8.1 C
Londres
Segunda-feira, Abril 22, 2024

Ilha de Moçambique dá nova vida ao plástico

Menos plástico, mais peixe, é a fórmula em que José Júnior acredita para dar um novo fôlego saudável à Ilha de Moçambique.

Ilha de Moçambique dá nova vida ao plástico.

A ilha de Moçambique, local onde nasceu a primeira capital do país, há cerca de 200 anos, encontra-se ameaçada pela poluição causada pelos plásticos que ameaçam as espécies locais e os oceanos já sob pressão devido às alterações climáticas.

A poluição causada pelos plásticos é um problema em toda a região, incluindo a Ilha de Moçambique. A economia local depende da pesca e dos recursos marinhos, pelo que se encontra ameaçada devido a este “estado de sitio” onde o plástico abunda e a vida definha.

 

A solução

Uma oficina de reciclagem quer mudar o rumo da história da poluição. Implementada pela ONG portuguesa Oikos em parceria com a URB-África/UCCLA, a oficina limpa e separa os plásticos para produzir peças novas. Jovens da Ilha aperfeiçoam o processo e procuram compradores para tornar a oficina autossustentável.

“Aqui limpamos, separamos os plásticos e tentamos produzir novas peças”, explica José Júnior, responsável pelo projeto de reciclagem.

É um processo que “vai levar tempo”, mas José Júnior acredita que se a solução nascer na comunidade, será mais fácil “mobilizar a população para uma ação cívica” em que o lixo deixa de ir para o chão e passa a ser reciclado “sem ser uma ameaça para os oceanos”.

A palavra espalha-se e faz com que crianças apareçam na oficina com um punhado de plásticos para vender: hoje foi Momade Mularanja, um dos operadores de reciclagem, a avaliar os resíduos e a entregar 20 meticais (pouco menos de 50 cêntimos de euro) ao grupo que as foi entregar.

“Há muita coisa de plástico ali no mercado. Embalagens de massa, açúcar, bolachas”.

“Mas o plástico pode ser valorizado se for retirado do meio-ambiente e reciclado”.

“E esta participação, é sinal de que a população se está a apropriar da ideia”.

Refere, Berta Eusébio, técnica de salubridade do município da Ilha de Moçambique.

 

Do lixo para a “mesa”

A recolha de plástico em Moçambique é uma atividade dominada maioritariamente por jovens e mulheres e é a base de rendimento de muitas famílias, principalmente as que vivem nos arredores das lixeiras. A lixeira de Hulene recebe diariamente cerca de 1.000 toneladas de resíduos, dos quais aproximadamente 120 a 160 toneladas são de plástico, e muitas famílias têm a sua base de sustento lá.

Raúl Nato ocupa uma das ruas de areia com uma montanha de plásticos, lixo que compra para revender, auxiliado por um pequeno exército de crianças e jovens que revira e ordena cada pedaço. Daquela e de outras comunidades, encaminha tudo para Nampula, a capital provincial, a 200 quilómetros, onde unidades industriais reciclam os resíduos para fabricar novos utensílios.

José Júnior acredita que se a solução para a poluição por plástico nascer na comunidade, será mais fácil “mobilizar a população para uma ação cívica” em que o lixo deixa de ir para o chão e passa a ser reciclado “sem ser uma ameaça para os oceanos”.

A Oikos propõe alternativas de rendimento, como pequenos negócios de preparação de comida, e ambiciona implantar outros projetos, como o mel de mangal, com colmeias produzidas e instaladas pela comunidade.

Menos plástico, mais peixe, é a fórmula em que José Júnior acredita para dar um novo fôlego saudável à Ilha de Moçambique, cuja economia local está centrada na pesca e recursos marinhos, mas que enfrenta a ameaça dos plásticos para as espécies e para os oceanos já sob pressão devido às alterações climáticas.

 

Conclusão

A reciclagem permite-nos reutilizar os mesmos produtos por um determinado número de vezes, diminuindo assim o impacto no nosso meio ambiente, convertendo a matéria-prima e reciclada em produtos que podem ser usados em casa e mesmo noutras indústrias.

Este projecto pioneiro em marcha na Ilha de Moçambique, poderá ser “reciclado” e transposto para outros locais que passem pelo mesmo problema. No entanto, como todos os projectos no seu inicio, o seu futuro é incerto, só o tempo e a população ditarão se esta nova fórmula resultará.

 

O que achas deste projecto? Acreditas que se conseguirá despoluir a Ilha de Moçambique? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Imagem: © Luís Fonseca
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!