6.3 C
Londres
Domingo, Abril 21, 2024

Amnistia Internacional denuncia o Senegal

A comunidade internacional tem o dever de apoiar os esforços para promover o respeito às liberdades fundamentais e a justiça no Senegal.

Amnistia Internacional denuncia o Senegal.

A Amnistia Internacional denunciou a repressão dos direitos humanos no Senegal acusando o Governo de reprimir de restringir a liberdade de expressão e de reunião, proibir manifestações e prender jornalistas e figuras da oposição.

Samira Daoud, diretora regional da Amnistia Internacional   para a África Ocidental e Central, expressou preocupação num comunicado divulgado na passada sexta-feira, 17 de Março de 2023, destacando que várias “vozes dissidentes” têm sido reprimidas nos últimos meses.

A organização não-governamental (ONG) fez o alerta após confrontos entre a polícia e apoiantes do líder da oposição, Ousmane Sonko, candidato às eleições presidenciais de 2024. A oposição informou que pelo menos 180 pessoas foram detidas e 51 ficaram feridas nos distúrbios em Dacar e noutras cidades. Os incidentes evidenciam o crescente clima de tensão política no país.

 

Julgamento de Sonko adiado

Sonko deveria comparecer em tribunal num processo de difamação interposto pelo ministro do Turismo senegalês, Mame Mbaye Niang, a quem acusou de desviar cerca de 44 milhões de euros.

O julgamento foi adiado para 30 de março e o partido de Sonko, PASTEF, revelou que o estado de saúde do líder era preocupante após ser atacado e gaseado pela polícia. Sonko também enfrenta acusações de violação desde 2021, envolvendo a jovem massagista Adji Sarr.

Samira Daoud pediu às autoridades que respeitem os direitos humanos, parem o uso excessivo da força, permitam a cobertura mediática das manifestações e respeitem as liberdades de expressão e de reunião pacífica. A Amnistia Internacional lamentou a repressão a várias vozes dissidentes, incluindo políticos e jornalistas, e instou o governo a tomar medidas para garantir a proteção dos direitos fundamentais.

 

Investigação pendente

Quase dois anos após as violentas manifestações de 2021, as mortes de civis ainda não foram investigadas, com números oficiais a apontar para 13 mortes e a Amnistia Internacional para 14. Daoud sublinhou a importância de levar à justiça os suspeitos do uso ilegal da força durante a repressão de protestos anteriores e garantir que as liberdades civis sejam respeitadas.

As tensões políticas aumentam no Senegal devido ao caso judicial sobre Sonko, acusado de violação, e ao recente julgamento por difamação. Sonko denunciou a instrumentalização da justiça pelo poder de Macky Sall, Presidente desde 2012, para o excluir das eleições de 2024. A incerteza sobre a busca de um terceiro mandato por Sall, algo que a Constituição impede, contribui para a tensão.

Sonko, conhecido pelo seu discurso “antissistema”, critica a má governação, a corrupção e o neocolonialismo francês, angariando muitos seguidores entre a juventude senegalesa. A crescente popularidade de Sonko e seu discurso podem representar um desafio ao atual governo e ao status quo político.

 

Impacto internacional

A situação no Senegal também atraiu a atenção da comunidade internacional, levantando preocupações sobre a estabilidade política e o respeito aos direitos humanos na região. Organizações internacionais e países vizinhos estão atentos ao desenrolar dos acontecimentos, enquanto os cidadãos senegaleses enfrentam um cenário de crescente instabilidade.

A Amnistia Internacional apela às autoridades senegalesas para que garantam a proteção dos direitos humanos e a aplicação da lei de forma justa e imparcial. A organização exorta o governo a investigar prontamente as violações passadas e a garantir um ambiente seguro e livre para o exercício das liberdades fundamentais no país.

A resolução pacífica das tensões políticas e o respeito aos direitos humanos são essenciais para garantir a democracia e o bem-estar dos cidadãos senegaleses.

 

Conclusão

As violações dos direitos humanos e a repressão política no Senegal, ilustram como a falta de respeito às liberdades fundamentais e às instituições democráticas podem levar à instabilidade e minar o tecido social.

Para resolver este problema e levar o governo senegalês a tomar medidas concretas para abordar as preocupações levantadas pela Amnistia Internacional, é crucial estabelecer um diálogo aberto e inclusivo entre todas as partes envolvidas e garantindo que o governo tome medidas concretas para proteger os direitos humanos.

A comunidade internacional tem o dever de apoiar os esforços para promover o respeito às liberdades fundamentais e a justiça no país.

 

O que achas desta situação no Senegal? A Amnistia Internacional deveria ser mais interveniente? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Imagem: © DR 
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!