Só a África decide o seu futuro energético

Os países africanos não podem ser obrigados a seguir os ideais irreais do Norte Global, para uma economia exclusivamente movida a energias renováveis.

Imagem © 2020 NicoElNino - Alamy Stock Photo (20220811) Só a África decide o seu futuro energético

Só a África decide o seu futuro energético.

África encontra-se dividida. No continente fala-se de uma transição energética limpa, no entanto, o ex-presidente nigeriano Olusegun Obasanjo afirmou que os países africanos não podem ser obrigados a seguir os ideais irreais do Norte Global, para uma economia exclusivamente movida a energias renováveis.

 

A posição de Obasanjo

No meio de uma crise global de petróleo e gás, a África deve assumir o controle do seu próprio destino energético e usar os seus ricos recursos em benefício do seu próprio povo.

Esta é a chamada de atenção do ex-presidente nigeriano Olusegun Obasanjo. Os seus comentários surgem no momento em que o mundo luta para encontrar novas fontes de petróleo e gás para atender às suas necessidades de energia após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Neste contexto, Obasanjo diz que os países africanos não podem ser obrigados a seguir os ideais irrealistas do Norte Global para uma economia exclusivamente movida a energias renováveis. Ele afirma que essa posição é irreal, quando o próprio mundo “desenvolvido” está a aceitar a necessidade de utilizar hidrocarbonetos.

“Como o resto do mundo, a África deve seguir políticas energéticas que promovam o desenvolvimento socioeconómico e o uso sustentável de hidrocarbonetos”.

“África é o menor produtor de emissões de gases de efeito estufa e precisa tirar quase meio bilhão de cidadãos da pobreza”.

“A gestão responsável de nossos hidrocarbonetos e o investimento nas nossas economias são necessários para garantir uma transição energética justa e um crescimento sustentável para o nosso povo”.

Afirmou Olusegun Obasanjo.

A União Europeia disse que pretende cortar o petróleo fornecido pela Rússia em 90% até o final de 2022 e, o anúncio, já fez com que os custos globais de energia disparassem.

África é uma das potenciais novas fontes de energia para substituir essa oferta, com uma estimativa de 61 bilhões de BOE (barrel oil equivalent) sendo descobertos na região nos últimos 10 anos.

O apelo de Obasanjo para que África afirme a sua soberania energética, surge antes da conferência, Africa Oil Week (AOW), a realizar na África do Sul, onde empresas de energia, investidores e governos se reunirão para negociar acordos que moldarão o futuro do continente.

A Organização dos Produtores Africanos de Petróleo (APPO) também apelou aos países membros e outras instituições globais, para usarem o petróleo como catalisador para a segurança energética, desenvolvimento sustentável e diversificação económica em África através de colaborações e parcerias.

Tanto Obasanjo como a APPO, apelaram a um diálogo acelerado sobre o desenvolvimento sustentável dos hidrocarbonetos e o papel de África como fornecedor das necessidades energéticas mundiais.

“Tem-se falado muito em fóruns como o Fórum Económico Mundial em Davos, sobre uma transição energética justa”.

“No entanto, não devemos permitir que África não tenha a palavra”.

“As discussões na AOW serão fundamentais para traçar um novo curso de energia para a África. Vamos decidir o que é melhor para nós”.

Afirmou Obasanjo.

 

A transição energética

Paul Sinclair, VP de Energia e Diretor de Relações Governamentais da AOW, disse que África está comprometida com uma transição justa e equitativa para as energias renováveis.

“Os críticos cometem o erro de pensar que África abandonou as estratégias de energia renovável. Esse não é o caso”.

“A transição energética é exatamente isso, uma transição que faz parte do objetivo de África em alcançar o zero líquido”.

“No entanto, petróleo e gás são necessários para o futuro previsível”.

Sinclair diz que os comentários de Obasanjo devem ser vistos contra os desafios socioeconómicos que muitas economias africanas enfrentam.

Obasanjo foi um dos principais líderes do período pós-colonial dse África, tendo supervisionado a transição da Nigéria para a democracia representativa. Desde a sua saída da esfera governamental, ele tem sido um estadista sénior, ativo na definição de questões geopolíticas – incluindo a energia.

Obasanjo também ajudou a moldar a moderna indústria petrolífera nigeriana, inaugurando reformas políticas que viram o país tornar-se uma superpotência energética no continente africano.

“Criar uma indústria petrolífera africana que beneficie o povo africano precisa de políticas e regulamentações fortes”.

“Há aprendizados que podemos aplicar em toda a região. Estou ansioso para discutir essas oportunidades para África”.

O continente africano continua a ser um dos lugares mais inexplorados do planeta para depósitos de petróleo e gás. No entanto, a descoberta contínua de novos recursos energéticos sugere que o continente possui grande energético por baixo da superfície.

De acordo com as Nações Unidas, estima-se que meio bilhão de africanos viva abaixo da linha da pobreza, enquanto, ao mesmo tempo, África é responsável por apenas 3,8% das emissões globais de CO2.

Muitos países africanos argumentam que devem ser autorizados a explorar os seus recursos naturais por meio de estratégias de gestão de baixo carbono, ao mesmo tempo em que desenvolvem fontes de energia renovável. Isso exigirá que os países desenvolvam uma matriz energética adequada ao crescimento e ao progresso.

 

A Africa Oil Week e a Green Energy Africa Summit

A Africa Oil Week oferece quatro dias de insights pioneiros, desde painéis ministeriais a perspectivas estratégicas destinadas a impulsionar o investimento no upstream africano para o benefício do continente.

No centro do evento estão alguns dos insights mais convincentes sobre as estratégias upstream dos governos de todo o continente.  Essas amplas e variadas oportunidades de networking resultaram em um retorno sem precedentes de delegados ano após ano.

A AOW, é mundialmente conhecida por reunir os delegados mais seniores a cada ano. Em 2021, a AOW recebeu mais de 30 ministros e líderes governamentais, mais de 2.000 delegados de nível C, representantes e centenas de SVPs e VPs de África, Exploração e Novos Empreendimentos – tornando o evento, a conferência sobre energia, mais influente de África.

Enquanto a Africa Oil Week mantiver a sua própria identidade, como um evento de hidrocarbonetos puro, para defender o desenvolvimento upstream, a Green Energy Africa Summit, desempenhará o seu papel na condução de ambientes propícios para garantir que, o investimento estrangeiro direto, seja implantado em projetos revolucionários que reduzirão o déficit de energia em África.

 

O que achas desta situação? África deve voltar atrás na transição energética? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Imagem: © 2020 NicoElNino / Alamy Stock Photo
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!