressionar os governos para se criarem medidas mais rigorosas de proteção da vida selvagem e a trabalhar juntos para acabar com o comércio ilegal de marfim, preservando a beleza e a diversidade da fauna africana.

 

Comércio Ilegal


Imagem © Jerome Starkey /Flickr (20240324) Moçambique Travado Contrabando de MarfimAtravés de uma investigação meticulosa, as autoridades moçambicanas, conseguiram localizar e interceptar uma carga ilegal escondida em sacos de milho dentro de um contentor. Essa descoberta impediu a exportação ilegal de marfim e enviou uma mensagem clara de que o tráfico de vida selvagem não será tolerado.

Apesar dos esforços das autoridades, o comércio ilegal de marfim continua a representar uma ameaça significativa para a vida selvagem em todo o continente africano. A procura por marfim, especialmente em países asiáticos como o Dubai, tem alimentado a caça ilegal de elefantes e fortalecido uma rede criminosa global.

As organizações criminosas lucram com a venda do marfim, financiando outras atividades ilícitas, como o tráfico de drogas e de armas. Além disso, o comércio de marfim contribui para a diminuição das populações de elefantes, desequilibrando os ecossistemas e ameaçando a biodiversidade.

Para enfrentar eficazmente o comércio ilegal de marfim, é crucial que os governos intensifiquem os esforços na aplicação da lei. Isso inclui a implementação de medidas rigorosas para combater o contrabando e o tráfico de vida selvagem, bem como a punição severa para os infratores.

 

Combate à caça furtiva


O combate à caça furtiva em Moçambique tem sido uma preocupação constante, representando uma ameaça grave à vida selvagem e à conservação dos ecossistemas. No entanto, graças aos esforços de fiscalização e conservação, apoiados também por parceiros internacionais, tem-se observado uma diminuição no abate de elefantes nos últimos anos.

Esta apreensão em particular é um exemplo de como a cooperação entre as autoridades e o apoio da população podem resultar em ações efetivas de combate ao contrabando de produtos provenientes da caça furtiva. Além disso, ela destaca a importância de denúncias anónimas, que muitas vezes são fundamentais para desmantelar redes de contrabando e proteger a vida selvagem.

É fundamental que as autoridades continuem a investir em estratégias de fiscalização e conservação, fortalecendo a cooperação internacional e promovendo a sensibilização sobre os impactos negativos do comércio ilegal de animais e dos seus derivados.

Somente assim poderemos garantir a preservação das espécies e a proteção dos ecossistemas para as gerações futuras. A caça furtiva não afecta apenas os elefantes, também afecta outras espécies ameaçadas de extinção, como os rinocerontes e os leopardos. A falta de consciência ecológica por parte de algumas comunidades locais tem contribuído para o aumento da caça ilegal.

 

Educação Ambiental


É importante educar o público sobre os efeitos devastadores do comércio ilegal do marfim. Isso inclui destacar as consequências para os elefantes e outros animais selvagens, bem como os impactos negativos sobre os ecossistemas e a biodiversidade.

Além da educação, a sensibilização para a importância da conservação da vida selvagem e a proteção dos elefantes devem ser amplamente divulgadas através de campanhas de consciencialização, programas educacionais em escolas e iniciativas comunitárias. Ao promover uma cultura de respeito pela vida selvagem e pela natureza, podemos garantir um futuro sustentável para estas espécies em perigo.

Muitas vezes, as pessoas caçam para obter carne e outros produtos derivados dos animais, ignorando o impacto negativo que isso causa na biodiversidade. Além disso, a destruição do habitat natural também é uma preocupação séria.

A expansão da agricultura, a construção de estradas e a exploração de recursos naturais têm levado à perda de áreas importantes para a vida selvagem, resultando em uma redução drástica das populações de animais e podendo levar à extinção de espécies inteiras.

 

Compromisso Coletivo


Imagem © 2014 National Geographic (20240324) Moçambique Travado Contrabando de MarfimA proteção da vida selvagem e a preservação dos elefantes são questões de extrema importância para Moçambique. A redução do abate de elefantes nos últimos anos é um indicativo de que os esforços de fiscalização e conservação estão a surtir efeito.

Felizmente, em Moçambique, existem organizações e projectos de conservação dedicados à proteção da vida selvagem e do seu habitat. Estas iniciativas abrangem a criação de áreas protegidas, a monitorização das populações de animais e a educação ambiental para as comunidades locais.

Além disso, estão a ser implementados esforços para fortalecer a aplicação da lei e aumentar as penalidades para os caçadores furtivos. No entanto, a luta contra a caça furtiva e a destruição do habitat permanece como um desafio constante. É crucial um esforço conjunto de governos, organizações não governamentais, comunidades locais e indivíduos para garantir a sobrevivência da vida selvagem em Moçambique.

Isso inclui o desenvolvimento de programas de sustentabilidade económica que ofereçam alternativas à caça e à degradação ambiental. A proteção da vida selvagem não é apenas uma questão ambiental é também social e económica.

A vida selvagem desempenha um papel crucial no ecossistema, mantendo o equilíbrio natural e fornecendo serviços ecossistémicos essenciais, como a polinização das plantas. Além disso, o turismo de vida selvagem pode ser uma importante fonte de receita para o país, gerando empregos e promovendo o desenvolvimento sustentável.

Portanto, é fundamental que todos reconheçam a importância da conservação da vida selvagem e trabalhem em conjunto para proteger essas espécies ameaçadas. Somente através de esforços conjuntos e comprometidos será possível garantir um futuro seguro para a vida selvagem em Moçambique e em todo o mundo.

 

Conclusão


O comércio ilegal de marfim representa uma séria ameaça para a vida selvagem e exige uma resposta global coordenada. É imperativo que os governos intensifiquem os esforços de aplicação da lei, promovam a cooperação internacional e eduquem o público sobre os impactos devastadores deste comércio.

Somente olhando para a sociedade como um todo, promovendo medidas abrangentes, colaboração mútua e educação ambiental podemos proteger os elefantes e preservar a riqueza da biodiversidade no nosso planeta.

 

O que pensa deste esforço das autoridades em Moçambique, de travarem os caçadores ilegais e o contrabando de marfim? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 


Imagem: © 2024 AMPE Rogério
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santos

Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.

Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!