Atletismo: 3 Africanos Entre Os Atletas Do Ano.

A corredora de meio-fundo queniana Faith Kipyegon, os recordistas da maratona Kelvin Kiptum do Quénia e Tigst Assefa da Etiópia estiveram entre os seis “Atletas do Ano” homenageados no Mónaco na segunda-feira à noite pela Federação Internacional de Atletismo (World Athletics) que também prestou homenagem aos recordes da maratona que foram batidos nesta temporada.

A World Athletics costuma nomear um homem e uma mulher como “Atleta do Ano“, mas este ano decidiu atribuir mais prémios do que o habitual, destacando seis atletas pelas suas performances na pista, na estrada e em eventos de campo.

 

Os Nomeados

Faith Kipyegon, de 29 anos, foi coroada na categoria “pista” após ter batido três recordes mundiais de atletismo em 2023, nos 1.500 m (3 min 49 seg 11), milha (aproximadamente 1.609 metros, em 4:07.64) e 5.000 m (14:05.20).

“Foi um ano maravilhoso”.

“Nunca esperei fazer o que fiz, bater três recordes mundiais e ganhar duas medalhas de ouro”, disse Kipyegon.

Aquando do Campeonato Mundial de Atletismo em Budapeste, Faith Kipyegon, também se tornou a primeira mulher a fazer a dupla 1500/5000.

O norte-americano Noah Lyles, o homem mais rápido do mundo este ano, também foi homenageado na categoria “pista” após dominar a corrida mundial ao vencer os 100 m, 200 m e 4×100 m no Campeonato Mundial de Atletismo em Budapeste.

“Os 100 m foram os mais importantes porque sempre soube que era o homem mais rápido do planeta, mas ninguém ia acreditar sem este título”.

Reagiu o velocista, mais especializado nos 200 m.

No próximo ano, o norte-americano de 26 anos quer conquistar o ouro olímpico que falta no seu currículo, tendo já conquistado seis títulos mundiais no atletismo e batido o recorde mundial dos 200 m (19,19 segundos de Usain Bolt contra uma melhor marca pessoal de 19,31).

O sueco Mondo Duplantis, elevou o seu recorde mundial de salto com vara para 6,23 m este ano e a venezuelana Yulimar Rojas, campeã mundial e detentora do recorde mundial no triplo salto (15m74 em 2022), foram coroados na categoria “evento de campo“.

Kelvin Kiptum do Quénia e Tigst Assefa da Etiópia foram recompensados na categoria “estrada” pelos seus estratosféricos recordes mundiais de atletismo na maratona, com 2:00:35 e 2:11:53, respetivamente. Kiptum pretende correr ainda mais rápido e aproximar-se da mítica barreira das duas horas na maratona de Roterdão (Países Baixos) em Abril do próximo ano.

 

O que achas desta distinção do atletismo? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Imagem: © 2023 Filippo Monteforte / Getty Images
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!