6.3 C
Londres
Domingo, Abril 21, 2024

África: 21.000 Redes De Crime Cibernético

África não deve ser sobrestimada porque “é o futuro" – Naser Al-Raisi, presidente da Interpol.

África: 21.000 Redes De Crime Cibernético.

Foram identificaram em África, numa operação conjunta da Interpol e da Afripol, mais de 21.000 redes cibernéticas suspeitas, ligadas a perdas financeiras de 40 milhões de euros, disse hoje o presidente da Interpol, alertando para o aumento endémico do cibercrime no continente.

Ahmed Naser Al-Raisi, oficial de alta patente dos Emirados Árabes Unidos e presidente da Interpol, falava hoje em Luanda na 26.ª Conferência Regional Africana da Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) e indicou que, nos anos mais recentes, África assistiu a um aumento de crimes em várias áreas, em especial o cibercrime, que coloca desafios sérios aos governos e aos cidadãos.

“Os ataques são cada vez mais complexos e frequentes, com os criminosos a usar novos métodos para acederem a dados confidenciais e informações sensíveis”, notou.

Numa operação conjunta da Interpol e da Afripol (Mecanismo da União Africana para a Cooperação Policial) em 25 países africanos, a polícia identificou 21.000 redes cibernéticas suspeitas ligadas a perdas financeiras superiores a 40 milhões de dólares (cerca de 40 milhões de euros), apontou.

“No passado mês de maio, a Operação Chacal bloqueou mais de 200 contas bancárias ligadas aos lucros provenientes de crimes financeiros ‘online’ conduzidos por chefes de redes criminosas da África Ocidental que foram presos”.

Sublinhou o responsável, indicando que as 54 unidades centrais nacionais da Interpol em África apoiaram várias operações bem-sucedidas.

Recentemente, acrescentou, a operação conjunta FLASH-WEKA (Interpol e Afripol), direcionada para o combate ao tráfico de seres humanos, levou a mais de 1.000 detenções e à identificação de mais de 2.700 migrantes e cerca de 820 vítimas de tráfico de seres humanos.

Naser Al-Raisi afirmou que Angola é um membro relevante desde 1982, apoiando a luta global contra os grupos criminosos na África do Sul e, em parceria com outros países, tem ajudado a proteger a região contra o tráfico de drogas, de armas, de pedras preciosas e de pessoas.

O presidente da Interpol considerou que o centenário da organização é uma oportunidade para olhar para os próximos 100 anos, realçando a importação dos 54 países da região africana que representam mais de 1,3 mil milhões de pessoas.

“Os nossos debates visam reforçar a segurança dos africanos e do continente”.

Adiantou Naser Al-Raisi, reforçando que África não deve ser sobrestimada porque “é o futuro“.

Salientou, por outro lado, que África tem feito grandes progressos no combate ao crime, exortando as autoridades a exploraram ao máximo as bases de dados e serviços policiais da Interpol, bem como os seus recursos e presença global.

O que achas deste volume de cibercrime em África? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 

Imagem: © DR 
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!