15.5 C
Londres
Sábado, Abril 13, 2024

Manchester City Faz História no Futebol

"O City atingiu a imortalidade, estes jogadores merecem uma estátua. Praticaram um futebol do outro mundo ao longo da época” - Rio Ferdinand, comentador da BT Sport.

Manchester City Faz História no Futebol.

Num dia histórico para o futebol inglês, o Manchester City, comandado pelo lendário treinador Pep Guardiola, alcançou o auge do futebol europeu ao conquistar pela primeira vez o cobiçado troféu da Liga dos Campeões da UEFA.

O palco deste grande feito foi a cidade de Istambul, na Turquia, onde venceram o Inter de Milão por 1-0, num empolgante e emocionante jogo, muito equilibrado. É o triunfo inédito que marca uma página importante na história do clube.

Na história do futebol, testemunhamos várias viragens importantes, mas poucas têm sido tão impressionantes quanto a ascensão do Manchester City à glória europeia.

 

A Ascensão do Manchester City

Na decisiva partida contra o Inter de Milão, o Manchester City destacou-se ao vencer por 1-0, conquistando assim o seu primeiro título europeu.

A atmosfera estava carregada de tensão e expectativa quando a bola começou a rolar e a equipe do Manchester começou a partida a impor o seu ritmo. Controlavam a posse de bola e procuravam criar oportunidades.

A partida começou com uma primeira parte marcada pela saída de Kevin De Bruyne devido a lesão, sem grandes oportunidades para ambos os lados. A primeira grande ameaça surgiu aos 59 minutos, quando Lautaro Martínez do Inter, na sequência de um erro do defesa Akanji, Martínez se viu isolado, frente ao guarda-redes brasileiro Ederson, mas falhou a oportunidade de inaugurar o marcador.

O City reagiu prontamente e, apenas nove minutos depois, chegou finalmente ao golo tão esperado. Akanji enviou a bola para trás da defesa do Inter, uma inteligente assistência de Bernardo Silva encontrou Rodri na área, cruzou e Rodri, sem hesitação, atirou para a baliza que, com um remate certeiro, colocou os ingleses na frente.

O golo de Rodri aos 68 minutos, selou o destino da partida e fez história para o Manchester City.

 

O Confronto Final

Apesar do revés, o Inter de Milão não se rendeu facilmente e procurou o empate. Lutaram até ao último minuto, com destaque para a tentativa de Dimarco aos 71 minutos que viu a sua cabeçada acertar na trave. Lukaku também esteve perto de igualar a partida no último minuto, mas encontrou pela frente um inspirado Ederson.

Ao som do apito final, um Manchester City extasiado celebrou a sua primeira vitória na Liga dos Campeões, enquanto Guardiola erguia o troféu pela terceira vez na sua carreira. Ao vencerem o campeonato italiano e a Taça de Inglaterra, a equipa de Manchester juntou-se ao seleto grupo de clubes que conquistaram a tripla coroa, uma proeza alcançada apenas pelo Manchester United em 1999.

 

Triunfo Dourado do Manchester City

Após a partida, os jogadores e o treinador do Manchester City partilharam as suas emoções. Bernardo Silva, ainda em êxtase, afirmou:

“Fizemos história. Estou tão, tão contente… acho que é, de longe, o melhor dia da minha carreira”.

“Sempre sonhei vencer esta competição e agora posso tocar nesta taça”.

Enquanto isso, Guardiola dedicou palavras de consolo ao Inter de Milão, dizendo:

“Quero felicitar o Inter pelo seu desempenho. Sei o que eles sentem, nós sentimo-lo há dois anos”.

“São a segunda melhor equipa da Europa, e isso é óptimo. Esta final estava escrita nas estrelas”.

“Estou feliz, mas ao mesmo tempo, eles poderiam ter marcado e nós poderíamos ter perdido”.

“Estamos satisfeitos com algo único: ganhar a tripla”.

Apesar da tristeza da derrota, o treinador do Inter, Simone Inzaghi, manteve a cabeça erguida:

“É normal que haja arrependimentos. Perder é a pior coisa no desporto”.

“Ao mesmo tempo, os meus jogadores têm de estar orgulhosos da época e do desempenho na final”.

“Jogámos contra um grande adversário, mas é evidente que não merecíamos perder”.

Por seu turno, o capitão do Manchester City, Ilkay Gündoğan, reconheceu a dureza da batalha em campo:

“Foi difícil para ambas as equipas. Não estivemos ao nosso melhor nível na primeira parte. Estávamos a hesitar”.

“Sabíamos que tínhamos de fazer melhor na segunda parte. Foi provavelmente um jogo de 50-50”.

“Sentimo-nos muito felizes por o golo ter sido a nosso favor”.

Por fim, como símbolo da grandeza deste feito, Rio Ferdinand, comentador da BT Sport, afirmou:

“O City atingiu a imortalidade – estes jogadores merecem uma estátua. Praticaram um futebol do outro mundo ao longo da época”.

“Individual e colectivamente, esta equipa vai entrar para a história”.

 

O Histórico Manchester City

Para além dos troféus conquistados, o Manchester City fez história em várias frentes. Tornou-se o 23º clube diferente a sagrar-se campeão europeu, e Guardiola o quarto treinador a sagrar-se campeão europeu em pelo menos três ocasiões.

Com um percurso invicto na competição (8 vitórias e 5 empates), tornou-se a 15ª equipa a terminar invicta uma campanha na prova. Acresce ainda o feito de Erling Haaland, que terminou como o melhor marcador da prova, com 12 golos.

Com esta conquista, o City junta-se ao panteão das maiores equipas do futebol mundial. Esta equipa de Manchester entrou definitivamente para a história, não só pelos troféus que conquistou, mas também pela qualidade do futebol praticado, alicerçado numa filosofia de jogo de posse e ataque que se tornou uma marca distintiva sob o comando de Guardiola.

 

Representação Africana

Ao longo dos anos, o Manchester City presenciou o surgimento de talentos excepcionais do continente africano, que deixaram uma marca indelével na história do clube. Estes jogadores desempenharam papéis significativos na trajetória do Manchester City, destacando-se não só pelo seu talento em campo, mas também pela influência e impacto que tiveram no clube.

As suas realizações são uma prova do papel fundamental que os jogadores africanos desempenham no futebol global, e o seu legado no Manchester City será lembrado por muitos anos. Vamos explorar o legado dos maiores jogadores africanos do Manchester City e celebrar as suas contribuições para o sucesso do clube.

 

Yaya Touré, Costa do Marfim:

Qualquer discussão sobre as estrelas africanas do Manchester City deve começar com o poderoso meio-campista marfinense, Yaya Touré. Um dos jogadores africanos mais condecorados da história, Touré transformou a sorte do City quando se transferiu do Barcelona em 2010.

Dotado de força excepcional, técnica e um talento para marcar gols decisivos, Touré foi um personagem crucial nas vitórias do City na Premier League em 2012 e 2014. Ele saiu do clube em 2018 com dois títulos adicionais da Premier League e três da Taça da Liga. O seu recorde de quatro prémios consecutivos de Jogador Africano do Ano entre 2011 e 2014 é apenas igualado por Samuel Eto’o.

 

Riyad Mahrez, Argélia:

Nos últimos anos, o extremo argelino Riyad Mahrez tem deslumbrado os adeptos do Manchester City com a sua sublime habilidade e criatividade. Desde a sua transferência do Leicester City em 2018, a destreza técnica, o talento e a capacidade de desmontar defesas de Mahrez têm sido instrumentais nos recentes sucessos do City.

Ele conquistou quatro títulos adicionais da Premier League no City (2019, 2021, 2022 e 2023) e tem a chance de vencer o seu primeiro troféu da UEFA Champions League pelo City.

 

Emmanuel Adebayor, Togo:

Depois de um bem-sucedido período de três anos no Arsenal, Emmanuel Adebayor transferiu-se para o Manchester City em 2009, tornando-se o jogador africano mais caro naquela época com um acordo de £25 milhões.

A assinatura de Adebayor foi uma declaração significativa da nova propriedade do City, mostrando a sua ambição de competir ao mais alto nível. Adebayor marcou o primeiro hat-trick do City numa competição europeia, deixando uma impressão duradoura nos adeptos.

 

George Weah, Libéria:

George Weah realizou o que a maioria dos jogadores africanos só pode sonhar: ganhar a Bola de Ouro. Apelidado de King George, ele chegou ao Manchester City aos 34 anos, após um período de empréstimo no Chelsea. Embora sua passagem pelo City tenha sido breve, Weah é lembrado como o único jogador africano a ter ganho a Bola de Ouro.

 

Kolo Toure, Costa do Marfim:

Parte da equipa ‘Invincibles’ do Arsenal que teve uma sequência de 49 jogos sem perder na temporada 2003-04, Kolo Toure era uma presença sólida e comandante no centro da defesa. Em 2009, transferiu-se para o Manchester City no auge da sua carreira.

Ao lado de Adebayor, Toure foi a segunda estrela do Arsenal que se transferiu para o City no verão de 2009. A lenda marfinense já havia conquistado a Premier League como parte da equipa ‘invencível’ do Arsenal em 2004. Uma contratação chave para o City, Toure rapidamente se tornou um dos pilares da unidade defensiva do City.

Apesar de ter perdido a braçadeira de capitão para Carlos Tevez, Toure permaneceu uma peça vital no plano defensivo do clube. O marfinense conquistou o seu segundo título da Premier League com o Manchester City no triunfo histórico de 2012. No entanto, um teste antidoping positivo e uma subsequente suspensão de seis meses afastaram-no gradualmente do time titular do City.

Toure fez um total de 102 aparições pelo City, vencendo um título da Premier League e uma Taça da FA. O ex-astro do Arsenal deixou o clube para se juntar ao Liverpool em 2013.

 

Conclusão

Este foi certamente um dia para entrar na história do futebol e que será recordado para sempre pelos adeptos do Manchester City e todos aqueles que apreciam o desporto rei. A equipa do Manchester City, sob a liderança de Pep Guardiola, conseguiu um feito que ao início parecia impossível.

Apesar de enfrentar uma forte oposição do Inter de Milão, a equipa provou o seu valor e celebrou uma vitória bem merecida. A viagem do Manchester City ao topo do futebol europeu foi longa, mas agora, finalmente, podem desfrutar da vista pois encontraram um lugar na história do futebol com esta vitória.

 

O que achas desta vitória do Manchester City? O Man City teria chegado onde chegou hoje, sem os jogadores africanos? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.
Imagem: © 2023 Manu Fernandez
Francisco Lopes-Santos
Francisco Lopes-Santoshttp://xesko.webs.com
Ex-atleta olímpico, tem um Doutoramento em Antropologia da Arte e dois Mestrados um em Treino de Alto Rendimento e outro em Belas Artes. Escritor prolifero, já publicou vários livros de Poesia e de Ficção, além de vários ensaios e artigos científicos.
Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!