18.3 C
Londres
Domingo, Julho 21, 2024

Angola: Aceleração Digital Recebe 300 Milhões

Espera-se também a mobilização de cerca de 80 milhões de dólares em investimentos do sector privado.

Angola: Aceleração Digital Recebe 300 Milhões


Angola vai beneficiar de um financiamento de 300 milhões de dólares (280 milhões de euros) do Banco Mundial, com o intuito de acelerar a inclusão digital e expandir o acesso a serviços digitais.

Este apoio faz parte de um projeto mais amplo de Digitalização Inclusiva na África Oriental e Austral (IDEA) que conta com um investimento total de 2,48 mil milhões de dólares (2,31 mil milhões de euros) da Associação Internacional de Desenvolvimento (IDA) e do Banco Internacional para a Reconstrução e o Desenvolvimento (BIRD).

 

Estrutura do Projeto


O programa abrange 15 países e comunidades económicas regionais e enfrenta desafios como a cobertura limitada da Internet, infraestruturas de dados inadequadas, acessibilidade dos dados e dispositivos, competências digitais limitadas, riscos de cibersegurança e protecção de dados.

A iniciativa pretende fomentar o crescimento económico sustentável através de poupanças de custos a longo prazo, eficiência e ganhos de produtividade resultantes da maior adoção digital por parte de cidadãos, empresas e governos na região.

O IDEA será implementado em fases ao longo de oito anos, começando com Angola, República Democrática do Congo (RDC) e Malawi na primeira fase. Outros países e organismos regionais poderão participar em fases subsequentes, dependendo da sua elegibilidade e preparação. A coordenação regional do programa será liderada pelo Mercado Comum da África Oriental e Austral (COMESA).

 

Componentes do Projeto


Em Angola, o Projeto de Aceleração Digital, parte do IDEA, tem como objectivo acelerar a inclusão digital, aumentar o acesso a serviços digitais e criar oportunidades para o avanço da economia digital.

Com um financiamento de 300 milhões de dólares do BIRD, o projeto será coordenado pelo instituto de Modernização Administrativa (IMA) que supervisiona a transformação digital do governo, em parceria com outras instituições do sector.

Espera-se também a mobilização de cerca de 80 milhões de dólares em investimentos do sector privado.

O projeto angolano está estruturado em três componentes principais:

  1. Interligação e inclusão de banda larga a preços acessíveis: Visa aumentar o acesso a serviços de Internet de qualidade e criar espaços comunitários digitais, como laboratórios de informática e programas de literacia digital para iniciantes.
  2. Ampliação de infraestruturas públicas digitais, inclusivas e seguras: Foca-se em incentivar a inovação no governo e sector privado, facilitando o acesso dos cidadãos a serviços públicos e privados online. Irá construir a Infraestrutura Pública Digital de Angola, criando um ambiente propício para o crescimento da economia digital.
  3. Utilização digital produtiva para oportunidades económicas: Criará mais oportunidades para os angolanos, promovendo os benefícios económicos do uso da Internet e apoiando iniciativas empresariais e empreendedores digitais.

Prevê-se que o projeto beneficie mais de 13 milhões de pessoas em Angola, com especial atenção para mulheres, pessoas com deficiência e aquelas que vivem em áreas de baixo rendimento.

Os cidadãos e empresas das zonas periurbanas e rurais, pouco servidas pela economia digital, terão acesso melhorado a uma Internet de qualidade e preços acessíveis. Além disso, funcionários públicos e empreendedores digitais terão oportunidades de melhorar e actualizar as suas competências, permitindo-lhes aproveitar produtivamente as soluções digitais disponíveis.

 

Impacto e Benefícios


O Governo angolano, através do PADA (Projecto de Aceleração Digital de Angola), pretende transformar o país numa sociedade totalmente digitalizada. Segundo o Diretor-Geral do IMA, Meick Afonso, o projeto resolverá problemas básicos como a obtenção de documentos junto da administração pública e a consulta de informações detidas pelo Estado.

O PADA também facilitará a celebração de contratos entre partes interessadas em realizar negócios e encurtará distâncias, melhorando a comunicação e gerando impacto social significativo nas comunidades menos favorecidas.

Durante a Consulta Pública do PADA, realizada no Centro de Imprensa da Presidência da República (CIPRA) em Luanda, Meick Afonso destacou que o projeto permitirá uma gestão mais eficiente dos serviços públicos, atendendo às necessidades de cada cidadão e promovendo uma sociedade digital segura e inclusiva que impulsiona o empreendedorismo e cria oportunidades.

 

Conclusão


A transformação digital de Angola, impulsionada pelo PADA que visa transformar o país numa sociedade 100% digitalizada, representa um marco significativo na modernização do país.

O financiamento do Banco Mundial e a coordenação do IMA são pilares essenciais para esta evolução que promete resolver desafios administrativos e de comunicação, mas também abrir novas possibilidades para o desenvolvimento económico e social.

A digitalização ampla e inclusiva vai melhorar a qualidade de vida dos cidadãos e fortalece a economia. Com uma ampla participação pública e privada, este avanço tecnológico será fundamental para o desenvolvimento sustentável de Angola, criando uma base sólida para uma sociedade mais justa e interligada.

 

Achas que Angola vai mesmo ficar interligada a 100%? Queremos saber a tua opinião, não hesites em comentar e se gostaste do artigo partilha e dá um “like/gosto”.

 


Imagem: © DR
Logo Mais Afrika 544
Mais Afrika

Ultimas Notícias
Noticias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com